Uma al­ter­na­ti­va ao Ca­nal do Su­ez

Jornal de Angola - - OPINIÃO - IGNACIO ORTEGA | EFE

A ro­ta árctica, via ma­rí­ti­ma que po­de­ria re­vo­lu­ci­o­nar o trans­por­te mun­di­al de mer­ca­do­ri­as, avan­ça sem pres­sa, mas sem pau­sas, ape­sar da cri­se eco­nó­mi­ca e do ar­re­fe­ci­men­to da eco­no­mia chi­ne­sa.

“A ro­ta árctica não po­de com­pe­tir com o Ca­nal de Su­ez, mas po­de ser uma al­ter­na­ti­va. Tem van­ta­gens, co­mo a se­gu­ran­ça, e des­van­ta­gens, co­mo o cli­ma”, dis­se à Agên­cia Efe Ser­gei Va­len­tei, pro­fes­sor de Eco­no­mia na Uni­ver­si­da­de Ple­ja­nov de Mos­co­vo.

O pre­si­den­te rus­so, Vla­di­mir Pu­tin, lan­çou for­mal­men­te es­sa ro­ta em 2011 ao qua­li­fi­cá-la de “ar­té­ria de trans­por­te in­ter­na­ci­o­nal ca­paz de com­pe­tir com as ro­tas tra­di­ci­o­nais em cus­to de ser­vi­ços, se­gu­ran­ça e qua­li­da­de”.

E des­de en­tão, a Rús­sia co­me­çou a cons­truir uma no­va fro­ta de na­vi­os que­bra-ge­lo, por­tos de abas­te­ci­men­to, cen­tros de co­or­de­na­ção de ope­ra­ções de sal­va­men­to e ba­ses mi­li­ta­res ao lon­go des­sa inós­pi­ta cos­ta no nor­te do pla­ne­ta.

No pa­pel, es­sa via náu­ti­ca é qua­se um ter­ço mais cur­ta do que a tra­di­ci­o­nal, o que per­mi­te op­ti­mi­zar des­pe­sas na ho­ra de trans­por­tar des­de hi­dro­car­bo­ne­tos a ar­ti­gos não-pe­re­cí­veis da Eu­ro­pa até à re­gião da Ásia Pa­cí­fi­co, além de que não exis­tem pi­ra­tas co­mo no Cor­no de Áfri­ca.

Um na­vio tem que per­cor­rer 10.600 qui­ló­me­tros pa­ra che­gar pe­lo nor­te des­de a ci­da­de rus­sa de Mur­mansk ao por­to chi­nês de Xan­gai, en­quan­to se op­tar por atra­ves­sar o Su­ez vai pre­ci­sar de atra­ves­sar 17.700 qui­ló­me­tros.

A an­ti­ga União So­vié­ti­ca che­gou a trans­por­tar de ma­nei­ra sub­si­di­a­da mi­lhões de to­ne­la­das anu­ais atra­vés des­sa ro­ta, mas o cus­to era al­tís­si­mo, sen­do por is­so que o pro­jec­to foi “con­ge­la­do” até que o Krem­lin de­ci­diu re­a­bi­li­tá-lo.

O mo­ti­vo? O aque­ci­men­to glo­bal, já que a con­si­de­rá­vel re­du­ção da ca­ma­da de ge­lo que co­bre o Oce­a­no Gla­ci­al Árc­ti­co fa­ci­li­ta o tra­ba­lho pa­ra os na­vi­os que­bra-ge­lo ató­mi­cos e au­men­ta gra­du­al­men­te o pe­río­do de na­ve­ga­ção.

Se­gun­do al­guns es­pe­ci­a­lis­tas, o pro­gres­si­vo de­ge­lo que se de­ve ao au­men­to das tem­pe­ra­tu­ras le­va­rá até 2040 es­te oce­a­no a fi­car to­tal­men­te de­sim­pe­di­do no Ve­rão, o que per­mi­ti­rá não pre­ci­sar dos na­vi­os que­bra-ge­lo du­ran­te vá­ri­os me­ses de ca­da ano.

Os prin­ci­pais cli­en­tes des­ta ro­ta se­ri­am a China, em pri­mei­ro lu­gar, e tam­bém Ja­pão e a Co­reia do Sul, já que trans­por­tar mer­ca­do­ri­as até aos mer­ca­dos dos países do su­des­te asiá­ti­co já não se­ria ren­tá­vel, se­gun­do o es­pe­ci­a­lis­ta.

A China, que es­tá a in­ves­tir gran­des quan­ti­da­des de di­nhei­ro na no­va Ro­ta da Se­da, com especial ên­fa­se nu­ma fer­ro­via atra­vés da Ásia Cen­tral, tam­bém po­de­ria uti­li­zar o cor­re­dor árc­ti­co pa­ra a ex­por­ta­ção dos seus arc­ti­gos pa­ra o mer­ca­do eu­ro­peu.

Se­gun­do Va­len­tei, um dos se­gre­dos pa­ra o fu­tu­ro des­ta ro­ta é a de­man­da de gás li­que­fei­to que a Rús­sia ex­trai na pe­nín­su­la de Ja­mal, cu­jas ja­zi­das pos­su­em as mai­o­res re­ser­vas de gás do pla­ne­ta.

Pre­ci­sa­men­te, Pu­tin apro­vou no co­me­ço do ano a com­pra de 9,9 por cen­to da com­pa­nhia Ja­mal LNG por par­te da chi­ne­sa SRF (Silk Ro­ad Fund), o ter­cei­ro in­ves­ti­dor a apoi­ar o pro­jec­to após a fran­ce­sa To­tal e a tam­bém chi­ne­sa CNPC.

“Em Ja­mal es­tá a ser cons­truí­do um mo­der­no por­to ca­paz de re­ce­ber na­vi­os árc­ti­cos, já que pa­ra trans­por­tar o gás li­que­fei­to se­rão ne­ces­sá­ri­os cer­ca de 16 pe­tro­lei­ros”, des­ta­cou o eco­no­mis­ta rus­so.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.