Ca­sos de abu­so se­xu­al em tri­bu­nal

CU­AN­DO CU­BAN­GO Mai­o­ria das ví­ti­mas são me­ni­nas com me­nos de de­zas­seis anos de ida­de

Jornal de Angola - - SOCIEDADE - WEZA PASCOAL | Ser­vi­ços de In­ves­ti­ga­ção Cri­mi­nal no Cu­an­do Cu­ban­go re­ve­lam nú­me­ros de ca­sos de abu­so se­xu­al

Em de­cla­ra­ções ao Jor­nal de An­go­la, no qua­dro de um en­con­tro de re­fle­xão so­bre a “Vi­o­lên­cia e abu­so se­xu­al contra a cri­an­ça”, pro­mo­vi­do pe­lo Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal da Cri­an­ça (INAC), Job de Al­mei­da dis­se que a mai­o­ria das ví­ti­mas são me­ni­nas com ida­des com­pre­en­di­das en­tre os 11 e os 15 anos.

Job de Al­mei­da ad­mi­tiu que o nú­me­ro de me­no­res abu­sa­das se­xu­al­men­te na pro­vín­cia é de lon­ge su­pe­ri­or, a jul­gar pe­los re­la­tos que di­a­ri­a­men­te che­gam ao co­nhe­ci­men­to do SIC. Acres­cen­tou que há si­tu­a­ções de abu­so se­xu­al de me­no­res nas co­mu­ni­da­des que as au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais e as fa­mí­li­as não in­for­mam às au­to­ri­da­des po­li­ci­ais e pre­fe­rem re­sol­ver o de­li­to de for­ma pa­cí­fi­ca.

“Nos ca­sos re­me­ti­dos em tri­bu­nal, o SIC só con­se­guiu che­gar aos su­pos­tos cri­mi­no­sos gra­ças a um atu­ra­do tra­ba­lho de in­ves­ti­ga­ção”, re­fe­riu. Job de Al­mei­da ape­lou à po­pu­la­ção pa­ra de­nun­ci­ar os ca­sos de abu­so se­xu­al contra a cri­an­ça e os de vi­o­lên­cia do­més­ti­ca, com vis­ta a se ga­ran­tir a pro­tec­ção das fa­mí­li­as e, so­bre­tu­do, dos me­no­res. “São cri­mes pú­bli­cos e qual­quer pes­soa po­de de­nun­ci­ar”, lem­brou.

O di­rec­tor pro­vin­ci­al ad­jun­to do SIC fri­sou que, em ca­so de cri­me de vi­o­la­ção se­xu­al, o pre­su­mí­vel cri­mi­no­so é sub­me­ti­do a exa­mes de VIH. “Se o seu es­ta­do se­ro­ló­gi­co for po­si­ti­vo, é in­di­ci­a­do por en­ve­ne­na­men­to nos ter­mos do ar­ti­go 353º do Có­di­go Pe­nal e a mol­du­ra pe­nal é do ti­po ilí­ci­to e vai de 20 a 24 anos de pri­são mai­or”, es­cla­re­ceu. “Te­mos vin­do a tra­ba­lhar com as dis­tin­tas áre­as afins, pa­ra que ca­sos de abu­sos contra me­no­res te­nham uma in­ter­ven­ção rá­pi­da e opor­tu­na de acor­do com a lei, ra­zão pe­la qual te­mos su­ge­ri­do que, sem­pre que acon­te­cer uma si­tu­a­ção de abu­so se­xu­al, se­jam de­nun­ci­a­dos os in­frac­to­res pa­ra que es­tes es­te­jam a con­tas com a lei.”

O res­pon­sá­vel da área de in­fân­cia do INAC, Fer­nan­do Do­min­gos, dis­se que além dos ca­sos de abu­so se­xu­al re­la­ta­dos pe­lo SIC, no pe­río­do em ba­lan­ço, fo­ram ain­da re­gis­ta­dos 41 ca­sos de ex­plo­ra­ção de tra­ba­lho in­fan­til, 12 de maus tra­tos, três de fu­ga à pa­ter­ni­da­de e igual nú­me­ro de ofen­sas cor­po­rais.

Re­fe­riu que nos ca­sos de abu­so se­xu­al, os in­frac­to­res já se en­con­tram a con­tas com a jus­ti­ça e vão ser jul­ga­dos. Fri­sou que os ca­sos de abu­so se­xu­al, ofen­sas cor­po­rais e ou­tros fo­ram en­ca­mi­nha­dos ra­pi­da­men­te pa­ra o Ser­vi­ço de In­ves­ti­ga­ção Cri­mi­nal (SIC) e o INAC tem fei­to o acom­pa­nha­men­to.

No mes­mo pe­río­do, o INAC re­gis­tou tam­bém 39 ca­sos de cri­an­ças em con­fli­to com a lei, sen­do 35 por fur­to, dois de ofen­sas cor­po­rais vo­lun­tá­ri­as e igual nú­me­ro de rou­bo. Acres­cen­tou que es­tas cri­an­ças se en­con­tram no cen­tro de acon­se­lha­men­to do Lar Pa­dre João Bos­co.

Os par­ti­ci­pan­tes de­fen­de­ram uma mai­or di­vul­ga­ção dos 11 com­pro­mis­sos e da Lei da Pro­tec­ção pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to In­te­gral da Cri­an­ça, de pre­fe­rên­cia em lín­gua na­ci­o­nal ngan­gue­la, pa­ra que a po­pu­la­ção do meio ru­ral te­nha me­lhor co­nhe­ci­men­to.

O fó­rum re­co­men­dou, igual­men­te, o com­pro­mis­so ri­go­ro­so por par­te das fa­mí­li­as de to­das as ta­re­fas ati­nen­tes aos me­no­res, no que tan­ge à pa­ter­ni­da­de, ali­men­ta­ção, acom­pa­nha­men­to es­co­lar, saú­de e li­vre ex­pres­são.

NI­CO­LAU VAS­CO|MENONGUE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.