Ri­a­de ad­mi­te er­ro em ata­que a fu­ne­ral

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

O ata­que mor­tí­fe­ro da co­li­ga­ção ára­be no Iémen, que cau­sou 140 mor­tos em Sa­naa, no sá­ba­do, e que sus­ci­tou uma con­de­na­ção in­ter­na­ci­o­nal, foi re­sul­ta­do de uma “in­for­ma­ção er­ra­da”, ad­mi­tiu on­tem a equi­pa en­car­re­ga­da de in­ves­ti­gar o mas­sa­cre.

Os in­ves­ti­ga­do­res, de­sig­na­dos pela co­li­ga­ção li­de­ra­da pela Ará­bia Sau­di­ta, con­cluí­ram que os ata­ques aé­re­os fo­ram re­a­li­za­dos sem as pre­cau­ções ha­bi­tu­ais des­ti­na­das a li­mi­tar as bai­xas ci­vis e com o con­sen­ti­men­to do co­man­do.

O ata­que te­ve por al­vo um sa­lão da ca­pi­tal ie­me­ni­ta, con­tro­la­da pe­los re­bel­des houthis, on­de era re­a­li­za­da uma ce­ri­mó­nia fú­ne­bre pe­lo pai de um al­to fun­ci­o­ná­rio.“De­vi­do à de­so­be­di­ên­cia das re­gras de com­ba­te e dos pro­ce­di­men­tos da co­li­ga­ção, as­sim co­mo uma in­for­ma­ção er­ra­da, um avião da co­li­ga­ção ata­cou er­ra­da­men­te o lo­cal, o que pro­vo­cou a mor­te e fe­ri­men­tos de ci­vis”, afir­ma­ram os in­ves­ti­ga­do­res.

A equi­pa re­co­men­da a pu­ni­ção das pes­so­as res­pon­sá­veis pe­lo er­ro, in­dem­ni­za­ção das vítimas do bom­bar­de­a­men­to, que pro­vo­cou tam­bém 525 fe­ri­dos, e a re­vi­são das “re­gras de com­ba­te nas ope­ra­ções mi­li­ta­res” no Iémen.

A co­li­ga­ção ára­be, que es­tá en­vol­vi­da no con­fli­to ie­me­ni­ta pa­ra dar apoio ao Pre­si­den­te Abd Rab­bo Man­sur Ha­di con­tra os re­bel­des houthis, a prin­cí­pio ne­gou a res­pon­sa­bi­li­da­de.Um che­fe dos re­bel­des houthis afir­mou que um pri­mei­ro gru­po de 115 pes­so­as fe­ri­das vai ser eva­cu­a­do pa­ra o vi­zi­nho Omã.

“Tra­ta-se de um pri­mei­ro gru­po de fe­ri­dos a ser eva­cu­a­do e tra­ta­do no ex­te­ri­or”, de­cla­rou o vi­ce-mi­nis­tro da Saú­de das au­to­ri­da­des re­bel­des ie­me­ni­tas, Na­ser Aw­ja­li, sem pre­ci­sar se outros gru­pos se­ri­am eva­cu­a­dos mais tar­de.

Den­tro des­se gru­po de eva­cu­a­dos es­tão tam­bém dois nor­te-ame­ri­ca­nos que ha­vi­am si­do se­ques­tra­dos no Iémen, e que fo­ram li­ber­ta­dos gra­ças à me­di­a­ção do Omã, in­for­mou a agên­cia es­ta­tal do país.

Mais de­ta­lhes so­bre a iden­ti­da­de des­ses dois ci­da­dãos ame­ri­ca­nos não fo­ram in­for­ma­dos, nem so­bre a sua si­tu­a­ção no Iémen e da sua li­ber­ta­ção. Os Es­ta­dos Uni­dos agra­de­ce­ram o que con­si­de­ra­ram um “bom ges­to” dos re­bel­des houthis.

O Omã é o úni­co país ára­be do Gol­fo que não par­ti­ci­pa na co­li­ga­ção con­tra os re­bel­des no Iémen e man­tém bons con­tac­tos com os houthis, as­sim co­mo com o go­ver­no do Pre­si­den­te Ha­di.

O ata­que aé­reo foi con­de­na­do por inú­me­ros paí­ses e le­vou os Es­ta­dos Uni­dos, ali­a­do da Ará­bia Sau­di­ta, a anun­ci­ar uma re­vi­são do seu apoio à co­li­ga­ção no Iémen.

Na se­ma­na pas­sa­da, a ONU exi­giu que se res­pon­sa­bi­li­ze e jul­gue os en­vol­vi­dos no bom­bar­de­a­men­to que ma­tou as 140 pes­so­as.

“Te­mos que fa­zer todo o pos­sí­vel pa­ra ga­ran­tir que os au­to­res des­tes ata­ques de­su­ma­nos che­guem à Jus­ti­ça”, dis­se o re­pre­sen­tan­te da ONU pa­ra o Iémen, Is­mail Uld Sheikh Ah­med, após reu­nir-se com o mi­nis­tro fran­cês das Relações Ex­te­ri­o­res, Je­an-Marc Ay­rault. O Se­cre­tá­ri­oGe­ral da ONU, Ban Ki-mo­on, de­fen­deu uma in­ves­ti­ga­ção às vi­o­la­ções dos di­rei­tos hu­ma­nos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.