As mulheres ru­rais

Jornal de Angola - - OPINIÃO - ANTÓNIO GON­ÇAL­VES ISA­BEL MAR­TINS ÂN­GE­LA ANTÓNIO

Vi­ve no cam­po um nú­me­ro con­si­de­rá­vel de mulheres que pe­las su­as ac­ti­vi­da­des pro­du­ti­vas cons­ti­tu­em uma ca­ma­da da po­pu­la­ção com um pe­so im­por­tan­te na pro­mo­ção do de­sen­vol­vi­men­to ru­ral e da se­gu­ran­ça ali­men­tar das po­pu­la­ções.

É ine­gá­vel o fac­to de que mui­tas fa­mí­li­as no cam­po são sus­ten­ta­das pe­lo tra­ba­lho das mulheres ru­rais que por via da pro­du­ção agrí­co­la con­se­guem sus­ten­tar os seus pa­ren­tes e até co­mer­ci­a­li­zar os ex­ce­den­tes. O con­fli­to ar­ma­do no país fez com que mui­tas mulheres ti­ves­sem de, so­zi­nhas, as­su­mir o tra­ba­lho no cam­po e o sus­ten­to e edu­ca­ção dos seus fa­mi­li­a­res. Te­mos co­nhe­ci­men­to de ca­sos de mulheres ru­rais em­pre­en­de­do­ras que com mui­to sa­cri­fí­cio têm fei­to tu­do pa­ra que, por via dos seus ren­di­men­tos, re­sul­tan­tes do tra­ba­lho agrí­co­la, mui­tas fa­mí­li­as não fi­quem de­ses­tru­tu­ra­das.

Há inú­me­ras em­pre­en­de­do­ras anó­ni­mas no cam­po e era bom que as ins­ti­tui­ções vo­ca­ci­o­na­das pa­ra a con­ces­são de cré­di­to pres­tas­sem mais aten­ção à mu­lher ru­ral que, com mui­to ab­ne­ga­ção, vai as­se­gu­ran­do a es­ta­bi­li­da­de das fa­mí­li­as e vai cri­an­do di­ver­sos ne­gó­ci­os que con­tri­bu­em pa­ra a er­ra­di­ca­ção da po­bre­za.

To­dos nós, an­go­la­nos, de­se­ja­mos que ha­ja no país fa­mí­li­as ca­da vez mais es­tá­veis, a fim de que, por exem­plo, as cri­an­ças se­jam bem edu­ca­das e cres­çam em am­bi­en­te fa­mi­li­ar sau­dá­vel, em que elas pos­sam sen­tir-se bem, per­ma­nen­te­men­te. A mu­lher an­go­la­na no cam­po tem tam­bém da­do bons exem­plos de que po­de ser par­te dos es­for­ços pa­ra a di­ver­si­fi­ca­ção da nos­sa eco­no­mia. As mulheres são uma for­ça im­por­tan­te a não su­bes­ti­mar den­tro do nos­so pro­ces­so de di­ver­si­fi­ca­ção da pro­du­ção. O sec­tor agrí­co­la, on­de as mulheres es­tão em gran­de nú­me­ro, é fun­da­men­tal pa­ra ala­van­car a nos­sa eco­no­mia, nes­tes tem­pos di­fí­ceis em que di­mi­nuí­ram as re­cei­tas pro­ve­ni­en­tes da co­mer­ci­a­li­za­ção do pe­tró­leo.

É um da­do ad­qui­ri­do que não de­ve­mos mais vi­ver qua­se ex­clu­si­va­men­te das re­cei­tas do pe­tró­leo. Te­mos de pro­cu­rar ou­tras fon­tes de re­cei­ta. E uma de­las é a agri­cul­tu­ra, on­de é pos­sí­vel, com as nos­sas ter­ras fér­teis e com os nos­sos re­cur­sos hí­dri­cos, de­sen­vol­ver pro­jec­tos de di­ver­sas di­men­sões, em par­ti­cu­lar aque­les que po­dem ge­rar ren­di­men­tos pa­ra as fa­mí­li­as, a fim de pro­por­ci­o­nar a es­tas bem-es­tar. O Exe­cu­ti­vo fez bem em or­ga­ni­zar um fó­rum so­bre o pa­pel das mulheres ru­rais nes­ta fa­se da di­ver­si­fi­ca­ção da nos­sa eco­no­mia, pois tem de se con­tar com o con­tri­bu­to das mulheres do cam­po no es­for­ço que o país es­tá a fa­zer em vá­ri­as ver­ten­tes pa­ra que ha­ja mui­ta pro­du­ção in­ter­na.

As mulheres an­go­la­nas têm da­do pro­vas de que po­dem con­du­zir tam­bém no cam­po pro­jec­tos em­pre­sa­ri­ais, mes­mo sen­do de pe­que­na di­men­são. Não são só os pro­jec­tos agrí­co­las de gran­de di­men­são que fa­zem cres­cer eco­no­mi­ca­men­te um país. Que os ban­cos co­mer­ci­ais es­te­jam aten­tos ao que as mulheres ru­rais fa­zem, de­ven­do apoiá-las por via do fi­nan­ci­a­men­to das su­as ac­ti­vi­da­des pro­du­ti­vas. Há mui­tas mulheres no cam­po que são ver­da­dei­ras ba­ta­lha­do­ras. Elas lu­tam ar­du­a­men­te pe­lo sus­ten­to das su­as fa­mí­li­as, mas em mui­tos ca­sos, que­rem tam­bém ir mais lon­ge, con­cre­ti­zan­do pro­jec­tos que pos­sam con­tri­buir pa­ra o cres­ci­men­to da eco­no­mia do país. Era bom que se des­se opor­tu­ni­da­de a mulheres em­pre­en­de­do­ras do cam­po pa­ra re­a­li­zar in­ves­ti­men­tos que ve­nham a be­ne­fi­ci­ar mui­tas co­mu­ni­da­des.

As mulheres ru­rais são, nes­tes tem­pos que vi­ve­mos, mar­ca­dos pela cri­se eco­nó­mi­ca, in­con­tor­ná­veis. O de­sen­vol­vi­men­to da pro­du­ção agrí­co­la vai per­mi­tir que o país dê gran­des sal­tos, que nos po­dem con­du­zir à au­to-su­fi­ci­ên­cia ali­men­tar e até à pro­mo­ção das ex­por­ta­ções de pro­du­tos do cam­po.

An­go­la, não é de­mais re­cor­dar, ex­por­ta­va no pas­sa­do mui­tos pro­du­tos do cam­po e a agri­cul­tu­ra ti­nha um pe­so con­si­de­rá­vel na eco­no­mia. Ho­je é pos­sí­vel vol­tar­mos a pro­du­zir em gran­de es­ca­la. O im­por­tan­te é que os pro­jec­tos se­jam efec­ti­va­men­te im­ple­men­ta­dos. Que ha­ja de fac­to von­ta­de e ca­pa­ci­da­de pa­ra avan­çar pa­ra a di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia. Não po­de­mos fi­car ape­nas pe­las in­ten­ções. Es­ta­mos a atra­ves­sar mo­men­tos crí­ti­cos. Es­ta­mos con­de­na­dos a tra­ba­lhar ar­du­a­men­te pa­ra mu­dar o ac­tu­al qua­dro. As mulheres ru­rais, pela sua vi­ta­li­da­de e per­sis­tên­cia na luta con­tra a po­bre­za, são um seg­men­to de gran­de va­lia pa­ra o país. Que o Mi­nis­té­rio da Fa­mí­lia e Pro­mo­ção da Mu­lher con­ti­nue a tra­ba­lhar pa­ra que as tra­ba­lha­do­ras do cam­po se­jam va­lo­ri­za­das e apoi­a­das na­qui­lo que for ne­ces­sá­rio.

Ape­go à lei­tu­ra

O gos­to pela lei­tu­ra con­tri­bui pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to in­te­lec­tu­al da cri­an­ça, pois aju­da à ob­ten­ção de co­nhe­ci­men­tos ci­en­tí­fi­cos, di­zia há di­as uma en­ti­da­de li­ga­da à cul­tu­ra. De fac­to, lem­bro-me de ter li­do al­gu­res num pai­nel que “uma na­ção que não lê fi­ca mais po­bre”.

Em An­go­la há um gran­de es­for­ço por par­te das ins­ti­tui­ções pa­ra uma es­pé­cie de res­ga­te do gos­to pela lei­tu­ra.

Gos­ta­va que em ca­da administração mu­ni­ci­pal fos­se ins­ta­la­da uma di­vi­são que fun­ci­o­nas­se co­mo bi­bli­o­te­ca pú­bli­ca, a fim de atrair os mo­ra­do­res pa­ra a con­sul­ta de obras li­te­rá­ri­as.

Pre­pa­ra­ção mi­li­tar

Sou an­ti­go com­ba­ten­te e es­cre­vo ho­je pela primeira vez pa­ra o Jor­nal de An­go­la pa­ra di­zer que a obri­ga­to­ri­e­da­de do ser­vi­ço mi­li­tar não de­via ces­sar pa­ra to­dos. É ver­da­de que ho­je as for­ças ar­ma­das dei­xa­ram de con­tar com o la­do quan­ti­ta­ti­vo no pre­en­chi­men­to dos seus efec­ti­vos, a fa­vor da qua­li­da­de. Jul­go que era bom que to­dos os an­go­la­nos em idade mi­li­tar cum­pris­sem o ser­vi­ço mi­li­tar, in­de­pen­den­te­men­te de al­guns se man­te­rem no qua­dro de car­rei­ra e outros pas­sa­rem à vi­da ci­vil.

O im­por­tan­te se­ria que du­ran­te dois ou três anos todo o ho­mem e mu­lher cum­pris­se o ser­vi­ço mi­li­tar pa­ra que to­dos ti­ves­sem e te­nham no­ções ele­men­ta­res de pre­pa­ra­ção mi­li­tar. Sa­be­mos on­de es­ta­mos, mas não sa­be­mos pa­ra on­de va­mos, lo­go a pre­pa­ra­ção com­ba­ti­va não fi­ca­va na­da mal a to­dos.

Gui­chés de pre­o­cu­pa­ções

Gos­ta­va que hou­ves­se em to­das as ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais e dis­tri­tos ur­ba­nos gui­chés de pre­o­cu­pa­ções pa­ra que os ci­da­dãos pu­des­sem ma­ni­fes­tar por es­cri­to as su­as pre­o­cu­pa­ções. Nos nos­sos mu­ni­cí­pi­os acon­te­cem mui­tas coi­sas, umas po­si­ti­vas, ou­tras ne­ga­ti­vas. Era bom que os ci­da­dãos pu­des­sem es­cre­ver às ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais so­bre uma sé­rie de assuntos que lhes di­zem res­pei­to.

Diz-se que a vi­da co­me­ça no mu­ni­cí­pio. O mu­ni­cí­pio cons­ti­tui uma im­por­tan­te cir­cuns­cri­ção , pe­lo que os pro­ble­mas das po­pu­la­ções que ne­le vi­vem de­vem ser do co­nhe­ci­men­to das au­to­ri­da­des em tem­po opor­tu­no.

Não é por aca­so que em vá­ri­os paí­ses do mun­do se dá mui­ta im­por­tân­cia ao mu­ni­cí­pio, ha­ven­do pri­mei­ros-mi­nis­tros e pre­si­den­tes da Re­pú­bli­ca que di­ri­gi­ram an­tes câ­ma­ras mu­ni­ci­pais. Mui­tos po­lí­ti­cos no mun­do pre­fe­rem ini­ci­ar as su­as car­rei­ras po­lí­ti­cas no mu­ni­cí­pio, an­tes de da­rem gran­des sal­tos. Nós em An­go­la te­mos mu­ni­cí­pi­os po­pu­lo­sos , e faz todo o sen­ti­do que se sai­ba a opi­nião dos ci­da­dãos so­bre o que se es­tá a fa­zer em prol da re­so­lu­ção dos seus pro­ble­mas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.