Qua­li­da­de de vi­da em novas ci­da­des

Cons­truí­da no âm­bi­to do Pro­gra­ma Na­ci­o­nal de Ur­ba­nis­mo e Ha­bi­ta­ção a no­va ci­da­de é aber­ta ao pú­bli­co nos pri­mei­ros me­ses do pró­xi­mo ano

Jornal de Angola - - PARTADA - AN­DRÉ DOS ANJOS |

Lo­ca­li­za­da 20 qui­ló­me­tros a nor­des­te da ci­da­de do Lubango, a cen­tra­li­da­de da Qui­lem­ba é uma com­bi­na­ção de mo­ra­di­as iso­la­das e ge­mi­na­das e edi­fí­ci­os de apar­ta­men­tos de dois e três pi­sos, pro­po­si­ta­da­men­te aglo­me­ra­das nu­ma só ur­ba­ni­za­ção pa­ra aco­lher os mais va­ri­a­dos es­tra­tos so­ci­ais.

Aqui, a mo­der­ni­da­de e a sim­pli­ci­da­de es­tão pa­ten­tes em to­das as mo­ra­di­as, que in­clu­em uma sui­te, sa­la co­mum, ca­sa de ba­nho, co­zi­nha e, no ca­so das re­si­dên­ci­as iso­la­das e ge­mi­na­das, um quin­tal.

O pro­jec­to co­me­çou a ser exe­cu­ta­do em 2012, nu­ma área de 1.100 hec­ta­res, e vol­vi­dos qua­tro anos evo­luiu de uma sim­ples ma­que­ta pa­ra uma au­tên­ti­ca ci­da­de, com 7.512 mo­ra­di­as pron­tas a ha­bi­tar e 488 em fa­se de con­clu­são.

A par das ca­sas por aca­bar, os em­prei­tei­ros es­me­ram-se ago­ra na fi­na­li­za­ção de equi­pa­men­tos so­ci­ais co­mo jar­dins-de-in­fân­cia, es­co­las e áre­as de la­zer.

É nes­sa fa­se der­ra­dei­ra, pre­en­chi­da, em gran­de me­di­da, por pe­que­nos de­ta­lhes, co­mo a si­na­li­za­ção de ru­as, en­tre­tan­to, já re­ves­ti­das de ca­ma­da as­fál­ti­ca, que o con­fir­mou que a no­va cen­tra­li­da­de é aber­ta ao pú­bli­co, de­fi­ni­ti­va­men­te, nos pri­mei­ros me­ses de 2017, num pro­ces­so que, se sa­be des­de já, é con­du­zi­do pela Imo­ges­tin, em­pre­sa res­pon­sá­vel pela ges­tão e co­mer­ci­a­li­za­ção das novas cen­tra­li­da­des.

En­quan­to a em­prei­tei­ra chi­ne­sa que exe­cu­ta as obras se ocu­pa dos úl­ti­mos de­ta­lhes, o Go­ver­no da pro­vín­cia desdobra-se em con­tac­tos com o Mi­nis­té­rio de Ener­gia e Águas pa­ra ga­ran­tir o abas­te­ci­men­to de ener­gia e água à cen­tra­li­da­de, já do­ta­da de equi­pa­men­tos ne­ces­sá­ri­os pa­ra o efei­to.

Aliás, é voz corrente que um even­tu­al atra­so na aber­tu­ra ao pú­bli­co da no­va ur­ba­ni­za­ção só po­de ser as­so­ci­a­da à de­mo­ra na ins­ta­la­ção des­tes ser­vi­ços, que, de acor­do com cro­no­gra­ma do pro­jec­to, já de­vi­am lá es­tar.

Ao que apu­rou, o atra­so na ins­ta­la­ção de ener­gia e água jun­ta-se a outros cons­tran­gi­men­tos que con­cor­re­ram pa­ra o alar­ga­men­to do pra­zo ini­ci­al­men­te pre­vis­to pa­ra a cons­tru­ção da cen­tra­li­da­de da Qui­lem­ba, de dois pa­ra pou­co mais de qua­tro anos.

Co­mo não po­dia dei­xar de ser, a cri­se fi­nan­cei­ra que se se­gui ao ar­ran­que do pro­jec­to in­ter­fe­riu no rit­mo dos tra­ba­lhos, ao la­do de outros fac­to­res co­mo a re­sis­tên­cia de al­guns ci­da­dãos em abrir mão dos ter­re­nos que cul­ti­va­vam ou ha­bi­ta­vam no pe­rí­me­tro de­li­ne­a­do pa­ra a no­va ur­ba­ni­za­ção.

À vés­pe­ra do ar­ran­que do pro­jec­to, as au­to­ri­da­des gi­za­ram um pro­gra­ma de re­a­lo­ja­men­to das fa­mí­li­as que ha­bi­ta­vam den­tro do tra­ça­do do que vi­ria a ser a no­va ur­ba­ni­za­ção. Nes­sa al­tu­ra, fo­ram con­ta­bi­li­za­dos 413 agre­ga­dos pa­ra os quais foi cri­a­da uma zo­na re­si­den­ci­al, nos ar­re­do­res da no­va ci­da­de, com igual nú­me­ro de ca­sas. Mas há quem de­ti­nha par­ce­las agrí­co­las – e não são pou­cas pes­so­as – que se re­cu­sa­ram a ce­der.

Em con­sequên­cia dis­so, a no­va ur­ba­ni­za­ção, ini­ci­al­men­te pre­vis­ta pa­ra aco­lher 66.000 ha­bi­tan­tes num to­tal de 11.000 re­si­dên­ci­as, fi­cou re­du­zi­da a 8.000 mo­ra­di­as, com ca­pa­ci­da­de pa­ra 48.000 pes­so­as.

De­sen­vol­vi­do em re­gi­me con­cep­ção-cons­tru­ção, o pro­jec­to con­tem­pla in­fra-es­tru­tu­ras in­ter­nas co­mo re­des viá­ria, eléc­tri­ca, ilu­mi­na­ção pú­bi­ca, água, es­go­tos, e dre­na­gens de águas plu­vi­ais, pa­ra além de di­ver­sos equi­pa­men­tos so­ci­ais, que “so­bre­vi­ve­ram” ao re­di­men­si­o­na­men­to da ma­que­ta. Por aí se vê que, no es­sen­ci­al, a no­va ur­ba­ni­za­ção pre­ser­va os tra­ços ur­ba­nís­ti­cos ori­gi­nais.

En­tre a po­pu­la­ção é no­tó­ria a cu­ri­o­si­da­de em co­nhe­cer a no­va ur­ba­ni­za­ção, que, co­mo é da pra­xe em obras do gé­ne­ro, es­tá res­guar­da­da da cu­ri­o­si­da­de pú­bli­ca por ve­da­ções, que não per­mi­tem se­não en­tre­ver um ou ou­tro de­ta­lhe da obra. As ima­gens mais por­me­no­ri­za­das que lhe che­gam pela te­le­vi­são só agu­çam ain­da mais o in­te­res­se.

Um pres­ti­gi­a­do jor­na­lis­ta re­si­den­te na ci­da­de do Lubango, fa­la de “nos­so Ki­lam­ba”, pa­ra se re­fe­rir à ur­ba­ni­za­ção da Qui­le­ma, nu­ma clara ana­lo­gia com a cen­tra­li­da­de mais em­ble­má­ti­ca ho­je da pro­vín­cia de Lu­an­da.

A Qui­le­ma é o mai­or pro­jec­to imo­bi­liá­rio da pro­vín­cia da Huí­la, de­pois da in­de­pen­dên­cia do país em 1975, mas não é primeira gran­de obra de

No­va ur­ba­ni­za­ção alar­ga ho­ri­zon­tes pa­ra a re­a­li­za­ção do sonho de ca­sa pró­pria

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.