O Es­ta­do da Na­ção

Jornal de Angola - - PARTADA -

Acri­se não é uma fa­ta­li­da­de, mas uma opor­tu­ni­da­de pa­ra pôr à pro­va a nos­sa cri­a­ti­vi­da­de e ca­pa­ci­da­de de su­pe­ra­ção. Por mais de mil ve­zes os an­go­la­nos mos­tra­ram que são ca­pa­zes de ven­cer se­ja qual for o de­sa­fio, e is­so é qu­an­to bas­ta pa­ra ter­mos con­fi­an­ça na vi­tó­ria, nu­ma no­va vi­tó­ria de An­go­la, des­ta vez pe­ran­te um de­sa­fio de mon­ta que en­cer­ra enor­me grau de com­ple­xi­da­de.

Uns me­ses atrás, ain­da mal co­me­ça­vam a ser im­ple­men­ta­das as me­di­das de re­ac­ção à cri­se, al­gu­mas vo­zes da­vam co­mo cer­to um ce­ná­rio de pa­ra­li­sa­ção ou até de ca­os to­tal, sim­ples­men­te por du­vi­da­rem da ma­tu­ri­da­de das ins­ti­tui­ções. Mas es­se pes­si­mis­mo, cla­ro es­tá, não é pá­reo pa­ra um po­vo es­pe­ci­al co­mo o an­go­la­no, que sa­be sem­pre uma ma­nei­ra de dar a vol­ta por ci­ma e con­fir­mar que tem o es­pí­ri­to ven­ce­dor no seu ADN.

An­go­la vi­ve ho­je um mo­men­to par­ti­cu­lar­men­te di­fí­cil, pois pre­ci­sa de man­ter to­das as con­quis­tas des­de a In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal e a Paz é a mai­or de­las. Se­guem-se a es­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca e so­ci­al, a me­lho­ria gra­du­al da qua­li­da­de de vi­da das po­pu­la­ções e a afir­ma­ção con­tí­nua de An­go­la na are­na in­ter­na­ci­o­nal. Tu­do is­so são fac­tos, re­a­li­da­des in­so­fis­má­veis que os an­go­la­nos, es­te­jam on­de es­ti­ve­rem, com­pro­vam a ca­da dia.

Mas não é só a cri­se que des­per­ta os an­go­la­nos pa­ra uma for­ma di­fe­ren­te de olhar a vi­da e o seu fu­tu­ro. Existe cla­ra­men­te uma von­ta­de ge­nuí­na de não mais ad­mi­tir que se­ja qu­em for ou­se plan­tar a dis­cór­dia, cri­ar di­vi­sões, in­tro­me­ter-se nes­sa ca­mi­nha­da ru­mo ao pro­gres­so. E é por is­so que os an­go­la­nos apos­tam na de­mo­cra­cia, de­fen­den­do de for­ma in­tran­si­gen­te a es­ta­bi­li­da­de so­ci­o­po­lí­ti­ca, ple­na­men­te cons­ci­en­tes de que a guer­ra, es­se ca­pí­tu­lo de má me­mó­ria da nos­sa his­tó­ria, já nos ti­rou o que ti­nha pa­ra ti­rar.

O fu­tu­ro dos an­go­la­nos pas­sa por uma abor­da­gem di­fe­ren­te do pre­sen­te. Mais as­ser­ti­va e or­ga­ni­za­da, mais ri­go­ro­sa e de­ter­mi­na­da, mais afoi­ta e di­li­gen­te. Ter ple­na cons­ci­ên­cia de que só er­ra qu­em tra­ba­lha, é um bom prin­cí­pio pa­ra qu­em de­se­ja ter êxi­tos em ca­da no­vo de­sa­fio. Um no­vo mo­men­to na­ci­o­nal de­ve ser cons­truí­do com no­vas ati­tu­des, mas tam­bém com op­ti­mis­mo e con­fi­an­ça no fu­tu­ro.

Mas qu­em fa­la em con­fi­an­ça no fu­tu­ro, qu­em as­su­me de pei­to aber­to es­sa for­ma de olhar An­go­la, pre­ci­sa de pôr em prá­ti­ca al­gu­mas coi­sas. Nu­ma pri­mei­ra li­nha, a so­li­da­ri­e­da­de e o amor ao pró­xi­mo. É do an­go­la­no, da sua es­sên­cia e for­ma de ser, cui­dar de qu­em mais pre­ci­sa. Num pe­río­do de li­mi­ta­ções de vá­ria or­dem, co­mo o que vi­ve­mos ho­je, pre­ci­sa­mos de olhar pa­ra os seg­men­tos mais vul­ne­rá­veis da nos­sa so­ci­e­da­de com par­ci­mó­nia.

As nos­sas cri­an­ças pre­ci­sam de ter o me­lhor, por­que só as­sim es­ta­re­mos a ga­ran­tir um fu­tu­ro ri­so­nho pa­ra to­dos. Pre­ci­sa­mos pois de con­cen­trar o nos­so sa­ber e as nos­sas ener­gi­as na me­lho­ria dos sis­te­mas de saú­de e de edu­ca­ção, pa­ra que os an­go­la­nos pos­sam es­tar em me­lho­res con­di­ções de res­pon­der po­si­ti­va­men­te às exi­gên­ci­as do pro­ces­so de de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co e so­ci­al.

De igual mo­do, aque­les que de­di­ca­ram os me­lho­res anos das su­as vi­das a ser­vir a fa­mí­lia, a so­ci­e­da­de e a pá­tria, por se­rem dig­nos me­re­ce­do­res do res­pei­to e ad­mi­ra­ção dos mais no­vos, pre­ci­sam de vi­ver uma ve­lhi­ce tran­qui­la e apra­zí­vel. Há, por­tan­to, que con­ti­nu­ar a me­lho­rar a as­sis­tên­cia so­ci­al, cui­dan­do de qu­em um dia cui­dou de nós, con­fi­an­tes nu­ma An­go­la em per­ma­nen­te pro­gres­so.

Por fim, fa­lar em con­fi­an­ça no fu­tu­ro im­pli­ca pôr em prá­ti­ca a boa vi­zi­nhan­ça. Aqui ao la­do, os nos­sos ir­mãos da RDC pre­ci­sam da nos­sa aju­da e nós já nos pron­ti­fi­cá­mos em dar to­do o apoio pos­sí­vel pa­ra que o mau pe­río­do que atra­ves­sam co­nhe­ça ra­pi­da­men­te o fim. Ao aco­lher­mos a reu­nião de alto ní­vel so­bre o me­ca­nis­mo de paz e es­ta­bi­li­da­de pa­ra a RDC, no pró­xi­mo dia 27, nu­ma ini­ci­a­ti­va da ONU, não nos pro­po­mos a um me­ro exer­cí­cio de char­me po­lí­ti­co, mas a ma­ni­fes­tar de for­ma cla­ra e inequí­vo­ca a nos­sa so­li­da­ri­e­da­de pa­ra com um po­vo com qu­em par­ti­lha­mos mui­to mais do que mi­lha­res de qui­ló­me­tros de fron­tei­ra.

Es­te é o es­ta­do da na­ção an­go­la­na. Uma na­ção so­li­dá­ria, que sa­be ser re­si­li­en­te e que ja­mais vi­ra a ca­ra à lu­ta. Uma na­ção que acre­di­ta nas ins­ti­tui­ções e tem con­fi­an­ça no fu­tu­ro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.