PRÉ­MIO VÁCLAV HAVEL Ya­zi­di Na­dia Mu­rad foi dis­tin­gui­da

Jornal de Angola - - DESPORTO -

Ti­nha 21 anos e foi re­me­ti­da à con­di­ção de es­cra­va dos jiha­dis­tas. Foi abu­sa­da du­ran­te três me­ses, até que con­se­guiu fu­gir pa­ra a Ale­ma­nha.

Des­de en­tão, tor­nou-se ac­ti­vis­ta dos di­rei­tos hu­ma­nos e não pa­rou de de­nun­ci­ar ao mun­do a si­tu­a­ção da mi­no­ria ya­zi­di, per­se­gui­da pe­lo Es­ta­do Is­lâ­mi­co no nor­te do Ira­que.

As mu­lhe­res e as cri­an­ças ya­zi­di são uti­li­za­das co­mo es­cra­vas se­xu­ais dos ter­ro­ris­tas e tra­fi­ca­das en­tre os jiha­dis­tas.

Na­dia Mu­rad era uma das can­di­da­tas ao Pré­mio No­bel da Paz des­te ano, atri­buí­do na se­ma­na pas­sa­do ao Pre­si­den­te da Colôm­bia, Jo­sé Ma­nu­el San­tos, pe­lo seu con­tri­bu­to pa­ra o acor­do de paz com as FARC que co­lo­cou fim a uma guer­ra ci­vil de cin­co dé­ca­das. A jo­vem ya­zi­di é em­bai­xa­do­ra de boa von­ta­de das Na­ções Uni­das pa­ra a De­fe­sa da Dig­ni­da­de dos So­bre­vi­ven­tes do Trá­fi­co Hu­ma­no. O Pré­mio Václav Havel dos Di­rei­tos Hu­ma­nos, atri­buí­do pe­lo Con­se­lho da Eu­ro­pa, vi­sa re­com­pen­sar ac­ções de des­ta­que na so­ci­e­da­de ci­vil na de­fe­sa dos di­rei­tos hu­ma­nos na Eu­ro­pa e fo­ra do con­ti­nen­te.

O pré­mio, atri­buí­do pe­la As­sem­bleia Par­la­men­tar do Con­se­lho da Eu­ro­pa em par­ce­ria com a Bi­bli­o­te­ca Václav Havel e a Fun­da­ção Car­ta 77, ti­nha co­mo ou­tros can­di­da­tos fi­na­lis­tas Gor­da­na Igric, jor­na­lis­ta sér­via e de­fen­so­ra dos di­rei­tos hu­ma­nos e li­ber­da­de de im­pren­sa, e o “In­ter­na­ti­o­nal Ins­ti­tu­te of Hu­man Rights - Re­né Cas­sin Foun­da­ti­on”.

Du­as de­fen­so­ras dos di­rei­tos das mu­lhe­res es­cra­vi­za­das pe­lo gru­po ex­tre­mis­ta Es­ta­do Is­lâ­mi­co são os fi­na­lis­tas ao pré­mio Sakha­rov, a ser anun­ci­a­do a 27 de Ou­tu­bro pe­lo Par­la­men­to Eu­ro­peu (PE).

Na­dia Mu­rad Ba­see e La­miya Aji Bashar fo­ram es­co­lhi­das pe­los es­for­ços na de­fe­sa da co­mu­ni­da­de ya­zi­di e das mu­lhe­res que so­bre­vi­vem à es­cra­vi­dão se­xu­al às mãos dos jiha­dis­tas. Am­bas são oriun­das de Ko­cho, uma al­deia ira­qui­a­na que foi to­ma­da pe­lo Es­ta­do Is­lâ­mi­co em 2014, com cen­te­nas de mu­lhe­res e ra­pa­ri­gas ya­zi­dis a se­rem rap­ta­das e es­cra­vi­za­das se­xu­al­men­te pe­la or­ga­ni­za­ção ex­tre­mis­ta. O pré­mio é en­tre­gue, em Es­tras­bur­go, Fran­ça, em 14 de De­zem­bro.

Uma pes­soa mor­reu e vá­ri­as ca­sas fi­ca­ram des­truí­das na ma­dru­ga­da de se­gun­da-fei­ra na ci­da­de de Wa­co Cun­go, mu­ni­cí­pio da Ce­la, pro­vín­cia do Cu­an­za Sul, em con­sequên­cia da chu­va acom­pa­nha­da de for­te ven­to e gra­ni­zo que caiu so­bre a re­gião. De acor­do com a ad­mi­nis­tra­ção mu­ni­ci­pal, a ví­ti­ma mor­tal, Ma­nu­el Lu­cam­ba, foi ar­ras­ta­da pe­la cor­ren­te­za, quan­do ten­ta­va, de mo­to­ri­za­da, atra­ves­sar um ra­mal de es­co­a­men­to de águas na via que li­ga o mer­ca­do mu­ni­ci­pal ao cen­tro da ci­da­de de Wa­co Cun­go. A ad­mi­nis­tra­ção mu­ni­ci­pal e o Ser­vi­ço de Bom­bei­ros es­tão a fa­zer o le­van­ta­men­to to­tal dos da­nos cau­sa­dos pe­la chu­va.

Os bis­pos da Con­fe­rên­cia Epis­co­pal de An­go­la e São To­mé (CEAST) reú­nem-se a par­tir de ho­je até ao pró­xi­mo dia 17 de Ou­tu­bro em Lu­an­da, na­que­la que é a sua se­gun­da ple­ná­ria anu­al. De acor­do com um co­mu­ni­ca­do da­que­le ór­gão re­pre­sen­ta­ti­vo dos bis­pos ca­tó­li­cos de An­go­la e São To­mé, ba­lan­ços e pers­pec­ti­vas da vi­da pas­to­ral da Igre­ja são a tó­ni­ca do­mi­nan­te des­te en­con­tro, que vai con­tar, co­mo é ha­bi­tu­al, com a pre­sen­ça de to­dos os bis­pos da CEAST.

AFP

Jo­vem de­fen­so­ra dos di­rei­tos dos ya­zi­dis quan­do re­ce­bia o pré­mio em Es­tras­bur­go

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.