Va­mos su­pe­rar a cri­se

Eco­no­mia foi um dos te­mas do­mi­nan­tes na men­sa­gem so­bre o Es­ta­do da Na­ção

Jornal de Angola - - PARTADA - KUMUÊNHO DA RO­SA e ADELINA INÁ­CIO |

O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, anun­ci­ou on­tem que a pro­pos­ta de Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do pa­ra 2017, que es­tá em fa­se fi­nal de pre­pa­ra­ção, pre­vê “me­di­das con­cre­tas” pa­ra ven­cer a cri­se eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra a curto pra­zo.

Ao dis­cur­sar na ses­são so­le­ne de aber­tu­ra do 5º Ano Par­la­men­tar da III Le­gis­la­tu­ra da As­sem­bleia Na­ci­o­nal, por si­nal, o úl­ti­mo do man­da­to que ter­mi­na em 2017, o Pre­si­den­te de­fen­deu que ape­sar do agra­va­men­to da si­tu­a­ção eco­nó­mi­ca do país, pro­vo­ca­do pe­la que­da do pre­ço do pe­tró­leo, a “eco­no­mia não es­tag­nou, ape­nas per­deu a pu­jan­ça com que se vi­nha de­sen­vol­ven­do”.

O Che­fe de Es­ta­do fez um ape­lo à união, à to­le­rân­cia, o res­pei­to pe­la di­fe­ren­ça e pe­los va­lo­res em que as­sen­ta a de­mo­cra­cia, pa­ra que a paz se­ja a prin­ci­pal for­ça iden­ti­tá­ria en­tre os an­go­la­nos de to­das as ori­gens, con­vic­ções po­lí­ti­cas ou cren­ças re­li­gi­o­sas. E ma­ni­fes­tou, en­tre­tan­to, gran­de op­ti­mis­mo em re­la­ção às me­di­das de exe­cu­ção pa­ra re­du­zir o im­pac­to da for­te que­da das re­cei­tas do Es­ta­do.

“Te­mos de con­ti­nu­ar a con­fi­ar nas nos­sas for­ças e a tra­ba­lhar jun­tos pa­ra ven­cer a cri­se eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra”, ape­lou o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, su­bli­nhan­do que An­go­la es­tá a sa­ber “re­a­gir me­lhor que ou­tros paí­ses”. Num dis­cur­so vá­ri­as ve­zes interrompido por aplau­sos, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos re­a­fir­mou o fim da “pe­tro­de­pen­dên­cia”, co­mo a ideia cen­tral da es­tra­té­gia adop­ta­da pe­lo Exe­cu­ti­vo em 2015 pa­ra a saí­da da cri­se.

Com pre­juí­zos nas re­cei­tas fis­cais cal­cu­la­dos em cer­ca de seis mil mi­lhões de dó­la­res, a além da subs­ti­tui­ção do pe­tró­leo co­mo prin­ci­pal fon­te de re­cei­ta, a es­tra­té­gia do Exe­cu­ti­vo pers­pec­ti­va a pro­mo­ção das ex­por­ta­ções a curto pra­zo, a pro­gra­ma­ção do pa­ga­men­to da dí­vi­da pú­bli­ca e num ci­clo de es­ta­bi­li­da­de sem de­pen­dên­cia do pe­tró­leo.

Mas a di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia não é pro­pri­a­men­te um te­ma no­vo na agen­da do Go­ver­no, dis­se o Pre­si­den­te. “Mui­tos ques­ti­o­nam por que ra­zão não co­me­çá­mos es­te pro­ces­so mui­to an­tes, mas na ver­da­de ele co­me­çou há mui­to tempo, só que não ha­via con­di­ções ob­jec­ti­vas no país pa­ra avan­çar­mos mais de­pres­sa”.

Co­me­çar do ze­ro

Num dos mo­men­tos mais aplau­di­dos do dis­cur­so, o Pre­si­den­te lem­brou aos de­pu­ta­dos por que de­pois da guer­ra o ca­mi­nho do pro­gres­so te­ve que par­tir do ze­ro. E re­cor­dou aos de­pu­ta­dos que quan­do ter­mi­nou a guer­ra em 2002, An­go­la e o Cam­bod­ja eram os paí­ses do mun­do que ti­nham mais mi­nas an­ti-pes­so­al e an­ti-tan­que. “Fa­lou-se na al­tu­ra em cer­ca de dois mi­lhões de mi­nas im­plan­ta­das. Es­ta­vam mi­na­dos os aces­sos aos cam­pos agrí­co­las, as três prin­ci­pais li­nhas de ca­mi­nho­de-ferro e res­pec­ti­vas pon­tes, as zo­nas ad­ja­cen­tes às tor­res de trans­por­te de ener­gia eléc­tri­ca e às cen­trais e con­du­tas de água.”

Mes­mo em Lu­an­da, pros­se­guiu, foi ne­ces­sá­rio cons­truir-se uma pro­tec­ção ao lon­go de to­da a con­du­ta de água po­tá­vel, pa­tru­lha­da dia e noi­te. O Pre­si­den­te re­cor­dou ain­da que fa­ce à si­tu­a­ção que se vi­via na al­tu­ra, te­ve que ser er­gui­da uma ve­da­ção no tra­ça­do da ac­tu­al Via Ex­pres­so, que ain­da não exis­tia, pa­ra pro­te­ger a ci­da­de de ope­ra­ções de mi­na­gem e ata­ques bom­bis­tas. “Não era as­sim sur­pre­sa que Lu­an­da con­ti­nu­as­se ilu­mi­na­da, ape­sar das cen­te­nas de pos­tes der­ru­ba­dos, pois ti­nha si­do pos­sí­vel im­plan­tar gru­pos ge­ra­do­res em to­dos os mu­ni­cí­pi­os.”

Fim da pe­tro­de­pen­dên­cia

O Exe­cu­ti­vo es­pe­ra aca­bar com a “pe­tro­de­pen­dên­cia” atra­vés da ex­pan­são con­tro­la­da do dé­fi­ce e do en­di­vi­da­men­to pa­ra o re­lan­ça­men­to da eco­no­mia, mai­or trans­pa­rên­cia da ges­tão da coi­sa pú­bli­ca, efi­ci­ên­cia e efi­cá­cia dos in­ves­ti­men­tos e pro­mo­ção do investimento pri­va­do.

Co­mo apon­ta­vam as ex­pec­ta­ti­vas à vol­ta do dis­cur­so so­bre o Es­ta­do da Na­ção que é um dos mo­men­tos mais em­ble­má­ti­cos da de­mo­cra­cia em An­go­la, a si­tu­a­ção eco­nó­mi­ca mar­cou gran­de par­te do dis­cur­so do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos lem­brou que em 2014, após cres­cer a uma “ta­xa mé­dia anu­al con­si­de­rá­vel”, em 2015 a evo­lu­ção foi “for­te­men­te li­mi­ta­da pe­la que­da brus­ca do pre­ço do pe­tró­leo”.

Du­re­za dos nú­me­ros

Com nú­me­ros, o Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos de­mons­trou co­mo a que­da do pre­ço do pe­tró­leo afec­tou a eco­no­mia an­go­la­na, com ên­fa­se pa­ra o sec­tor não pe­tro­lí­fe­ro que pas­sou de 8,2 por cen­to em 2014, pa­ra 1,3 por cen­to em 2015, sen­do que a pre­vi­são pa­ra o cor­ren­te ano é de 1,2 por cen­to. Ape­sar de re­gis­ta­rem ta­xas de cres­ci­men­to po­si­ti­vas, a agri­cul­tu­ra, pes­cas, cons­tru­ção e ser­vi­ços mer­can­tis fo­ram os sec­to­res que mais se res­sen­ti­ram, se­gun­do o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, que apon­tou o en­di­vi­da­men­to do Es­ta­do, den­tro dos li­mi­tes, co­mo o úni­co ca­mi­nho pa­ra que o país pos­sa con­ti­nu­ar a fa­zer in­ves­ti­men­tos.

O Pre­si­den­te fa­lou ain­da dos im­pac­tos ine­vi­tá­veis no pla­no mo­ne­tá­rio, em que, pa­ra ga­ran­tir os pres­su­pos­tos bá­si­cos ne­ces­sá­ri­os ao de­sen­vol­vi­men­to, foi pre­ci­so adop­tar uma política de es­ta­bi­li­da­de e re­gu­la­ção ma­cro­e­co­nó­mi­ca que acen­tu­ou a pro­gra­ma­ção fi­nan­cei­ra. E do pon­to de vis­ta cam­bi­al, re­fe­riu­se à “ins­ta­bi­li­da­de e in­cer­te­za nos mer­ca­dos” des­de o se­gun­do se­mes­tre de 2014, com re­fle­xos na ta­xa de in­fla­ção acu­mu­la­da anu­al, que vol­tou a es­tar em dois dí­gi­tos quan­do du­ran­te lon­go pe­río­do es­te­ve a ape­nas um só dí­gi­to.

Com­ba­te à es­pe­cu­la­ção

En­tre as me­di­das pa­ra a saí­da da cri­se, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca des­ta­cou a apos­ta nu­ma mai­or co­or­de­na­ção da política fis­cal, mo­ne­tá­ria, cam­bi­al e de ren­di­men­to, e tam­bém de pre­ços, que re­sul­tou na re­gres­são que se ve­ri­fi­ca des­de as úl­ti­mas se­ma­nas no mercado in­for­mal dos va­lo­res es­pe­cu­la­ti­vos prin­ci­pal­men­te do dó­lar e do eu­ro.

Se­gun­do o Pre­si­den­te, es­sa me­di­da per­mi­tiu ga­ran­tir uma ofer­ta de di­vi­sas no mercado cam­bi­al pri­má­rio, que sus­ten­tou, por um la­do, a exe­cu­ção do Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do e, por ou­tro, o aten­di­men­to da pro­cu­ra de mo­e­da es­tran­gei­ra em ar­ti­cu­la­ção com uma ade­qua­da ofer­ta de mei­os de pa­ga­men­to em mo­e­da na­ci­o­nal.

De­fen­der a so­be­ra­nia

No seu dis­cur­so, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca de­fen­deu uma aten­ção per­ma­nen­te e cui­da­da dos or­ça­men­tos das For­ças Ar­ma­das e de Se­gu­ran­ça Na­ci­o­nal, co­mo im­pe­ra­ti­vo pa­ra a con­tí­nua de­fe­sa do ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal, a ga­ran­tia da paz e es­ta­bi­li­da­de e a pre­ser­va­ção das fron­tei­ras, de­vi­do às “ame­a­ças la­ten­tes” cons­ti­tuí­das pe­las cri­ses e con­fli­tos da Áfri­ca Cen­tral e da Re­gião dos Gran­des La­gos e pe­la pi­ra­ta­ria ma­rí­ti­ma no Gol­fo da Gui­né.

O Pre­si­den­te aler­tou tam­bém pa­ra a ex­pan­são do fun­da­men­ta­lis­mo re­li­gi­o­so, do ter­ro­ris­mo trans­na­ci­o­nal, do trá­fi­co de ar­mas, dro­gas e se­res hu­ma­nos e dos cri­mes ci­ber­né­ti­cos, que con­si­de­rou “no­vos pa­ra­dig­mas de cri­me or­ga­ni­za­do”, pe­lo que se im­põe que as For­ças Ar­ma­das e de Se­gu­ran­ça Na­ci­o­nal se­jam “ca­pa­zes, bem equi­pa­das e bem trei­na­das”.

OGE é pri­o­ri­da­de

O Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do pa­ra 2017 de­ve ser o pró­xi­mo gran­de de­sa­fio do Par­la­men­to an­go­la­no, dis­se on­tem o Pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal. No dis­cur­so a abrir a ses­são so­le­ne da 5ª ses­são le­gis­la­ti­va da III Le­gis­la­tu­ra, Fer­nan­do da Pi­e­da­de Di­as dos San­tos su­bli­nhou que o pró­xi­mo OGE de­ve­rá con­tem­plar o or­ça­men­to pa­ra a re­a­li­za­ção das pró­xi­mas Elei­ções Ge­rais, que se in­se­rem no pro­ces­so de apro­fun­da­men­to da de­mo­cra­cia e re­for­ço das li­ber­da­des fun­da­men­tais.

Se­gun­do o lí­der par­la­men­tar, a apro­va­ção de al­guns di­plo­mas cons­tan­tes no Pla­no de Ta­re­fas pa­ra a Re­a­li­za­ção das Elei­ções Ge­rais e Au­tár­qui­cas con­tri­buiu, de for­ma po­si­ti­va, pa­ra a nor­ma­li­za­ção do pro­ces­so elei­to­ral. Fer­nan­do da Pi­e­da­de Di­as dos San­tos ga­ran­tiu que a As­sem­bleia Na­ci­o­nal va­lo­ri­za os prin­cí­pi­os da co­o­pe­ra­ção e da in­ter­de­pen­dên­cia dos ór­gãos de so­be­ra­nia, ci­en­te da im­por­tân­cia e do pa­pel de ca­da um no sis­te­ma po­lí­ti­co, e su­bli­nhou que a pre­sen­ça do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca na As­sem­bleia Na­ci­o­nal for­ta­le­ce a de­mo­cra­cia e con­so­li­da o re­co­nhe­ci­men­to de um “es­ta­dis­ta em­pe­nha­do na obra da paz, pro­gres­so e bem-es­tar dos ci­da­dãos”.

Na­da de no­vo

O pre­si­den­te da UNITA, Isaías Sa­ma­ku­va, dis­se que o dis­cur­so do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca não trou­xe na­da de no­vo. “Quan­to àqui­lo que tem si­do a apli­ca­ção do pro­gra­ma do Go­ver­no, to­da a gen­te sa­be que a si­tu­a­ção, ao in­vés de me­lho­rar, es­tá a pi­o­rar”, afir­mou.

Na opinião do lí­der do mai­or par­ti­do na opo­si­ção, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca de­via apre­sen­tar aqui­lo que con­si­de­rou ser as li­nhas que dão es­pe­ran­ça ao ci­da­dão. “O que ou­vi no dis­cur­so foi a re­pe­ti­ção de to­dos os dis­cur­sos que tem fei­to”, dis­se.

Men­sa­gem de con­fi­an­ça

O bis­po da Igre­ja de Nos­so Se­nhor Je­sus Cris­to no Mun­do elo­gi­ou o dis­cur­so do Titular do Po­der Exe­cu­ti­vo e pe­diu con­fi­an­ça nas ac­ções do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. Afon­so Nu­nes mos­trou-se con­fi­an­te no fim da cri­se eco­nó­mi­ca que o país vi­ve ac­tu­al­men­te. “Não se po­de es­pe­rar por so­lu­ções má­gi­cas ou pro­fé­ti­cas, mas hou­ve uma men­sa­gem que tra­ça as li­nhas pa­ra se tra­ba­lhar e po­der atin­gir o que es­tá de­fi­ni­do co­mo me­ta a al­can­çar”, dis­se o bis­po.

FRAN­CIS­CO BER­NAR­DO

Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos pro­me­teu à Na­ção aper­tar o cer­co à cri­mi­na­li­da­de eco­nó­mi­ca re­la­ci­o­na­da com o bran­que­a­men­to de ca­pi­tais e fi­nan­ci­a­men­to do ter­ro­ris­mo

FRAN­CIS­CO BER­NAR­DO

Mo­men­to so­le­ne do dis­cur­so do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos du­ran­te a ses­são de aber­tu­ra do no­vo Ano Par­la­men­tar da As­sem­bleia Na­ci­o­nal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.