Mãe ale­mã con­ta pro­ces­so de ra­di­ca­li­za­ção do fi­lho

Jornal de Angola - - OPINIÃO - RO­DRI­GO ZULETA

O pro­ces­so de ra­di­ca­li­za­ção jiha­dis­ta de um jo­vem a par­tir da pers­pec­ti­va da sua mãe é o te­ma do li­vro “Mein Sohn, der sa­la­fist: Wi­e­si­ch­mein Kind ra­di­ka­li­si­er­te und iches­ni­cht­ver hin­dern konn­te” (Meu fi­lho, o sa­la­fis­ta: Co­mo meu fi­lho se ra­di­ca­li­zou e eu não con­se­gui im­pe­di-lo) apre­sen­ta­do em Ber­lim por Ne­ri­manYa­man, mu­çul­ma­na, de raí­zes tur­cas e nas­ci­da no Va­le do Ruhr, no oes­te da Ale­ma­nha.

Ne­ri­man foi à con­fe­rên­cia de imprensa com a ca­be­ça co­ber­ta com um len­ço e fa­lou com o so­ta­que pró­prio des­sa re­gião on­de nas­ceu em 1979. O seu avô che­gou da Tur­quia nos anos 60 co­mo tra­ba­lha­dor. Ela per­ten­ce à ter­cei­ra ge­ra­ção de imi­gran­tes e faz par­te dos mais de 3 mi­lhões de ci­da­dãos do país com ori­gens tur­cas.

O seu ca­so exem­pli­fi­ca o que o ex­pre­si­den­te ale­mão Ch­ris­ti­an Wulff quis di­zer com a fra­se: “O is­lã per­ten­ce à Ale­ma­nha”. You­sef é o fi­lho de Ne­ri­man. Ele já per­ten­ce à quar­ta ge­ra­ção de imi­gran­tes e é o per­so­na­gem da his­tó­ria que ela con­ta no li­vro so­bre uma ra­di­ca­li­za­ção que o fez co­me­ter um aten­ta­do, aos 16 anos, jun­ta­men­te com dois cúm­pli­ces qua­se da mes­ma idade con­tra um ca­sal sikh na ci­da­de de Es­sen, no mes­mo Va­le do Ruhr.

O li­vro ten­ta ex­pli­car co­mo acon­te­ceu a ra­di­ca­li­za­ção e abor­da as ra­zões pe­las quais a fa­mí­lia não pô­de evi­tá-la. Tu­do co­me­çou quan­do You­sef, com 14 anos, su­bi­ta­men­te­co­me­çou a in­te­res­sar-se pe­lo is­lão e a per­gun­tar por in­ter­pre­ta­ções do Co­rão.

As res­pos­tas da­das pe­los pais mu­çul­ma­nos, mas li­be­rais - não o sa­tis­fa­zi­am e ele per­ce­beu que a mai­o­ria dos clé­ri­gos naA­le­ma­nha re­a­li­za­vam as ce­ri­mó­ni­as re­li­gi­o­sa sem tur­co ou em ára­be, idi­o­mas que ele não en­ten­dia su­fi­ci­en­te­men­te bem.

Foi en­tão que se lem­brou de um imã que pre­di­ca­va em ale­mão e de quem ele ti­nha ou­vi­do fa­lar cer­ta vez. A pes­soa em ques­tão era Pi­er­re Vo­gel, um ex-pu­gi­lis­ta con­ver­ti­do ao is­lão e con­si­de­ra­do al­ta­men­te pe­ri­go­so pe­las au­to­ri­da­des da Ale­ma­nha. Ape­sar do re­sul­ta­do, Ne­ri­man ain­da acre­di­ta: “É sa­la­fis­ta, mas não acho que se­ja ra­di­cal nem pe­ri­go­so” , diz so­bre o ho­mem, que a Ale­ma­nha clas­si­fi­ca co­mo “pre­ga­dor do ódio”. As vi­si­tas às ce­ri­mó­ni­as de Vo­gel só du­ra­ram dois me­ses. De pois, se­gui­ram outros pre­ga­do­res e ou­tras mes­qui­tas e o jo­vem co­me­çou a dis­tri­buir exem­pla­res do Co­rão pe­las ru­as.

O aler­ta dos pais acen­deu-se quan­do, após uma fa­se em que You­se­fre ci­ta­va o Co­rão em ára­be du­ran­te as re­fei­ções, a sua in­ter­pre­ta­ção da re­li­gião po­li­ti­zou-se e ele co­me­çou a fa­lar das in­jus­ti­ças que os seus ir­mãos mu­çul­ma­nos so­fri­am no mun­do e da Pri­são de Abu Gh­raib, no Ira­que.

Pou­co tem­po de­pois, o jo­vem co­me­çou a usar uma tú­ni­ca ar­gu­men­tan­do que o pro­fe­ta Ma­o­mé tam­bém ti­nha usa­do uma ves­ti­men­ta do ti­po.Ne­ri­man pro­cu­rou aju­da e re­cor­reu a, pe­lo me­nos, 15 mes­qui­tas e cen­tros de as­sis­tên­cia psi­co­ló­gi­ca.

Nos tem­plos - on­de ela e o seu ma­ri­do pro­cu­ra­vam pes­so­as pa­ra pas­sar ao fi­lho uma vi­são não ra­di­cal do is­lão - a res­pos­ta cos­tu­ma­va ser que se tra­ta­va de uma fa­se de re­be­lião ju­ve­nil.

Já nos cen­tros de as­sis­tên­cia psi­co­ló­gi­ca ela ou­via que as equi­pas só po­de­ri­am agir com o con­sen­ti­men­to de You­sef, que sem­pre re­cu­sa­va.O au­ge veio quan­do, nu­ma dis­cus­são so­bre o Mé­dio Ori­en­te na es­co­la, You­sef ame­a­çou “que­brar a ca­be­ça” de uma co­le­ga que era ju­dia.

Em 2015, Ne­ri­man re­cor­reu a um pro­gra­ma pa­ra de­ser­to­res do is­lão ra­di­cal, mas não con­se­guiu re­sul­ta­dos. O fi­lho se­guiu o seu pro­ces­so de ra­di­ca­li­za­ção, apren­deu a fa­bri­car ex­plo­si­vos e a fa­mí­lia co­me­çou a re­ce­ber vi­si­tas da Po­lí­cia.

Co­me­ter o aten­ta­do foi ape­nas o pas­so se­guin­te. “Ten­tá­mos de tu­do, mas o nos­so fi­lho já não nos ou­via. O ou­tro la­do era mais for­te. Sou mu­çul­ma­na, mas os outros tam­bém se in­ti­tu­lam mu­çul­ma­nos”, dis­se ela na ce­ri­mó­nia de lan­ça­men­to do li­vro.

Ne­ri­man lem­bra que o fi­lho e os seus amigos com­pra­ram os itens ne­ces­sá­ri­os pa­ra fa­bri­car a bom­ba atra­vés do si­te Ama­zon e de­pois pre­pa­ra­ram os ex­plo­si­vos se­guin­do ins­tru­ções que en­con­tra­ram no YouTu­be.

“Tem coi­sas que de­vi­am ser proi­bi­das, já que não se tra­ta só de ter­ro­ris­tas is­lâ­mi­cos, exis­te gen­te su­fi­ci­en­te­men­te do­en­te que po­de que­rer fa­bri­car uma bom­ba”, ar­gu­men­ta.You­sef ca­sou-se com uma me­ni­na que co­nhe­ceu na in­ter­net e que ago­ra de­ci­diu se­pa­rar-se de­le de­pois que o jo­vem de­ci­diu co­o­pe­rar com as au­to­ri­da­des.

“Ela usa bur­ca e quan­do foi a nos­sa ca­sa usa­va lu­vas pre­tas”, res­pon­de Ne­ri­man à per­gun­ta so­bre se a me­ni­na é ra­di­ca­li­za­da.Ele tam­bém es­cre­veu um pe­di­do de des­cul­pas for­mal pa­ra a co­mu­ni­da­de sikh.

O seu pro­ces­so na Jus­ti­ça, no en­tan­to, con­ti­nua cor­ren­do, e em 17 de De­zem­bro ele e seus amigos irão apre­sen­tar-se a um juiz. A acu­sa­ção é por ten­ta­ti­va de ho­mi­cí­dio.

A ado­ra­ção dos tai­lan­de­ses pe­lo seu rei era úni­ca, mas outros mo­nar­cas, de Eli­za­beth II da In­gla­ter­ra a Moha­med VI do Mar­ro­cos, têm con­se­gui­do man­ter o apoio a uma ins­ti­tui­ção con­si­de­ra­da an­ti­qua­da por mui­tos.

Exis­tem cer­ca de 40 paí­ses no mun­do go­ver­na­dos por mo­nar­cas, 16 de­les por Eli­za­beth II, che­fe de Es­ta­do de paí­ses co­mo o Ca­na­dá, Aus­trá­lia ou No­va Ze­lân­dia e outros da Com­monwe­alth, an­ti­go Im­pé­rio Britânico.

Há mo­nar­qui­as par­la­men­ta­res, ab­so­lu­tas e in­clu­si­ve elei­tas, co­mo no Va­ti­ca­no ou em An­dor­ra - on­de os che­fes de Es­ta­do, de­no­mi­na­dos “prín­ci­pes” são o pre­si­den­te da Fran­ça e o bis­po da vi­zi­nha ci­da­de es­pa­nho­la de La Seud'Ur­gell.

“A mo­nar­quia bri­tâ­ni­ca des­fru­ta de uma po­pu­la­ri­da­de de 70% a 80%, ci­fras pe­las quais os po­lí­ti­cos ma­ta­ri­am”, dis­se à AFP o pro­fes­sor Ro­bert Ha­zell, do de­par­ta­men­to de te­mas cons­ti­tu­ci­o­nais da Uni­ver­si­da­de Col­le­ge de Lon­dres.

Uma po­pu­la­ri­da­de es­trei­ta­men­te as­so­ci­a­da à da rai­nha Eli­za­beth II.Aos 90 anos, ela so­ma 64 no tro­no, e o seu rei­na­do era su­pe­ra­do no mun­do uni­ca­men­te por um rei, o tai­lan­dês Bhu­mi­bol Adulya­dej, Ra­ma IX, fa­le­ci­do na quin­ta-fei­ra, após 70 anos de rei­na­do.

“Somos uma mo­nar­quia há qua­se mil anos e du­ran­te es­te tem­po, a Grã-Bre­ta­nha te­ve uma his­tó­ria re­la­ti­va­men­te pa­cí­fi­ca”, lem­brou Ha­zell, ci­tan­do um dos fac­to­res que ex­pli­cam a vi­gên­cia des­ta ve­lha ins­ti­tui­ção he­re­di­tá­ria.

Sen­sí­vel a es­cân­da­los

Outros mo­nar­cas, lem­brou Ha­zell, ci­men­ta­ram a sua re­pu­ta­ção no “seu pa­pel em su­pe­rar a opres­são mi­li­tar ou a di­ta­du­ra”, ci­tan­do os mo­nar­cas es­can­di­na­vos, que en­fren­ta­ram os na­zis­tas, ou o re­cé­mab­di­ca­do Ju­an Carlos I, da Es­pa­nha, que co­man­dou a pas­sa­gem do seu país da di­ta­du­ra de Franco pa­ra a de­mo­cra­cia. No ca­so da Es­pa­nha, a ins­ti­tui­ção per­sis­te, mas o ac­tu­al mo­nar­ca, Fe­li­pe VI, tem di­an­te de si o de­sa­fio de fa­zer os súb­di­tos es­que­ce­rem que a sua irmã e o seu cu­nha­do são jul­ga­dos por cor­rup­ção e que o seu pai pro­ta­go­ni­zou vá­ri­os es­cân­da­los an­tes de ab­di­car, co­mo a ca­ça de ele­fan­tes no Botswa­na no pi­or mo­men­to da cri­se eco­nó­mi­ca que sa­cu­dia o país.

“Su­põe-se que a re­a­le­za de­va ter ou­tra forma de se com­por­tar, exem­plar, mo­ral­men­te im­pe­cá­vel”, dis­se à AFP a jor­na­lis­ta Ana Ro­me­ro, es­pe­ci­a­lis­ta na mo­nar­quia es­pa­nho­la.

“Num mo­men­to de cri­se eco­nó­mi­ca e de pe­nú­ria, fo­ram vis­tos co­mo pes­so­as mui­to egoís­tas, he­do­nis­tas, que pen­sa­vam uni­ca­men­te no seu pra­zer”, dis­se a res­pei­to da in­fan­ta Cris­ti­na e do seu ma­ri­do, Iña­ki Ur­dan­ga­rín.

“As mo­nar­qui­as têm um ar de imu­tá­veis, mas de fac­to são mui­to vul­ne­rá­veis a es­cân­da­los. Vi­mos is­to re­cen­te­men­te na Es­pa­nha”, dis­se à AFP Phi­lip Murphy, di­rec­tor do Ins­ti­tu­to de Es­tu­dos da Com­menwe­alth e es­pe­ci­a­lis­ta em mo­nar­qui­as.

Um con­tra­to re­no­vá­vel

Com ex­cep­ção da Es­pa­nha e, em me­nor me­di­da, da Bél­gi­ca, as mo­nar­qui­as eu­ro­pei­as go­zam de boa saú­de.As su­pos­tas in­fi­de­li­da­des co­me­ti­das pe­lo rei su­e­co Carlos XVI Gus­ta­vo da Sué­cia ti­ra­ram-lhe po­pu­la­ri­da­de, mas es­ta man­tém-se em tor­no de 65%.No­va­men­te, uma ci­fra pela qual mui­tos po­lí­ti­cos pa­ga­ri­am.

No nor­te da Áfri­ca e no Mé­dio Ori­en­te, a Pri­ma­ve­ra Ára­be ame­a­çou mo­nar­qui­as co­mo as do Bah­rein, que re­cor­reu à for­ça pa­ra aba­far as re­vol­tas, mas paí­ses co­mo a Jor­dâ­nia e Mar­ro­cos têm reis po­pu­la­res nas fi­gu­ras de Ab­dul­lah II e Moha­med VI, res­pec­ti­va­men­te.

Ne­nhum rei ou rai­nha po­de es­pe­rar dei­xar a sua po­pu­la­ri­da­de de he­ran­ça aos fi­lhos, avi­sou Ha­zell. “Ca­da ge­ra­ção tem que re­no­var o con­tra­to en­tre a mo­nar­quia e o po­vo. A mo­nar­quia não de­ve ser da­da co­mo cer­ta. Pre­ci­sa ga­nhar res­pei­to”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.