Ár­bi­tro des­ta­ca tra­ba­lho pa­ra che­gar ao Mun­di­al

Jornal de Angola - - DESPORTO -

O ár­bi­tro an­go­la­no Jo­sé Kat­chin­ga­vi­sa, que es­te­ve re­cen­te­men­te no Mun­di­al de fut­sal, con­si­de­ra a pre­sen­ça en­tre os me­lho­res do mun­do fru­to do tra­ba­lho ár­duo nas úl­ti­mas com­pe­ti­ções.

Em de­cla­ra­ções à An­gop, em Ben­gue­la, após ter par­ti­ci­pa­do no Mun­di­al na Colôm­bia, o juiz fez um res­cal­do da sua car­rei­ra, apon­ta­do so­bre­tu­do os ga­nhos de­cor­ren­tes do con­ví­vio ao mais al­to ní­vel.

“Sa­bia que a no­me­a­ção che­ga­ria. Foi com bas­tan­te emo­ção e sa­tis­fa­ção que re­ce­bi, via correio elec­tró­ni­co, a se­gun­da no­me­a­ção pa­ra api­tar o Cam­pe­o­na­to do Mun­do, sen­do o pal­co mais im­por­tan­te pa­ra qual­quer des­por­tis­ta”, re­fe­riu.

Con­si­de­rou a no­me­a­ção pa­ra o pri­mei­ro jo­go, no qual os ár­bi­tros afri­ca­nos fi­ze­ram a aber­tu­ra do Mun­di­al, bem co­mo pa­ra os jogos dos quar­tos­de-fi­nal os mo­men­tos mar­can­tes du­ran­te a com­pe­ti­ção.

Pa­ra Kat­chin­ga­vi­sa, api­tar pela FI­FA é mais exi­gen­te, por­que é fei­to um es­tu­do de­ta­lha­do da mo­vi­men­ta­ção tác­ti­ca das equi­pas, pa­ra que o ár­bi­tro fi­que de­vi­da­men­te en­qua­dra­do e, no fi­nal do jo­go, ana­li­sa-se a par­ti­da, pra­ti­ca­men­te um “jul­ga­men­to fei­to aos ár­bi­tros so­bre as su­as in­ter­ven­ções”.

Con­si­de­rou que a mo­da­li­da­de em An­go­la es­tá no bom ca­mi­nho, uma vez que tem atin­gi­do bons ní­veis e já se pra­ti­ca um fut­sal apli­can­do a leis da FI­FA. Mas há al­guns as­pec­tos a me­lho­rar, “co­mo na es­tru­tu­ra do con­se­lho de ár­bi­tros”.

A Fe­de­ra­ção, de­fen­deu o ár­bi­tro, tem es­ta­do aten­ta e en­vi­da es­for­ço de mo­do a me­lho­rar a si­tu­a­ção, “com a dis­pu­ta de tor­nei­os a ní­vel na­ci­o­nal e no es­tran­gei­ro”, com os quais tem apren­di­do mui­to com a tro­ca de ex­pe­ri­ên­cia, “en­ri­que­cen­do a mo­da­li­da­de”. Acres­cen­tou que nas com­pe­ti­ções afri­ca­nas a mo­da­li­da­de tem es­ta­do a cres­cer. Apon­tou a par­ti­ci­pa­ção no CAN pa­ra ates­tar que An­go­la es­tá en­tre os me­lho­res do con­ti­nen­te.

“Eu te­nho di­to que só há gran­des ár­bi­tros on­de há uma cer­ta organização e equi­pas com ní­vel com­pe­ti­ti­vo. Te­nho man­ti­do os ní­veis na com­pe­ti­ção in­ter­na. Se atin­jo ní­veis al­to lá é por­que te­nho si­do bem pre­pa­ra­do em ca­sa”, com­pa­rou

O ár­bi­tro lem­brou que não é fá­cil pra­ti­car a mo­da­li­da­de em An­go­la, pois o des­por­to re­quer mui­to sa­cri­fí­cio. No seu per­cur­so te­ve mui­tas que­das em jogos não bem con­se­gui­dos. Ape­lou à fa­mí­lia do fut­sal a con­ti­nu­ar a pra­ti­car a mo­da­li­da­de, por­que a sua pre­sen­ça no Mun­di­al “foi uma vi­tó­ria de to­dos os an­go­la­nos”.

Jo­sé Fran­cis­co Ka­te­mo Kat­chin­ga­vi­sa é ár­bi­tro há 14 anos. Tem par­ti­ci­pa­ções em três Cam­pe­o­na­tos do Mun­do, sen­do dois mas­cu­li­nos e um fe­mi­ni­no, 38 jogos in­ter­na­ci­o­nais, sete cam­pe­o­na­tos na­ci­o­nais e 11 pro­vin­ci­ais.

DR

Ár­bi­tro an­go­la­no des­fi­la na eli­te mun­di­al

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.