CARTAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - SAMUEL BARTOLOMEU | Km 30

Or­dem na via

Es­cre­vo pe­la pri­mei­ra vez pa­ra o Jor­nal de An­go­la e co­mo recomenda a pra­xis, en­de­re­ço os meus ca­lo­ro­sos cum­pri­men­tos à equi­pa re­dac­to­ri­al. Ve­nho abor­dar a ma­ka das zun­guei­ras. É com­pre­en­sí­vel a to­ma­da de me­di­das, du­ras al­gu­mas ve­zes, pa­ra pu­nir zun­guei­ros ir­re­ve­ren­tes que con­tra to­das as ex­pec­ta­ti­vas in­cor­rem em de­sa­fio, di­rec­to e in­di­rec­to, às au­to­ri­da­des. Ur­ge pôr or­dem no cir­co pa­ra que zo­nas ur­ba­nas e mes­mo áre­as ru­rais em que se não de­via pro­ce­der à ven­da de qual­quer for­ma se­jam de­vi­da­men­te pro­te­gi­das. Mas não es­tou de acor­do com de­ter­mi­na­dos pro­ce­di­men­tos pa­ra in­vi­a­bi­li­zar as zun­guei­ras em qual­quer par­te da ci­da­de. Cons­truí­ram-se nu­me­ro­sos lo­cais de ven­da e há re­gu­la­men­tos pró­pri­os pa­ra a ven­da am­bu­lan­te. Não fi­ca bom pa­ra a ima­gem das ins­ti­tui­ções do Es­ta­do, no ca­so os ele­men­tos dos Ser­vi­ços de Fis­ca­li­za­ção e da Po­lí­cia Na­ci­o­nal, en­vol­ve­rem-se em cor­re­ri­as com as pes­so­as que pra­ti­cam a ven­da nas ru­as. Se há uma so­lu­ção de­fi­ni­ti­va, ca­be às ins­ti­tui­ções terminar com a ven­da am­bu­lan­te des­re­gra­da. Não acho bo­ni­to a exis­tên­cia de uma es­pé­cie de am­bi­va­lên­cia na for­ma co­mo se en­fren­ta a ven­da am­bu­lan­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.