Con­ti­nui­da­de é pri­o­ri­da­de na pla­ni­fi­ca­ção

Se­lec­ção de­ve dar sequên­cia ao apri­mo­ra­men­to das ro­ti­nas e prin­cí­pi­os tác­ti­cos

Jornal de Angola - - DESPORTO - VIVALDO EDU­AR­DO |

Por al­tu­ra da úl­ti­ma par­ti­ci­pa­ção an­go­la­na nu­ma fa­se fi­nal do CAN Sub-17, os ac­tu­ais jo­ga­do­res co­man­da­dos por Si­mão Lan­gui­nha ti­nham aca­ba­do de nas­cer, ou nem se­quer exis­ti­am ain­da. Por aqui­lo que acom­pa­nha­mos, em mais de dé­ca­da e meia, pou­co mu­dou em re­la­ção a té­nue apos­ta fei­ta nos es­ca­lões de for­ma­ção do nos­so futebol, com as Se­lec­ções Na­ci­o­nais mais ou me­nos en­tre­gues à sua sor­te.

Em re­la­ção aos clu­bes, a re­a­li­da­de é bem di­fe­ren­te. 1.º de Agos­to, Petro de Lu­an­da, AFA, Nor­ber­to de Cas­tro, pa­ra só ci­tar al­gu­mas, são ins­ti­tui­ções que re­a­li­zam pro­ces­sos de for­ma­ção com qua­li­da­de as­si­na­lá­vel. Um exem­plo que de­ve­ria ser se­gui­do pe­la ins­ti­tui­ção que re­ge o pró­prio futebol do País, e tem a res­pon­sa­bi­li­da­de de le­var à mais al­ta ex­pres­são, no ca­pi­tu­lo in­ter­na­ci­o­nal, aqui­lo que in­ter­na­men­te es­tá a ser bem fei­to.

Em ter­mos se­mân­ti­cos, pro­gra­ma e pla­no são vo­cá­bu­los que se iden­ti­fi­cam. Quan­do, no en­tan­to, o âm­bi­to de abor­da­gem se re­fe­re à Me­to­do­lo­gia do Treino Des­por­ti­vo, am­bas pa­la­vras ad­qui­rem sig­ni­fi­ca­dos que po­dem ser mui­to dis­tin­tos. Não te­mos dú­vi­das de que, no âm­bi­to de um de mé­dio a lon­go pra­zo que de­ve (ria) ser su­por­ta­do pe­la Fe­de­ra­ção de Futebol, a equi­pa téc­ni­ca dos Sub-17 tem a obri­ga­ção de alar­gar ao má­xi­mo a po­pu­la­ção al­vo, pa­ra iden­ti­fi­car os in­te­gran­tes da Se­lec­ção Na­ci­o­nal. Sen­do as­sim, fa­ria to­do o sen­ti­do, pes­qui­sar po­ten­ci­ais ta­len­tos em to­das pro­vín­ci­as do país.

No en­tan­to, Si­mão Lan­gui­nha e sua equi­pa téc­ni­ca tra­ba­lham nes­ta al­tu­ra, num ou Ma­cro­ci­clo, des­por­ti­vo que vi­sa pre­pa­rar a com­po­nen­te com­pe­ti­ti­va, nas ver­ten­tes apu­ra­men­to e par­ti­ci­pa­ção na fa­se fi­nal do CAN. Pre­su­min­do que, na der­ra­dei­ra eta­pa da pro­va afri­ca­na es­ta­rão as me­lho­res se­lec­ções, faz to­do o sen­ti­do que An­go­la, tal co­mo ou­tras Na­ções, es­te­ja en­ga­ja­da em apri­mo­rar ro­ti­nas e prin­cí­pi­os de jogo, com as uni­da­des da eta­pa pre­ce­den­te, sal­vo ra­ras ex­cep­ções.

Evi­den­te­men­te que não se des­car­ta a pos­si­bi­li­da­de de in­cluir mais jo­ga­do­res ao gru­po até aqui iden­ti­fi­ca­do. Po­rém, es­sa even­tu­al in­clu­são nun­ca é o fo­co, ca­so se pro­cu­re boa re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de. A no­ção de Se­lec­ção Na­ci­o­nal não fi­ca des­cu­ra­da, se os jo­ga­do­res fo­rem de pou­cas pro­vín­ci­as. Is­so por­que, em ter­mos des­por­ti­vos, não é pri­o­ri­tá­rio in­cluir pra­ti­can­tes de to­da ex­ten­são do ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal, pa­ra ga­ran­tir a com­pe­ti­ti­vi­da­de da Se­lec­ção.

O es­sen­ci­al é sem­pre se­lec­ci­o­nar aque­les que, na óp­ti­ca da equi­pa téc­ni­ca, são os me­lho­res do mo­men­to e apre­sen­tem in­di­ca­do­res pa­ra o Al­to Ren­di­men­to, em ter­mos de fu­tu­ro, ten­do em con­ta que se tra­ta de um es­ca­lão de for­ma­ção. Se es­tes (me­lho­res) jo­ga­do­res es­ti­ve­rem to­dos num clu­be ou nu­ma pro­vín­cia, do pon­to de vis­ta téc­ni­co só há van­ta­gens.

A pre­o­cu­pa­ção por es­te fac­to, de­ve es­tar a car­go da­que­les que re­gem a po­lí­ti­ca des­por­ti­va, ten­do em con­ta que o ta­ma­nho da amos­tra po­de sem­pre cons­ti­tuir um in­di­ca­dor de ob­ten­ção de mai­or qua­li­da­de.

In­sis­ti­mos, por­tan­to que a ta­re­fa imi­nen­te da equi­pa téc­ni­ca é ela­bo­rar um pla­no de pre­pa­ra­ção pa­ra o CAN de Sub-17. Ca­so ha­ja dis­po­ni­bi­li­da­de pa­ra a ela­bo­ra­ção de um pro­gra­ma per­ma­nen­te de pes­qui­sa e de­tec­ção de ta­len­tos, su­por­ta­do pe­la fe­de­ra­ção, aí sim, os trei­na­do­res de­vem vi­rar aten­ções pa­ra as de­zoi­to pro­vín­ci­as, e mes­mo pa­ra os pra­ti­can­tes na diás­po­ra.

VIGAS DA PURIFICAÇÃO

Pre­pa­ra­ção da equi­pa pa­ra a com­pe­ti­ção de­ve co­me­çar já pa­ra ter uma boa re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.