Can­ções do CD “Sem­pre amigos”

Jornal de Angola - - CULTURA -

Gra­va­do subs­tan­ci­al­men­te com a Ban­da Ma­ra­vi­lha e mú­si­cos con­vi­da­dos, de­pois de de­zas­seis anos de si­lên­cio dis­co­grá­fi­co, “Sem­pre amigos” é o no­me de uma canção que dá tí­tu­lo ao úl­ti­mo CD de Carlos Bap­tis­ta, um te­ma de amor que nar­ra a im­pos­si­bi­li­da­de do seu au­tor em vol­tar a se apai­xo­nar por uma an­ti­ga ama­da, por es­tar com­pro­me­ti­do com a sua no­va mu­lher: “Quan­do nos ve­mos/ pa­ra­mos e con­ver­sa­mos/ fa­la­mos da vi­da e do nos­so exa­mor/pe­des que vol­te/mas eu não pos­so vol­tar/ es­tou apai­xo­na­do/ e já te­nho mu­lher…

Em “Es­pe­ra por mim”, o com­po­si­tor fa­la de um amor dis­tan­te, mas a for­ça da es­pe­ran­ça faz apro­xi­mar que se ama: Há tan­ta dis­tân­cia/ pa­ra eu vi­a­jar/ o tem­po é tão lon­go até eu che­gar… A canção “Ima­gi­na­ção”, gra­va­da pela primeira vez em 1986, co­me­ça com os se­guin­tes ver­sos: “Nos teus olhos eu ve­jo/ o amor em for­ça de luz e dia/ no teu cor­po eu sin­to o amor/ em for­ça de poesia… Tem­po de tra­ba­lho e tem­po de en­tre­te­ni­men­to, é o te­ma nar­ra­do em “Qu­a­ren­ta e qua­tro ho­ras”: “Ve­nho a ca­mi­nho/ es­tou che­gan­do/ qu­e­ro far­rar/ te­nho umas ho­ri­nhas/ des­ti­na­das pa­ra me ale­grar… Mar e amor, é as­sim a poesia em “Lu­me­na”, no­me de uma me­ni­na bo­ni­ta que não de­ve na­dar pa­ra lon­ge, “que o mar po­de bra­var/ e as on­das te ar­ras­ta­rem”… No te­ma “Tânya”,a sex­ta canção do CD, o com­po­si­tor elo­gia a bon­da­de e a forma co­mo ela gos­ta de en­si­nar, o te­ma aca­ba por ser um claro elo­gio da ju­ven­tu­de, e da sua na­tu­ral pro­pen­são pa­ra o en­tre­te­ni­men­to. Em “Lu­an­da à noi­te”,Carlos Bap­tis­ta trans­for­ma, de forma me­ta­fó­ri­ca, a ci­da­de nu­ma mu­lher. Nu­ma noi­te de es­tre­las, com pou­cas nuvens, pa­ra além da Li­li, mu­lher que o com­po­si­tor es­pe­ra, Lu­an­da é tam­bém uma me­ni­na bo­ni­ta que o au­tor ama e ado­ra. “Ku­zu­e­le­sa”, é uma canção em quim­bun­do em que o au­tor pre­ten­de ins­tau­rar o diá­lo­go com o seu ir­mão, por­que, se­gun­do a mãe ele não vai à es­co­la. Vi o meu ir­mão quan­do pas­se­a­va pela praia…“Vi­a­jar ver e con­tar” é uma cró­ni­ca de vi­a­gem no in­te­ri­or de An­go­la, on­de o can­tor des­cre­ve as be­le­zas na­tu­rais: Em vi­a­gem pe­las ter­ras do in­te­ri­or/ na ca­mi­nha­da/ vi o po­vo le­van­do ins­tru­men­tos na mão/ com des­ti­no a plan­ta­ção en­tre mon­ta­nhas…“Ma­ça­da” re­trac­ta a vi­da dos no­vos tem­pos: “Ho­je em dia não en­ten­den­do es­ta/gen­te que me abra­ça/ me crí­ti­ca/ me elo­gia me con­de­na/… é di­fí­cil en­con­trar um bom ami­go.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.