Li­xo tem me­lhor tra­ta­men­to

Es­tra­té­gia pa­ra con­cre­ti­za­ção do mo­de­lo de ater­ros sa­ni­tá­ri­os em to­das as pro­vín­ci­as

Jornal de Angola - - PARTADA - KUMUÊNHO DA RO­SA |

Lu­an­da vai con­tar com qua­tro ater­ros sa­ni­tá­ri­os, no âm­bi­to do pla­no es­tra­té­gi­co dos re­sí­du­os ur­ba­nos, que pre­vê pe­lo me­nos um em ca­da ca­pi­tal de pro­vín­cia até 2020, dis­se on­tem a mi­nis­tra do Am­bi­en­te, em con­fe­rên­cia de im­pren­sa, após par­ti­ci­par na ses­são con­jun­ta das co­mis­sões Eco­nó­mi­ca e pa­ra Economia Re­al do Con­se­lho de Mi­nis­tros. Na reu­nião, que foi ori­en­ta­da pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, Fá­ti­ma Jar­dim apre­sen­tou o pla­no es­tra­té­gi­co pa­ra con­cre­ti­za­ção do mo­de­lo de ater­ros sa­ni­tá­ri­os, co­mo in­fra-es­tru­tu­ras fun­da­men­tais pa­ra ges­tão dos re­sí­du­os ur­ba­nos. O do­cu­men­to apro­va­do on­tem pe­lo Con­se­lho de Mi­nis­tros de­fi­ne os re­qui­si­tos pa­ra a cons­tru­ção dos ater­ros, fi­xan­do cri­té­ri­os pa­ra a lo­ca­li­za­ção, es­pe­ci­fi­ca­ções das obras e o ti­po de ope­ra­ção a ser re­a­li­za­da.

Lu­an­da vai con­tar com qua­tro ater­ros sa­ni­tá­ri­os, no âm­bi­to do pla­no es­tra­té­gi­co dos re­sí­du­os ur­ba­nos, que pre­vê pe­lo me­nos um em ca­da ca­pi­tal de pro­vín­cia até 2020, dis­se on­tem a mi­nis­tra do Am­bi­en­te, em con­fe­rên­cia de im­pren­sa, após par­ti­ci­par na ses­são con­jun­ta das co­mis­sões Eco­nó­mi­ca e pa­ra Economia Re­al do Con­se­lho de Mi­nis­tros.

Na reu­nião, que foi ori­en­ta­da pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, Fá­ti­ma Jar­dim apre­sen­tou o pla­no es­tra­té­gi­co pa­ra con­cre­ti­za­ção do mo­de­lo de ater­ros sa­ni­tá­ri­os, co­mo in­fra-es­tru­tu­ras fun­da­men­tais pa­ra ges­tão dos re­sí­du­os ur­ba­nos. O do­cu­men­to de­fi­ne os re­qui­si­tos pa­ra a cons­tru­ção dos ater­ros, fi­xan­do cri­té­ri­os pa­ra a lo­ca­li­za­ção, es­pe­ci­fi­ca­ções das obras, o ti­po de ope­ra­ção a ser re­a­li­za­da.

Os ater­ros sa­ni­tá­ri­os de­vem es­tar en­tre dez e 15 qui­ló­me­tros afas­ta­dos das ci­da­des e a sua cons­tru­ção fei­ta de acor­do com os ter­mos de re­fe­rên­cia do pro­gra­ma. Em re­la­ção à ope­ra­ção, Fá­ti­ma Jar­dim dei­xou cla­ro ser pre­ci­so de­fi­nir, des­de o iní­cio, se se tra­ta de uma in­ci­ne­ra­do­ra, de uma cen­tral de com­bus­ta­gem, ou equi­pa­men­tos de re­co­lha se­lec­ti­va.

O mo­de­lo do ater­ro de­ve­rá ex­pan­dir-se a to­das as pro­vín­ci­as, mas im­ple­men­ta­do de acor­do com par­ti­cu­la­ri­da­des de ca­da uma. “O exem­plo de Lu­an­da é mui­to ca­rac­te­rís­ti­co, por­que já te­mos aqui um ater­ro, em­bo­ra já qua­se a com­ple­tar o tem­po de vi­da útil, con­for­me os ter­mos de re­fe­rên­cia de­fi­ni­dos no pro­gra­ma. Mas ca­da pro­vín­cia tem as su­as ca­rac­te­rís­ti­cas e na­tu­ral­men­te ca­da uma vai ade­quar o seu mo­de­lo aos re­qui­si­tos de­fi­ni­dos”, re­fe­riu. A de­fi­ni­ção de um mo­de­lo de ater­ros sa­ni­tá­ri­os in­se­re-se no pla­no es­tra­té­gi­co dos re­sí­du­os ur­ba­nos de An­go­la, apro­va­do em Con­se­lho de Mi­nis­tros, em Agos­to de 2012. Se­gun­do Fá­ti­ma Jar­dim, é com ba­se nes­se di­plo­ma que fo­ram de­fi­ni­das pre­mis­sas pa­ra uma re­fle­xão mais ori­en­ta­da so­bre co­mo re­sol­ver o pro­ble­ma dos re­sí­du­os ur­ba­nos e tra­tá-lo co­mo “ques­tão im­por­tan­te de de­sen­vol­vi­men­to, mas tam­bém de opor­tu­ni­da­de”.

O mo­de­lo de­fi­ni­do as­sen­ta no prin­cí­pio do “po­lui­dor/pa­ga­dor”, em que ca­da ci­da­dão po­lu­en­te tem a obri­ga­ção de con­tri­buir nos en­car­gos das ac­ções em prol do am­bi­en­te. Pa­ra o êxi­to des­sa es­tra­té­gia, Fá­ti­ma Jar­dim con­si­de­ra fun­da­men­tal o en­vol­vi­men­to de to­da a so­ci­e­da­de, já que, co­mo dis­se, os benefícios se­rão co­muns. “É pre­ci­so ter­mos cons­ci­ên­cia de que é um mo­de­lo de to­dos pa­ra to­dos”, fri­sou.

Daí que além de de­fi­nir a cons­tru­ção de ater­ros co­mo uma so­lu­ção mais efi­caz e me­nos agres­si­va ao am­bi­en­te e à saú­de das pes­so­as, o mo­de­lo de­fi­ni­do pa­ra Lu­an­da in­clui um sis­te­ma de co­bran­ça da ta­xa de lim­pe­za, que de res­to já foi apro­va­do. “Te­mos que apli­car is­so aos agre­ga­dos fa­mi­li­a­res, aos gran­des pro­du­to­res e às em­pre­sas”, dis­se a mi­nis­tra, sa­li­en­tan­do que o me­ca­nis­mo de co­bran­ça te­rá que ser adap­ta­do à re­a­li­da­de de ca­da pro­vín­cia. Ca­da pro­jec­to de ater­ro sa­ni­tá­rio é ob­jec­to de uma ava­li­a­ção eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra. Uma ava­li­a­ção com­ple­ta, co­mo dis­se a mi­nis­tra, que vai des­de o pe­río­do de con­ces­são de se­te a 14 anos, os con­tra­tos de ma­nu­ten­ção com pe­río­dos de dez a 15 anos, até à es­ti­ma­ti­va das ta­ri­fas de re­co­lha. “Nes­ta ba­se tam­bém con­for­ta­mos a quem com ca­pi­tais pró­pri­os e alhei­os ve­nha a en­vol­ver-se nes­se pro­gra­ma”.

Fá­ti­ma Jar­dim su­bli­nhou o fac­to de ser uma te­má­ti­ca no­va e um mo­de­lo igual­men­te no­vo, que pre­ci­sa de tem­po pa­ra que to­dos os in­ter­ve­ni­en­tes as­si­mi­lem as su­as ta­re­fas e res­pon­sa­bi­li­da­des. “Es­ta­mos to­dos a ini­ci­ar e is­to é um rep­to que va­mos ter até 2020. Te­mos tem­po pa­ra pen­sar po­si­ti­vo, mas te­mos tem­po so­bre­tu­do pa­ra me­lho­rar­mos a pres­ta­ção de ser­vi­ços, a qua­li­da­de de vi­da das nos­sas po­pu­la­ções e tam­bém me­lho­rar­mos o de­sem­pe­nho ins­ti­tu­ci­o­nal dos en­vol­vi­dos na ges­tão dos re­sí­du­os ur­ba­nos, as ad­mi­nis­tra­ções, os go­ver­nos pro­vin­ci­ais”.

O fac­to de exis­ti­rem ater­ros em fa­se de cons­tru­ção em Ca­bin­da, Hu­am­bo, Me­non­gue e Lu­ban­go, e de em Ma­lan­je e Nda­la­tan­do ha­ver pro­pos­tas pa­ra um no­vo ater­ro, dá ga­ran­tia da sus­ten­ta­bi­li­da­de do sis­te­ma e de que, sim, co­me­ça­mos uma no­va abor­da­gem da ques­tão dos re­sí­du­os ur­ba­nos em An­go­la, que po­de ser efi­caz pa­ra re­so­lu­ção do pro­ble­ma da qua­li­da­de am­bi­en­tal, com im­pac­to na saú­de pú­bli­ca e nos in­di­ca­do­res de de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no, dis­se a mi­nis­tra do Am­bi­en­te.

Na ses­são de on­tem, as Co­mis­sões apre­ci­a­ram o Re­la­tó­rio de Ba­lan­ço das Ac­ti­vi­da­des do Go­ver­no re­fe­ren­te ao se­gun­do Tri­mes­tre de 2016, que con­den­sa o con­jun­to de ac­ções de­sen­vol­vi­das pe­lo Go­ver­no no pe­río­do em re­fe­rên­cia e per­mi­te a to­ma­da de me­di­das cor­rec­ti­vas que vi­sam con­tri­buir pa­ra a re­a­li­za­ção efi­ci­en­te e efi­caz dos gran­des de­síg­ni­os na­ci­o­nais.

No âm­bi­to da Re­qua­li­fi­ca­ção e Re­con­ver­são Ur­ba­na da Zo­na da Mar­gi­nal, foi apre­ci­a­do um Me­mo­ran­do so­bre a sus­ten­ta­bi­li­da­de fi­nan­cei­ra do pro­jec­to, con­ten­do pro­pos­tas con­cre­tas pa­ra a sua vi­a­bi­li­da­de eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra.

No do­mí­nio das fi­nan­ças pú­bli­cas, as Co­mis­sões apre­ci­a­ram a pro­pos­ta de al­te­ra­ção da Lei so­bre a dí­vi­da pú­bli­ca, que tem por ob­jec­ti­vo uni­for­mi­zar as re­gras uti­li­za­das no sis­te­ma de ges­tão da dí­vi­da pú­bli­ca, cla­ri­fi­car o con­cei­to de dí­vi­da pú­bli­ca, ex­cluin­do a dí­vi­da con­tra­ta­da pe­lo sec­tor em­pre­sa­ri­al pú­bli­co e in­tro­du­zir me­ca­nis­mos que sus­ten­tem o rá­cio dí­vi­da/PIB.

Tam­bém fo­ram apre­ci­a­dos o Me­mo­ran­do so­bre o es­ta­do de pre­pa­ra­ção do ano agrí­co­la 2016-2017 e o Pla­no de Ac­ção pa­ra o mes­mo pe­río­do. Es­tes do­cu­men­tos de­fi­nem as pri­o­ri­da­des que de­vem ser con­si­de­ra­das e as sub­se­quen­tes ac­ções a de­sen­vol­ver no qua­dro dos Pro­gra­mas Di­ri­gi­dos do Sec­tor.

As Co­mis­sões to­ma­ram co­nhe­ci­men­to do tra­ba­lho que es­tá a ser de­sen­vol­vi­do no âm­bi­to do Pla­no Di­rec­tor da Pe­nín­su­la do Mus­su­lo, que de­fi­ne um mo­de­lo de ci­da­de fun­ci­o­nal, eco­no­mi­ca­men­te sus­ten­tá­vel, pro­por­ci­o­nan­do aos seus ha­bi­tan­tes e vi­si­tan­tes me­lhor qua­li­da­de de vi­da, pro­cu­ran­do sal­va­guar­dar e pre­ser­var o pa­tri­mó­nio am­bi­en­tal da Ilha.

FRAN­CIS­CO BER­NAR­DO

Co­mis­são Eco­nó­mi­ca do Con­se­lho de Mi­nis­tros apro­vou mo­de­lo pa­ra a cri­a­ção de ater­ros sa­ni­tá­ri­os em to­das as pro­vín­ci­as

FRAN­CIS­CO BER­NAR­DO

Fá­ti­ma Jar­dim de­fen­de pa­ra Lu­an­da a cons­tru­ção ur­gen­te de uma in­ci­ne­ra­do­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.