Fes­tas sem au­to­ri­za­ção são proi­bi­das

Jornal de Angola - - GENTE -

Os pro­mo­to­res de fes­tas de quin­tal e even­tos cul­tu­rais do dis­tri­to ur­ba­no do Sambizanga que in­sis­ti­rem em re­a­li­zar ac­ti­vi­da­des sem a au­to­ri­za­ção do sec­tor da Cul­tu­ra da­que­la ju­ris­di­ção in­cor­rem nu­ma trans­gres­são ad­mi­nis­tra­ti­va, de­vi­do à po­lui­ção so­no­ra, sus­cep­tí­vel do pa­ga­men­to de uma mul­ta, cu­jo va­lor não foi avan­ça­do.

Com vis­ta a evi­tar equí­vo­cos, a ad­mi­nis­tra­do­ra do dis­tri­to ur­ba­no do Sambizanga, Mil­ca Cu­es­se Cas­se­que, reu­niu quar­ta-fei­ra, em Lu­an­da, com os pro­mo­to­res cul­tu­rais da­que­la ju­ris­di­ção pa­ra lhes in­for­mar so­bre os pro­ce­di­men­tos a se­guir pa­ra a re­a­li­za­ção de ac­ti­vi­da­des cul­tu­rais.

Mil­ca Cu­es­se Cas­se­que dis­se que a po­lui­ção so­no­ra é um mal que pre­ju­di­ca mui­to as pes­so­as de­vi­do a sons em de­ter­mi­na­do vo­lu­me, que su­pe­ram os ní­veis con­si­de­ra­dos nor­mais pa­ra os se­res hu­ma­nos.

“Mui­tas fes­tas re­a­li­za­das no nos­so dis­tri­to são re­a­li­za­das de for­ma ile­gal. Por es­te mo­ti­vo, reu­ni­mo-nos com os pro­mo­to­res cul­tu­rais pa­ra es­tu­dar a me­lhor for­ma de re­a­li­za­ção des­tes even­tos que já é uma pro­fis­são pa­ra mui­tos”, dis­se.

Pa­ra que a re­a­li­za­ção de fes­tas e even­tos cul­tu­rais se­ja au­to­ri­za­da, fri­sou, é ne­ces­sá­rio que o or­ga­ni­za­dor se di­ri­ja à ad­mi­nis­tra­ção lo­cal, com um re­que­ri­men­to di­ri­gi­do à ad­mi­nis­tra­do­ra, uma có­pia do Bi­lhe­te de Iden­ti­da­de, al­va­rá de pro­mo­tor de even­tos, pa­re­cer da co­mis­são de mo­ra­do­res e com­pro­va­ti­vo de pa­ga­men­to da ta­xa ofi­ci­al pa­ra a re­a­li­za­ção da ac­ti­vi­da­de, que são 12 mil kwan­zas. Os do­cu­men­tos de­vem dar en­tra­da na ad­mi­nis­tra­ção 15 di­as an­tes da re­a­li­za­ção da ac­ti­vi­da­de.

A res­pon­sá­vel deu a co­nhe­cer a cri­a­ção de uma co­mis­são mul­tis­sec­to­ri­al de com­ba­te à po­lui­ção so­no­ra com o ob­jec­ti­vo de in­ten­si­fi­car a sen­si­bi­li­za­ção e ini­bir es­te mal pro­du­zi­do por pro­du­to­res de even­tos.

A re­fe­ri­da co­mis­são é cons­ti­tuí­da por mem­bros da sec­ção da Cul­tu­ra, Fis­ca­li­za­ção e Po­lí­cia Na­ci­o­nal

A ad­mi­nis­tra­do­ra re­co­nhe­ceu não ser fre­quen­te al­guns pro­mo­to­res e pro­du­to­res de even­tos pro­cu­ra­rem os ór­gãos com­pe­ten­tes e so­li­ci­ta­rem per­mis­são pa­ra a re­a­li­za­ção de fes­tas, co­mo man­dam as re­gras.

Mil­ca Cu­es­se Cas­se­que lem­brou que o não cum­pri­men­to des­ta re­gra é sus­cep­tí­vel a uma mul­ta, ten­do, por ou­tro la­do, ape­la­do aos disc-joc­keys que não es­tão cre­den­ci­a­dos a fa­zê-lo na Di­rec­ção Mu­ni­ci­pal da Cul­tu­ra, pa­ra que pos­sam exer­cer a pro­fis­são sem cons­tran­gi­men­tos.

De re­al­çar que o com­ba­te à po­lui­ção so­no­ra le­vou o Go­ver­no da Pro­vín­cia de Lu­an­da a cri­ar uma po­lí­ti­ca mais for­te e ac­ti­va pa­ra con­tro­lar o fe­nó­me­no de es­pec­tá­cu­los cul­tu­rais e ou­tras ac­ti­vi­da­des pú­bli­cas re­a­li­za­das na ca­pi­tal. O ob­jec­ti­vo é aca­bar com as ac­ti­vi­da­des cul­tu­rais e re­cre­a­ti­vas, par­ti­cu­lar­men­te as ile­gais, que têm per­tur­ba­do o des­can­so de mi­lha­res de mu­ní­ci­pes de Lu­an­da.

PAU­LO MULAZA

Ad­mi­nis­tra­do­ra do Sambizanga man­te­ve um en­con­tro com os pro­mo­to­res cul­tu­rais do dis­tri­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.