Bu­run­di sai do TPI em de­ci­são iné­di­ta

De­pu­ta­dos bu­run­de­ses apro­vam com mai­o­ria es­ma­ga­do­ra des­vin­cu­la­ção do Es­ta­tu­to de Ro­ma

Jornal de Angola - - PARTADA - ELEAZAR VAN-DÚNEM |

Ao apro­var, por mai­o­ria qua­li­fi­ca­da, uma pro­pos­ta pa­ra re­ti­rar o Bu­run­di da al­ça­da do Tri­bu­nal Pe­nal In­ter­na­ci­o­nal (TPI), o Par­la­men­to bu­run­dês to­mou uma de­ci­são iné­di­ta, que per­mi­te ao país tor­nar-se no pri­mei­ro a re­cu­sar a ju­ris­di­ção do tri­bu­nal cri­a­do pe­lo Es­ta­tu­to de Ro­ma, em 1998, pa­ra jul­gar cri­mes de guer­ra e con­tra a hu­ma­ni­da­de e abre um pre­ce­den­te pa­ra ou­tros paí­ses afri­ca­nos fa­ze­rem o mes­mo.

Com a de­ci­são, o Bu­run­di pa­re­ce dar um “mur­ro na me­sa” con­tra a política de dois pe­sos e du­as me­di­das pro­mo­vi­da pe­lo Tri­bu­nal Pe­nal In­ter­na­ci­o­nal, que, em si­tu­a­ções idên­ti­cas ocor­ri­das em paí­ses de Áfri­ca e pro­mo­vi­das por paí­ses do Oci­den­te, to­ma de­ci­sões di­fe­ren­tes, pre­ju­di­can­do os pri­mei­ros e be­ne­fi­ci­an­do os se­gun­dos.

Des­de o iní­cio dos seus tra­ba­lhos, em 2002, o TPI acusou for­mal­men­te de­ze­nas de pes­so­as por cri­mes co­me­ti­dos em oi­to paí­ses afri­ca­nos Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go (RDC), Re­pú­bli­ca Cen­tro Afri­ca­na (RCA), Ugan­da, Su­dão (pro­vín­cia de Dar­fur), Qué­nia, Lí­bia, Cos­ta do Mar­fim e Ma­li. Os inqué­ri­tos aber­tos na RDC, RCA e no Ugan­da fo­ram a pe­di­do dos pró­pri­os Es­ta­dos, sig­na­tá­ri­os do Es­ta­tu­to de Ro­ma, mas os de Dar­fur e da Lí­bia, não sig­na­tá­ri­os do Es­ta­tu­to, fo­ram aber­tos a pe­di­do do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça da ONU. Os pro­ces­sos so­bre o Qué­nia e a Cos­ta do Mar­fim fo­ram aber­tos pe­la pro­cu­ra­do­ria do TPI. Tem ha­vi­do vi­o­la­ções con­tra os di­rei­tos hu­ma­nos em paí­ses afri­ca­nos sig­na­tá­ri­os e não sig­na­tá­ri­os do Es­ta­tu­to de Ro­ma des­de a cri­a­ção do TPI, em Haia, Ho­lan­da, mas tam­bém em ter­ri­tó­ri­os não afri­ca­nos, co­mo Sí­ria, Ira­que, Pa­les­ti­na e Afe­ga­nis­tão, só pa­ra ci­tar al­guns, com o de­no­mi­na­dor co­mum de se­rem pro­mo­vi­dos por po­tên­ci­as oci­den­tais.

Lí­de­res de paí­ses afri­ca­nos não sig­na­tá­ri­os do Es­ta­tu­to de Ro­ma, co­mo Mu­am­mar Kadha­fi, da Lí­bia, e Omar al Bashir, do Su­dão, fo­ram jul­ga­dos por cri­mes con­tra a hu­ma­ni­da­de pe­lo TPI, que não con­se­guiu jul­gar lí­de­res de paí­ses oci­den­tais nas mes­mas cir­cuns­tân­ci­as, co­mo Ge­or­ge W. Bush, an­ti­go pre­si­den­te dos EUA, ou To­ni Blair, ex-pri­mei­ro-mi­nis­tro do Rei­no Uni­do, que for­ja­ram ar­gu­men­tos pa­ra in­va­dir o Ira­que e uma guer­ra sem aval da ONU que pro­vo­cou mi­lhões de mor­tes e afun­dou a an­ti­ga Ba­bi­ló­nia.

O fac­to de a Lí­bia e o Su­dão não se­rem mem­bros do Es­ta­tu­to de Ro­ma não con­fe­riu im­pu­ni­da­de aos seus lí­de­res, mas con­fe­riu aos dos EUA e do Rei­no Uni­do, o que de­mons­tra uma cla­ra política de dois pe­sos e du­as me­di­das no Tri­bu­nal In­ter­na­ci­o­nal de Haia.

Par­la­men­to do Bu­run­di

Na se­ma­na pas­sa­da, o Par­la­men­to do Bu­run­di apro­vou por es­ma­ga­do­ra mai­o­ria - 94 vo­tos a fa­vor, 14 abs­ten­ções e dois con­tra - uma pro­pos­ta pa­ra re­ti­rar o país da al­ça­da do TPI, após a aber­tu­ra de uma in­ves­ti­ga­ção por ale­ga­das vi­o­la­ções dos di­rei­tos hu­ma­nos, co­mo de­sa­pa­re­ci­men­tos for­ça­dos, de­ten­ções ar­bi­trá­ri­as, tor­tu­ra e mor­te de ac­ti­vis­tas e de opo­si­to­res do Go­ver­no. Apro­va­da a pro­pos­ta, que des­cre­ve o TPI co­mo “um ins­tru­men­to po­lí­ti­co uti­li­za­do pe­las po­tên­ci­as oci­den­tais pa­ra afas­tar do po­der os lí­de­res afri­ca­nos de quem não gos­tam”, a de­ci­são se­gue pa­ra apro­va­ção pe­lo Se­na­do e de­pois pa­ra pro­mul­ga­ção pe­lo Pre­si­den­te Pi­er­re Nku­run­zi­za, que já fez sa­ber que as­si­na a lei. Uma even­tu­al saí­da do Bu­run­di do TPI, num pro­ces­so iné­di­to e que po­de de­mo­rar um ano, não põe fim às in­ves­ti­ga­ções em cur­so. Em Abril, a pro­cu­ra­do­ra do Tri­bu­nal Pe­nal In­ter­na­ci­o­nal, Fa­tou Ben­sou­da, con­fir­mou que es­ta­va a “exa­mi­nar” a si­tu­a­ção no Bu­run­di num inqué­ri­to que po­de evo­luir pa­ra a de­du­ção de acu­sa­ções.

Per­se­gui­ção aos afri­ca­nos

A crí­ti­ca de que o TPI age co­mo “ins­tru­men­to uti­li­za­do por po­tên­ci­as oci­den­tais pa­ra afas­tar os lí­de­res afri­ca­nos de quem não gos­tam” é re­cor­ren­te no con­ti­nen­te, mas até ago­ra, ape­sar de vá­ri­as ame­a­ças, ne­nhum país as ha­via cum­pri­do.

O Qué­nia e a Áfri­ca do Sul ame­a­ça­ram aban­do­nar o Tri­bu­nal Pe­nal In­ter­na­ci­o­nal an­tes do Bu­run­di.

No ano pas­sa­do, o en­tão pre­si­den­te da União Afri­ca­na, Ro­bert Mu­ga­be, anun­ci­ou em Adis Abe­ba, nu­ma Ci­mei­ra da or­ga­ni­za­ção, que o con­ti­nen­te po­dia des­vin­cu­lar-se do TPI.

Na mes­ma ci­mei­ra, os lí­de­res afri­ca­nos exi­gi­ram ao TPI pa­ra “dei­xar de per­se­guir as li­de­ran­ças afri­ca­nas” e “can­ce­lar ou sus­pen­der” pro­ces­sos de al­tos di­ri­gen­tes do con­ti­nen­te.

Em 2013, o lí­der em exer­cí­cio da UA e pri­mei­ro-mi­nis­tro etío­pe acusou o TPI de pro­mo­ver “uma per­se­gui­ção ra­ci­al” ao “acu­sar ape­nas di­ri­gen­tes afri­ca­nos.” O ob­jec­ti­vo do TPI, evi­tar to­do o ti­po de im­pu­ni­da­de, “de­ge­ne­rou nu­ma per­se­gui­ção ra­ci­al”, con­cluiu Hai­le­ma­ri­am De­sa­legn, de­nun­ci­an­do que “99 por cen­to dos acu­sa­dos pe­lo TPI são afri­ca­nos, o que mos­tra que há al­gum de­se­qui­lí­brio no sis­te­ma do TPI.”

AFP

Par­la­men­to do Bu­run­di de­nun­ci­ou a política de “dois pe­sos e du­as me­di­das” do tri­bu­nal de Haia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.