Sur­to en­lu­ta de­ze­nas de fa­mí­li­as na pro­vín­cia da Huí­la

De­ze­nas de ani­mais de es­ti­ma­ção en­tre cães e ma­ca­cos fo­ram va­ci­na­dos es­te ano na re­gião

Jornal de Angola - - PROVÍNCIAS - ARÃO MAR­TINS | Lu­ban­go ARÃO MAR­TINS

Um to­tal de 73 pes­so­as da pro­vín­cia da Huí­la foi ata­ca­do por ani­mais afec­ta­dos pe­lo sur­to da rai­va, o que re­sul­tou em 41 óbi­tos, en­tre os me­ses de Ja­nei­ro e Se­tem­bro des­te ano, re­ve­lou na se­gun­da-fei­ra, no Lu­ban­go, o di­rec­tor do Ins­ti­tu­to dos Ser­vi­ços Ve­te­ri­ná­ri­os.

Ao dis­ser­tar na pa­les­tra so­bre o pe­ri­go da rai­va, or­ga­ni­za­da pe­la Uni­ver­si­da­de Man­du­me ya Nde­mu­fayo (UMN), en­qua­dra­da nas jor­na­das do Dia In­ter­na­ci­o­nal de Luta Contra a Rai­va, as­si­na­la­do a 28 de Se­tem­bro, Sa­mo Da­ni­el dis­se que das 73 mor­di­das, 32 pes­so­as en­con­tram-se a re­ce­ber tratamento mé­di­co e me­di­ca­men­to­so.

O di­rec­tor do Ins­ti­tu­to dos Ser­vi­ços Ve­te­ri­ná­ri­os dis­se que ape­sar des­te nú­me­ro, que con­si­de­ra pre­o­cu­pan­te, em 2015, fo­ram re­gis­ta­das 241 ocor­rên­ci­as, o que pres­su­põe di­zer que hou­ve uma re­du­ção na or­dem dos 50 por cen­to

Ten­do em con­ta as me­di­das de prevenção, a Di­rec­ção do Ins­ti­tu­to dos Ser­vi­ços Ve­te­ri­ná­ri­os pro­mo­veu es­te ano uma cam­pa­nha de va­ci­na­ção pa­ra 40 mil ani­mais de es­ti­ma­ção, en­tre cães, ga­tos e ma­ca­cos, mas ape­nas 9.050 fo­ram va­ci­na­dos.

Sa­mo Da­ni­el aler­tou pa­ra o pe­ri­go da rai­va, que con­si­de­ra uma do­en­ça fa­tal, que afec­ta os ver­te­bra­dos de san­gue quen­te, in­cluin­do o ho­mem, e é cau­sa­da por um ví­rus pre­sen­te na sa­li­va dos ani­mais in­fec­ta­dos.

“A do­en­ça po­de afec­tar o ho­mem, ani­mais ver­te­bra­dos e não só. É trans­mi­ti­da pe­lo sim­ples con­tac­to com o ví­rus trans­mi­ti­do pe­los ani­mais, atra­vés da sa­li­va. As trans­mis­sões mais co­muns acon­te­cem por via de mor­di­de­las, ar­ra­nha­du­ras, fe­ri­men­tos ou o sim­ples con­tac­to com as mu­co­sas. O sur­to foi iden­ti­fi­ca­do há mais de 3.000 anos e es­tá as­so­ci­a­do a mor­de­du­ras de ani­mais”, es­cla­re­ceu. A jul­gar pe­lo im­pac­to ne­ga­ti­vo que cau­sa nas pes­so­as, con­ti­nu­ou, a rai­va é ti­da em to­do o mun­do co­mo um pro­ble­ma de saú­de pú­bli­ca. O res­pon­sá­vel da Saú­de apon­tou vá­ri­as mo­ti­va­ções que con­cor­rem pa­ra o sur­gi­men­to da “fe­bre” da rai­va na pro­vín­cia, den­tre as quais des­ta­cou a fal­ta de or­ga­ni­za­ção ou de ex­pres­são das co­mis­sões pro­vin­ci­ais, fa­lhas na mo­bi­li­za­ção de re­cur­sos fi­nan­cei­ros pa­ra o con­tro­lo da epi­de­mia, au­men­to con­si­de­rá­vel de ani­mais va­di­os nas ru­as e de mor­de­du­ras, em que as cri­an­ças são as prin­ci­pais ví­ti­mas.

A es­tas in­su­fi­ci­ên­ci­as, de acor­do com Sa­mo Da­ni­el, jun­tam-se a es­cas­sez de re­cur­sos hu­ma­nos e ma­te­ri­ais pa­ra fa­zer fa­ce aos de­sa­fi­os que se im­põem no com­ba­te ao sur­to da rai­va. Em An­go­la, os ca­sos de rai­va in­ten­si­fi­ca­ram con­si­de­ra­vel­men­te, com o fim do con­fli­to e as aber­tu­ras que se re­gis­ta­ram em re­la­ção à li­vre cir­cu­la­ção de pes­so­as bens.

“A li­vre cir­cu­la­ção de pes­so­as e bens, a ca­ça com cães e o con­se­quen­te con­tac­to com ani­mais sel­va­gens con­tri­buí­ram pa­ra a pro­pa­ga­ção da “pra­ga” nas zo­nas ur­ba­nas”, afir­mou Sa­mo Da­ni­el.

Os cães e os ga­tos são con­si­de­ra­dos os prin­ci­pais trans­mis­so­res do ví­rus, nos cír­cu­los ur­ba­nos, apa­re­cen­do os mor­ce­gos, ra­po­sas, cha­cais e ga­tos do ma­to co­mo os prin­ci­pais trans­por­ta­do­res do ví­rus no ha­bi­tat ani­mal.

Co­mo me­di­das pre­ven­ti­vas, o di­rec­tor do Ins­ti­tu­to de Ve­te­ri­ná­ria na Huí­la con­si­de­rou im­por­tan­te que se pres­te aten­ção às al­te­ra­ções com­por­ta­men­tais que, even­tu­al­men­te, os ani­mais do­més­ti­cos ve­nham a re­gis­tar e o seu en­ca­mi­nha­men­to ime­di­a­to às au­to­ri­da­des sa­ni­tá­ri­as pa­ra o de­vi­do tratamento.

O di­rec­tor do Ins­ti­tu­to dos Ser­vi­ços Ve­te­ri­ná­ri­os dis­se ser im­por­tan­te que os pro­pri­e­tá­ri­os de ani­mais se fa­çam acom­pa­nhar do do­cu­men­to de re­gis­to e da li­cen­ça de cir­cu­la­ção e que sai­bam im­por res­tri­ções à cir­cu­la­ção dos mes­mos. “É tam­bém im­por­tan­te o uso de co­lei­ra pei­to­ral ou açai­me e a ava­li­a­ção da efi­cá­cia da va­ci­na­ção.”

Co­mo ou­tros da­dos im­por­tan­tes pa­ra se evi­tar a mor­de­du­ra, o res­pon­sá­vel enu­me­rou vá­ri­os as­pec­tos, co­mo a mo­bi­li­za­ção ur­gen­te de re­cur­sos fi­nan­cei­ros pa­ra a exe­cu­ção de um pro­gra­ma de emer­gên­cia de com­ba­te à rai­va, in­ten­si­fi­ca­ção da cap­tu­ra de ani­mais va­di­os pe­las ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais, com a par­ti­ci­pa­ção dos ór­gãos de de­fe­sa e se­gu­ran­ça e o es­ta­be­le­ci­men­to e re­or­ga­ni­za­ção das co­mis­sões pro­vin­ci­ais.

Um por­me­nor da ci­da­de do Lu­ban­go on­de a di­rec­ção dos Ser­vi­ços Ve­te­ri­ná­ros ma­ni­fes­tou pre­o­cu­pa­ção em re­la­ção ao nú­me­ro de ca­sos de rai­va

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.