Carlos Bap­tis­ta em con­cer­to no Pa­lá­cio de Fer­ro

Can­tor e com­po­si­tor re­vi­si­tou su­ces­sos com acom­pa­nha­men­to da Ban­da Ma­ra­vi­lha

Jornal de Angola - - CULTURA - JOMO FORTUNATO |

Em­bo­ra a sua pro­pen­são pa­ra a música te­nha sur­gi­do de forma in­tui­ti­va, a cren­ça nos efei­tos prag­má­ti­cos do au­to­di­dac­tis­mo le­va­ram Carlos Bap­tis­ta a cons­truir uma só­li­da car­rei­ra de su­ces­sos, dos quais fi­cou na his­tó­ria a canção “En­quan­to es­pe­ro”, um dos seus te­mas mu­si­cais mais co­nhe­ci­dos, te­ma vi­va­men­te aplau­di­do no con­cer­to re­a­li­za­do sex­ta-fei­ra, no Pa­lá­cio de Fer­ro.

O amor, e seus des­do­bra­men­tos sen­ti­men­tais, a ob­ser­va­ção da na­tu­re­za e as ocor­rên­ci­as do quo­ti­di­a­no são os te­mas pre­fe­ren­ci­ais das com­po­si­ções de Carlos Bap­tis­ta. Ro­mân­ti­co as­su­mi­do, o com­po­si­tor elo­gia a mu­lher, ele­ge a es­pe­ran­ça de um fu­tu­ro me­lhor, e as su­as can­ções são nar­ra­ti­vas que en­cer­ram sem­pre um des­fe­cho fe­liz e du­ra­dou­ro.

Fi­lho de Jo­a­quim Do­min­gos Batista e de Ma­ria Do­min­gos, Jo­a­quim Do­min­gos Bap­tis­ta nas­ceu em Lu­an­da, na Ilha do Mus­su­lo, no dia 01 de Agos­to de 1951, e co­me­çou a com­por, com al­gu­ma con­sis­tên­cia cri­a­ti­va, aos vin­te e dois anos de idade de­pois de um lon­go pe­río­do de con­tac­to com a música, e fre­quen­tou, de 1987 a 1989, a Aca­de­mia de Música de Lu­an­da.

Em 1973, Carlos Bap­tis­ta pas­sou pe­lo Cen­tro de Pre­pa­ra­ção de Ar­tis­tas da Rá­dio “CEPAR”, es­ta­ção li­ga­da à ex-emis­so­ra Ofi­ci­al de An­go­la, on­de apren­deu as for­mas cor­rec­tas de co­lo­ca­ção e edu­ca­ção vocal. No ano se­guin­te, sur­giu a sua primeira apre­sen­ta­ção pú­bli­ca no Ci­ne Be­le­nen­ses no bair­ro da Sam­ba, em Lu­an­da, oca­sião em que foi vi­va­men­te aplau­di­do pe­lo pú­bli­co, so­bre­tu­do pela gé­ne­se do seu tim­bre vocal Vis­ce­ral­men­te li­ga­do à música, em­bo­ra dis­tan­te da pre­ten­são pro­fis­si­o­nal, Carlos Bap­tis­ta co­la­bo­rou, em 1977, com o agru­pa­men­to mu­si­cal “In­ter­cla­ve”, e par­ti­ci­pou, um ano de­pois, no con­cur­so na­ci­o­nal de música e can­to, pro­mo­vi­do pe­lo Con­se­lho Na­ci­o­nal da Cul­tu­ra, ob­ten­do o pré­mio de me­lhor com­po­si­ção com a canção, “O tem­po ali­a­do da ra­zão”.

Di­a­man­tes ne­gros

Carlos Bap­tis­ta gra­vou em 1979, as can­ções, “Ku­zu­e­le­sa” e o “Tem­po ali­a­do da ra­zão”, na Rá­dio Na­ci­o­nal de An­go­la, em fi­ta mag­né­ti­ca, al­tu­ra em que co­me­çou a co­la­bo­rar com o agru­pa­men­to mu­si­cal “Di­a­man­tes Ne­gros” com Ze­cax, Di­na San­tos, Ma­mu­ku­e­no e San­to­cas, vo­zes, Baião, gui­tar­ra so­lo, Be­ti­nho Fei­jó, gui­tar­ra rit­mo, Ze­ca Pi­lhas Se­cas, gui­tar­ra bai­xo, Mas­si­ko­ca, te­cla­dos, Ro­ber­ti­nho, voz e ba­te­ria, Je­sus, tum­bas, e Do­mé Do­min­gos Mpu­to, Con­cei­ção, Je­sus Pau­lo Di­o­go, nos me­tais.

Em 1980, Carlos Bap­tis­ta ven­ceu o con­cur­so ra­di­o­fó­ni­co do pro­gra­ma “Pa­ra Jovens”, da Rá­dio Na­ci­o­nal de An­go­la, ten­do vi­a­ja­do, ain­da com o agru­pa­men­to “Di­a­man­tes Ne­gros” da en­tão Se­cre­ta­ria de Es­ta­do da Cul­tu­ra, a São To­mé, Por­tu­gal, Po­ló­nia, Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca Ale­mã e Ex-União So­vié­ti­ca.

In­fluên­ci­as

Em­bo­ra não te­nha ti­do fa­mi­li­a­res di­rec­tos li­ga­dos à música, ex­cep­tu­an­do uma li­ga­ção de fa­mi­li­a­ri­da­de, dis­tan­te, com o can­tor e com­po­si­tor Lu­las da Pai­xão, Carlos Bap­tis­ta afir­mou o se­guin­te so­bre as su­as in­fluên­ci­as: “Sou um can­tor ro­mân­ti­co, ra­zão pela qual te­nho uma for­te ad­mi­ra­ção pe­lo can­tor e com­po­si­tor bra­si­lei­ro Roberto Carlos , so­bre­tu­do quan­do se jun­ta ao seu in­se­pa­rá­vel ami­go Eras­mo Carlos . No en­tan­to, gos­to da ge­ne­ra­li­da­de dos can­to­res an­go­la­nos, e des­ta­co aqui o gran­de can­tor, com­po­si­tor e in­tér­pre­te Carlos La­mar­ti­ne, e o es­pi­ri­tu­al Ar­tur Nu­nes, dois exem­plos de qua­li­da­de e en­tre­ga to­tal à música”.

Par­ti­ci­pa­ções

Carlos Bap­tis­ta fez par­te do con­cur­so “De­cou­vert”, edi­ção 1988, pro­mo­vi­do pela Rá­dio Fran­ce In­ter­na­ci­o­nal, com a canção “Jin­dan­du jia tu vu­lu”, e par­ti­ci­pou, em 2006, no CD do pro­jec­to “Pe­troSem­ba”, com du­as can­ções, edi­ta­do pela So­nan­gol, ten­do si­do re­a­li­za­do um con­cer­to de apre­sen­ta­ção do re­fe­ri­do pro­jec­to, nas co­me­mo­ra­ções das fes­tas da ci­da­de do Hu­am­bo. Carlos Bap­tis­ta es­tá re­pre­sen­ta­do na co­lec­tâ­nea mu­si­cal, “An­go­la 30 anos” (2010).

Em 1986,Carlos Bap­tis­ta gra­vou o seu pri­mei­ro ál­bum “Es­bo­ço”, pela So­no­vox, ten­do ob­ti­do o se­gun­do lu­gar do Top dos Mais Qu­e­ri­dos com a Canção, “En­quan­to es­pe­ro”. Em 1987 ob­te­ve o sex­to lu­gar ain­da no Top dos Mais Qu­e­ri­dos com a canção “Ima­gi­na­ção”.

Dis­co­gra­fia

O seu se­gun­do dis­co, “A pro­mes­sa”, sur­giu em Agos­to de 1992, com a eti­que­ta do INALD, Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal do Li­vro e do Dis­co. Cu­ri­o­sa­men­te no dia 11 de No­vem­bro de 2010, da­ta de ce­le­bra­ção da in­de­pen­dên­cia de An­go­la, acon­te­ceu o lan­ça­men­to do seu ter­cei­ro ál­bum “Sem­pre amigos”, um CD com a chan­ce­la da LS, pro­du­ções, e apoio fi­nan­cei­ro do Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra.

Con­cer­to

No con­cer­to re­a­li­za­do na Sex­ta­fei­ra, no Pal­co “Ngo­la” do Pa­lá­cio de Fer­ro,in­se­ri­do na pro­gra­ma­ção de con­cer­tos da III Tri­e­nal de Lu­an­da da Fun­da­ção Sin­di­ka Do­ko­lo, Carlos Bap­tis­ta foi acom­pa­nha­do pela Ban­da Ma­ra­vi­lha, com Mo­rei­ra Fi­lho, bai­xo, Má­rio Fur­ta­do, ba­te­ria, Mi­quei­as Ra­mi­ro, te­clas, Isaú Bap­tis­ta, gui­tar­ra so­lo, e Dja­ni­ra San­tos, co­ros. Bas­tan­te aplau­di­do pe­lo pú­bli­co, Carlos Bap­tis­ta in­ter­pre­tou as can­ções: “Ima­gi­na­ção”, “Es­bo­ço”, “Sem­pre amigos”, “Ku­zu­e­le­sa”, “Fe­li­ci­da­des”, “A pro­mes­sa”, “Jin­gan­du”, “Ulum­bi”, “44 ho­ras”, “En­quan­to”, e “Amor a dois”.

Tri­e­nal

A III Tri­e­nal de Lu­an­da, que ar­ran­cou no dia 1 de No­vem­bro de 2015, e vai até 30 de No­vem­bro de 2016, es­tá di­vi­di­da em ar­tes visuais, com ex­po­si­ções de arte clás­si­ca e con­tem­po­râ­nea, co­mu­ni­ca­ção que pre­vê a edi­ção de jor­nais, re­vis­tas, ca­tá­lo­gos, edi­ções e re­e­di­ções de tí­tu­los bi­bli­o­grá­fi­cos fun­da­men­tais pa­ra a com­pre­en­são da his­tó­ria li­te­rá­ria e cul­tu­ral an­go­la­na, pro­gra­mas de rá­dio e te­le­vi­são, fó­runs, que inclui um ex­ten­so ci­clo de con­fe­rên­ci­as, ses­sões de te­a­tro, con­cer­tos, e pro­gra­mas de edu­ca­ção, que pre­vêem vi­si­tas de es­tu­dan­tes de di­fe­ren­tes ní­veis de en­si­no, nos es­pa­ços da III Tri­e­nal de Lu­an­da.

Por sua vez, a pro­gra­ma­ção de con­cer­tos da III Tri­e­nal de Lu­an­da, que vai en­cer­rar com gran­de Fes­ti­val Zuá, pre­ten­de enal­te­cer a qua­li­da­de ar­tís­ti­ca dos can­to­res, com­po­si­to­res e ins­tru­men­tis­tas an­go­la­nos, va­lo­ri­zan­do, mai­o­ri­ta­ri­a­men­te, um seg­men­to mu­si­cal re­fle­xi­vo e ex­pe­ri­men­tal, que, nor­mal­men­te, es­tá dis­tan­te do gran­de su­ces­so co­mer­ci­al da música de con­su­mo ime­di­a­to.

A Tri­e­nal de Lu­an­da re­a­li­zou, ao lon­go da sua exis­tên­cia, um to­tal de mais de 1. 356 even­tos, con­cre­ti­za­dos em ex­po­si­ções de ar­tes visuais, even­tos de ar­tes cé­ni­cas, con­fe­rên­ci­as, con­cer­tos, exi­bi­ção de pe­ças de te­a­tro, dan­ça, mo­da, per­for­man­ce, cinema, pro­jec­tos de li­te­ra­tu­ra, re­si­dên­ci­as ar­tís­ti­cas, e pro­gra­mas de vi­si­tas es­co­la­res.Os pro­jec­tos de­sen­vol­vi­dos pela Tri­e­nal de Lu­an­da, um pro­jec­to da Fun­da­ção Sin­di­kaDo­ko­lo, vi­sam dar mai­or vi­si­bi­li­da­de à pro­du­ção ar­tís­ti­ca afri­ca­na na Eu­ro­pa, e no mun­do.

Alar­gar o es­pec­tro do diá­lo­go cul­tu­ral, aus­cul­tar as vá­ri­as sen­si­bi­li­da­des da so­ci­e­da­de an­go­la­na, na pers­pec­ti­va de pro­mo­ver o in­ter­câm­bio de ex­pe­ri­ên­ci­as e ini­ci­a­ti­vas já im­ple­men­ta­das, a fa­vor da di­ver­si­da­de de ex­pres­sões cul­tu­rais, são ques­tões que es­tão na ba­se dos pro­jec­tos cul­tu­rais que a Fun­da­ção Sin­di­kaDo­ko­lo tem de­sen­vol­vi­do.

DR

Au­tor da música “En­quan­to es­pe­ro” que re­tra­ta o amor e seus des­do­bra­men­tos sen­ti­men­tais foi bas­tan­te aplau­di­do du­ran­te o con­cer­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.