Mun­do pro­cu­ra in­clu­são ur­ba­na

An­go­la apre­sen­ta em Qui­to re­sul­ta­dos do Pro­gra­ma Na­ci­o­nal de Ha­bi­ta­ção e Ur­ba­nis­mo

Jornal de Angola - - PARTADA - NHUCA JÚ­NI­OR |

Qu­a­ren­ta anos de­pois da re­a­li­za­ção da primeira con­fe­rên­cia da ONU so­bre Ha­bi­ta­ção e De­sen­vol­vi­men­to Ur­ba­no Sustentável, man­tem-se a con­vic­ção unâ­ni­me en­tre os 193 paí­ses-mem­bros das Na­ções Uni­da­des de que o Mun­do só sai a ga­nhar se es­ti­ver ca­da vez mais re­for­ça­da a ideia de que as ci­da­des pre­ci­sam de ser trans­for­ma­das à me­di­da que a so­ci­e­da­de se trans­for­ma.

As con­sequên­ci­as da rá­pi­da ur­ba­ni­za­ção, so­bre­tu­do nos paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to, fi­ze­ram com que os go­ver­nos re­co­nhe­ces­sem a ne­ces­si­da­de de ha­ver as­sen­ta­men­tos hu­ma­nos sus­ten­tá­veis. Foi no âm­bi­to des­sa pers­pec­ti­va que a As­sem­bleia-Ge­ral das Na­ções Uni­das con­vo­cou a primeira con­fe­rên­cia so­bre ha­bi­ta­ção e de­sen­vol­vi­men­to ur­ba­no sustentável, ge­ne­ri­ca­men­te de­no­mi­na­da por Ha­bi­tat I, re­a­li­za­da em Van­cou­ver, no Ca­na­dá, em 1976.

An­go­la, um país que aca­ba­va de al­can­çar a sua In­de­pen­dên­cia, mar­cou pre­sen­ça, dan­do um claro si­nal ao con­jun­to das na­ções de que o pro­ble­ma es­ta­va nas pri­o­ri­da­des da agen­da das au­to­ri­da­des do mais no­vo Es­ta­do afri­ca­no, na oca­sião.

À semelhança de 1976, An­go­la par­ti­ci­pou, vin­te anos de­pois, na Ha­bi­tat II, re­a­li­za­da em Is­tam­bul, na Tur­quia, num mo­men­to par­ti­cu­lar­men­te di­fi­cil, pois a guer­ra pós-elei­to­ral adi­ou mais uma vez a ma­te­ri­a­li­za­ção de um pro­gra­ma sustentável de ur­ba­nis­mo e ha­bi­ta­ção. Em Is­tam­bul, os go­ver­nos adop­ta­ram a Agen­da Ha­bi­tat II co­mo Pla­no de Ac­ção Glo­bal pa­ra Abri­gos Ade­qua­dos pa­ra To­dos, com a no­ção de as­sen­ta­men­tos hu­ma­nos sus­ten­tá­veis.

An­go­la che­ga à con­fe­rên­cia Ha­bi­tat III, que co­me­ça ho­je na ci­da­de de Qui­to, ca­pi­tal do Equa­dor, com um dis­cur­so com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te em re­la­ção aos das edi­ções an­te­ri­o­res, que é re­sul­tan­te da es­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca que se vi­ve des­de 2002. Os be­ne­fí­ci­os da paz vão so­bres­sair na co­mu­ni­ca­ção que An­go­la apre­sen­ta na reu­nião mun­di­al, a primeira con­fe­rên­cia glo­bal após a Agen­da de De­sen­vol­vi­men­to 2015, apro­va­da em Se­tem­bro do ano pas­sa­do.

A ministra do Ur­ba­nis­mo e Ha­bi­ta­ção, Bran­ca do Es­pí­ri­to San­to, es­tá des­de quin­ta-fei­ra em Qui­to pa­ra re­pre­sen­tar o Che­fe de Es­ta­do, Jo­sé Eduardo dos San­tos, à fren­te de uma de­le­ga­ção mul­tis­sec­to­ri­al, que vai di­vul­gar os re­sul­ta­dos que o res­ta­be­le­ci­men­to da paz trou­xe a An­go­la nos sec­to­res da Cons­tru­ção e do Ur­ba­nis­mo e Ha­bi­ta­ção.

A con­fe­rên­cia, um en­con­tro de par­ti­lha de co­nhe­ci­men­tos e ex­pe­ri­ên­ci­as, vai dis­cu­tir e adop­tar uma No­va Agen­da Ur­ba­na pa­ra os pró­xi­mos 20 anos, ten­do co­mo uma das li­nhas de for­ça o di­rei­to hu­ma­no à ci­da­de.

Fon­te de de­sen­vol­vi­men­to

O secretário-ge­ral da con­fe­rên­cia, Jo­an Clos, afir­mou, num en­con­tro pre­pa­ra­tó­rio do even­to, re­a­li­za­do em Mon­tre­al, no Ca­na­dá, que a ur­ba­ni­za­ção é a for­ça mo­triz e uma fon­te de de­sen­vol­vi­men­to com po­der de mu­dar e me­lho­rar vi­das.

Pa­ra Jo­an Clos, os go­ver­nos, atra­vés da No­va Agen­da Ur­ba­na, de­vem pro­mo­ver um no­vo mo­de­lo de de­sen­vol­vi­men­to ur­ba­no ca­paz de in­te­grar to­das as fa­ce­tas do de­sen­vol­vi­men­to sustentável pa­ra pro­mo­ver a equi­da­de, o bem-es­tar e a pros­pe­ri­da­de par­ti­lha­da. A ca­sa da cul­tu­ra equa­to­ri­a­na Ben­ja­mim Car­ri­on é o lo­cal es­co­lhi­do pa­ra a re­a­li­za­ção das oi­tos ses­sões ple­ná­ri­as da con­fe­rên­cia, sen­do du­as por dia. A ses­são de aber­tu­ra es­tá pre­vis­ta pa­ra as 10 ho­ras lo­cais, de­ven­do ter­mi­nar às 13.

Um es­pa­ço com no­me de Pa­vi­lhão ONU foi cri­a­do pa­ra a re­a­li­za­ção de even­tos pa­ra­le­los, cen­tra­dos no de­sen­vol­vi­men­to ur­ba­no sustentável. Lo­ca­li­za­do jun­to à ca­sa de cul­tu­ra Ben­ja­mim Car­ri­on, o es­pa­ço vai se­di­ar even­tos e ex­po­si­ções do sis­te­ma das Na­ções Uni­das, en­vol­ven­do or­ga­ni­za­ções da so­ci­e­da­de ci­vil, aca­dé­mi­cos, po­lí­ti­cos, es­pe­ci­a­lis­tas em ar­qui­tec­tu­ra e ur­ba­nis­mo e em­pre­sá­ri­os do sec­tor imo­bi­liá­rio. Em­bo­ra a aber­tu­ra ofi­ci­al acon­te­ça ho­je, qua­tro ac­ti­vi­da­des fo­ram re­a­li­za­das no sá­ba­do e on­tem. Tra­ta-se das as­sem­blei­as da ju­ven­tu­de, das mulheres, de ne­gó­ci­os e de go­ver­na­do­res, sen­do que a úl­ti­ma foi re­a­li­za­da com o ob­jec­ti­vo de iden­ti­fi­car as pri­o­ri­da­des da No­va Agen­da Ur­ba­na.

A as­sem­bleia de ne­gó­ci­os foi in­cluí­da no pro­gra­ma por­que a Organização das Na­ções Uni­das con­si­de­ra que o mun­do cor­po­ra­ti­vo é um par­cei­ro es­sen­ci­al na im­ple­men­ta­ção da No­va Agen­da Ur­ba­na. A as­sem­bleia de ne­gó­ci­os reu­niu lí­de­res do sec­tor pri­va­do e re­pre­sen­tan­tes das prin­ci­pais re­des de ne­gó­cio, que se com­pro­me­te­ram a apre­sen­tar ino­va­ções e mo­de­los de ne­gó­ci­os com o po­der de ge­rar mu­dan­ça e ace­le­rar as ac­ções de ur­ba­ni­za­ção sustentável.

A as­sem­bleia de mulheres foi re­a­li­za­da pela ne­ces­si­da­de de re­for­çar a igual­da­de de gé­ne­ro nas po­lí­ti­cas e pro­gra­mas quan­do os paí­ses apli­ca­rem a No­va Agen­da Ur­ba­na, en­quan­to a as­sem­bleia ju­ve­nil foi agen­da­da pa­ra pro­por­ci­o­nar aos jovens de todo o Mun­do a opor­tu­ni­da­de de dis­cu­ti­rem e de­li­be­ra­rem so­bre a apli­ca­ção des­se pro­gra­ma glo­bal.

A ideia de in­clu­são es­tá sub­ja­cen­te ao do­cu­men­to-guia da con­fe­rên­cia Ha­bi­tat III, que é a “De­cla­ra­ção de Qui­to so­bre ci­da­des e as­sen­ta­men­tos sus­ten­tá­veis pa­ra to­dos”. O ob­jec­ti­vo da No­va Agen­da Ur­ba­na é aju­dar as ci­da­des e as­sen­ta­men­tos ur­ba­nos a er­ra­di­ca­rem a po­bre­za em to­das as su­as for­mas e di­men­sões, re­du­zir as de­si­gul­da­des, pro­mo­ver o cres­ci­men­to in­clu­si­vo e atin­gir o de­sen­vol­vi­men­to sustentável. A No­va Agen­da Ur­ba­na de­fi­ne pa­drões glo­bais de re­a­li­za­ção pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to ur­ba­no sustentável e re­pen­sa a forma de cons­truir e vi­ver em ci­da­des.

DOMBELE BERNARDO

De­le­ga­ção an­go­la­na vai di­vul­gar re­sul­ta­dos que o res­ta­be­le­ci­men­to da paz trou­xe ao país nos sec­to­res da Cons­tru­ção e do Ur­ba­nis­mo e Ha­bi­ta­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.