Na­dir Ta­ti mos­tra “Ca­mi­nhos da Al­ma”

Jornal de Angola - - CULTURA - MÁ­RIO COHEN |

“Ca­mi­nhos da Al­ma” é o te­ma da mais re­cen­te co­lec­ção de tra­jes da es­ti­lis­ta Na­dir Ta­ti apre­sen­ta­da, do­min­go, em Por­tu­gal, na 45.ª edi­ção da Mo­da Lis­boa Fashion Week.

A mais re­cen­te cri­a­ção de Na­dir Ta­ti é uma co­lec­ção ele­gan­te e re­fi­na­da que to­ca em sen­ti­men­tos e emo­ções de um po­vo que luta pa­ra um me­lhor po­si­ci­o­na­men­to na ac­tu­al si­tu­a­ção da no­va An­go­la.

No úl­ti­mo dia, a cri­a­do­ra de mo­da an­go­la­na ar­ran­cou gran­des aplau­sos do pú­bli­co lis­bo­e­ta que vi­ram pas­sar tra­jes de mais de 30 mo­de­los que apre­sen­ta­ram no gran­de des­fi­le vá­ri­os es­ti­lis­tas e de­sign na 45.ª edi­ção da Mo­da Lis­boa Fashion Week.

A ca­deia de Te­le­vi­são por­tu­gue­sa CM TV, na edi­ção do Jor­nal da Noi­te, de se­gun­da-fei­ra, te­ceu gran­des elo­gi­os a Na­dir Ta­ti por brin­dar os aman­tes da mo­da com a sua ex­ce­len­te co­lec­ção “Ca­mi­nhos da Al­ma”.

Com es­ta co­lec­ção, a cri­a­dor na­ci­o­nal mos­tra ao mun­do to­do seu po­der ima­gi­ná­rio na con­fec­ção de tra­jes que me­re­ce um olhar aten­do quan­do se tra­ta de mo­da e que An­go­la es­tá a tra­ba­lhar pa­ra se apre­sen­tar em gran­des mon­tras in­ter­na­ci­o­nais. Ac­tu­al­men­te, Na­dir Ta­ti é uma das prin­ci­pais re­fe­rên­cia quan­do se fa­la de mo­da con­tem­po­râ­nea em An­go­la. “Ca­mi­nhos que de­vem ser se­gui­dos com ex­ce­lên­cia e com de­ter­mi­na­ção por to­dos os jo­vens e adul­tos que acre­di­tam num fu­tu­ro me­lhor. Ca­mi­nhos da Al­ma de uma mu­lher so­fis­ti­ca­da, in­te­li­gen­te e de­ter­mi­na­da. Ca­mi­nhos e al­mas de ex­clu­si­vi­da­de e afri­ca­ni­da­de”, ex­pli­ca a cri­a­do­ra, em co­mu­ni­ca­do.

Pa­ra Na­dir Ta­ti, o seu tra­ba­lho é trans­por­tar pa­ra o mun­do to­da uma his­tó­ria afri­ca­na que pas­sa por um pro­ces­so de iden­ti­da­de e afir­ma­ção de um con­ti­nen­te que acom­pa­nha ca­da vez mais o mun­do num pro­ces­so de glo­ba­li­za­ção.

Na­dir Ta­ti é a mais re­co­nhe­ci­da cri­a­do­ra de mo­da an­go­la­na, for­ma­da em cri­mi­no­lo­gia, con­sul­to­ria de ima­gem e de­sign de mo­da.

A es­ti­lis­ta tra­ba­lhou an­te­ri­or­men­te co­mo ma­ne­quim, uma pro­fis­são que des­per­tou a sua gran­de pai­xão pe­las ar­tes e pe­la mo­da, em especial a afri­ca­na.

Lo­pi­to Fei­jóo re­pre­sen­tou a li­te­ra­tu­ra e os es­cri­to­res an­go­la­nos na Fei­ra In­ter­na­ci­o­nal do Li­vro de Ma­pu­to, que de­cor­reu de 6 a 8 des­te mês, na ca­pi­tal de Mo­çam­bi­que.

Con­vi­da­do pe­la pre­si­dên­cia do Con­se­lho mu­ni­ci­pal da ci­da­de, no dia de aber­tu­ra da fei­ra, o es­cri­tor an­go­la­no fez a apre­sen­ta­ção da sua mais re­cen­te obra li­te­rá­ria in­ti­tu­la­da “Reu­ni­ver­sos Dou­tri­ná­ri­os” no Jar­dim Tun­du­ro, re­cen­te­men­te re­a­bi­li­ta­do pa­ra re­ce­ber a se­gun­da edi­ção da fei­ra.

No dia se­guin­te, Lo­pi­to Fei­jóo es­te­ve pre­sen­te na me­sa li­te­rá­ria em que foi abor­da­do o te­ma da me­mó­ria co­lec­ti­va e do pa­tri­mó­nio li­te­rá­ri­o­cul­tu­ral com re­fle­xões so­bre os es­cri­to­res, as bi­bli­o­te­cas pú­bli­cas e a pro­mo­ção da leitura. Des­ta me­sa par­ti­ci­pa­ram ain­da os es­cri­to­res Ana Ri­ta San­ti­a­go, do Bra­sil, e os an­fi­triões Ca­la­ne da Sil­va, Mar­ce­lo Pan­gua­ne e Pau­li­na Chi­zi­a­ne.

No ter­cei­ro e úl­ti­mo dia de ac­ti­vi­da­de, o es­cri­tor an­go­la­no, tam­bém no âm­bi­to das ac­ções da fei­ra, foi o pre­lec­tor de uma au­la aber­ta na Fa­cul­da­de de Le­tras da Uni­ver­si­da­de Edu­ar­do Mon­dla­ne on­de fez uma pro­fun­da abor­da­gem his­tó­ri­ca e com­pa­ra­da da li­te­ra­tu­ra an­go­la­na e mo­çam­bi­ca­na, ten­do re­al­ça­do que “a no­va po­e­sia de Mo­çam­bi­que traz bem acen­tu­a­da uma in­con­fun­dí­vel e na­tu­ral car­ga lí­ri­ca, dis­tan­ci­a­da do te­lu­ris­mo ca­rac­te­rís­ti­co da­que­la que foi, an­te­ri­or­men­te es­cri­ta e pu­bli­ca­da, en­quan­to que, em An­go­la, as­sis­te-se a con­so­li­da­ção de uma pro­pos­ta de ca­riz an­tro­po­ló­gi­co com vi­vas re­fle­xões em tor­no da con­di­ção da vi­da hu­ma­na e das re­la­ções que se es­ta­be­le­cem so­ci­al­men­te”.

A ini­ci­a­ti­va de ca­rác­ter in­ter­na­ci­o­nal é or­ga­ni­za­do pe­lo con­se­lho mu­ni­ci­pal da ci­da­de de Ma­pu­to em es­trei­ta par­ce­ria com a As­so­ci­a­ção dos Es­cri­to­res Mo­çam­bi­ca­nos, re­a­li­za-se to­dos os anos por oca­sião das fes­tas da ci­da­de e jun­ta vá­ri­as en­ti­da­des e per­so­na­li­da­des li­te­rá­ri­as e ar­tís­ti­cas, na­ci­o­nais e es­tran­gei­ras com des­ta­que pa­ra es­cri­to­res, po­e­tas en­saís­tas, pro­fes­so­res de li­te­ra­tu­ra, ac­to­res e en­ce­na­do­res de te­a­tro, que ce­le­bram os li­vros du­ran­te três di­as con­se­cu­ti­vos com in­ten­sas e imen­sas ac­ti­vi­da­des den­tre as quais se des­ta­ca a ho­me­na­gem re­gu­lar a um es­cri­tor mo­çam­bi­ca­no.

Nes­te ano a es­co­lha re­caiu pa­ra o es­cri­tor Jo­ve­nal Bu­cu­a­ne, exí­mio po­e­ta e fic­ci­o­nis­ta da ge­ra­ção de 1980 e do mo­vi­men­to dos “Char­ru­ei­ros”.

Lo­pi­to Fei­jóo, pseu­dó­ni­mo li­te­rá­rio de João An­dré da Sil­va Fei­jó, po­e­ta, en­saís­ta e cri­ti­co li­te­rá­rio, nas­ceu em Lom­be, pro­vín­cia de Ma­lan­je, em 29 de Se­tem­bro de 1963. Mu­dou-se pa­ra Ma­que­la do Zom­bo, on­de vi­veu a in­fân­cia, in­do de­pois pa­ra Lu­an­da.

PAU­LO MULAZA

Cri­a­ção da es­ti­lis­ta an­go­la­na ar­ran­cou aplau­sos do pú­bli­co lis­bo­e­ta na des­fi­le de Mo­da Lis­boa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.