Ven­cer as ad­ver­si­da­des

Jornal de Angola - - OPINIÃO - JO­SÉ CAR­DO­SO CAR­LOS GUILHERME

O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, fa­lou on­tem so­bre o es­ta­do da Na­ção no Par­la­men­to, por oca­sião da aber­tu­ra do no­vo ano le­gis­la­ti­vo. A sua men­sa­gem so­bre o es­ta­do da Na­ção, mui­to aguar­da­da pe­los ci­da­dãos, abor­dou di­ver­sos as­sun­tos, en­tre os quais a di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia. A di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia é, sem dú­vi­da, uma das questões que es­tão no cen­tro das pre­o­cu­pa­ções das au­to­ri­da­des, pe­lo que não foi de ad­mi­rar o fac­to de o as­sun­to ter si­do abor­da­do pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, que é, nos ter­mos da Cons­ti­tui­ção, titular do Po­der Exe­cu­ti­vo, com com­pe­tên­cia pa­ra “di­ri­gir a política ge­ral de go­ver­na­ção do país e da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca”.

A aber­tu­ra do ano par­la­men­tar sus­ci­ta ge­ral­men­te a aten­ção dos ci­da­dãos, por­que ela é mar­ca­da pe­la men­sa­gem do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca so­bre o es­ta­do da nos­sa vi­da na­ci­o­nal e so­bre as po­lí­ti­cas pre­co­ni­za­das pa­ra a pro­mo­ção do bem-es­tar dos an­go­la­nos e pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do país.

As abor­da­gens so­bre o es­ta­do da Na­ção que são fei­tas pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca na aber­tu­ra de anos le­gis­la­ti­vos têm si­do trans­ver­sais, e is­so faz com que os ci­da­dãos an­go­la­nos, que têm o há­bi­to de acom­pa­nhar o que se pas­sa no país, te­nham in­te­res­se em sa­ber co­mo an­da o país em vá­ri­os do­mí­ni­os .

Vi­ve­mos um pe­río­do de cri­se eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra, pe­lo que era ine­vi­tá­vel que o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca de­di­cas­se par­tes do seu dis­cur­so a uma ques­tão que po­de mu­dar a vi­da de mi­lhões de an­go­la­nos. A cri­se eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra pro­vo­ca­da pe­la que­da do pre­ço do pe­tró­leo obri­gou as au­to­ri­da­des a tra­çar es­tra­té­gi­as pa­ra su­pe­rar os ac­tu­ais pro­ble­mas eco­nó­mi­cos e fi­nan­cei­ros, com me­di­das que pas­sam por in­ves­ti­men­tos pú­bli­cos des­ti­na­dos a in­cen­ti­var uma pro­du­ção di­ver­si­fi­ca­da, pa­ra que ha­ja no­vas fon­tes de re­cei­ta, a fim de se aca­bar com a ex­ces­si­va de­pen­dên­cia do pe­tró­leo. A di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia é uma ques­tão que as nos­sas au­to­ri­da­des le­vam mui­to a sé­rio, até por­que ela é um meio pa­ra se com­ba­ter a po­bre­za, um ou­tro as­sun­to abor­da­do pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca na sua men­sa­gem so­bre o es­ta­do da Na­ção.

O Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos dis­se que “o ob­jec­ti­vo a que o país as­pi­ra é o de per­ten­cer até 2025 ao Gru­po dos Paí­ses de De­sen­vol­vi­men­to Hu­ma­no Ele­va­do. Por es­sa ra­zão, o com­ba­te à po­bre­za é, de fac­to, uma pri­o­ri­da­de do Go­ver­no, e tem si­do po­si­ti­vo o rit­mo da sua re­du­ção. Mas é im­por­tan­te que ha­ja um re­for­ço e alar­ga­men­to das me­di­das que, di­rec­ta ou in­di­rec­ta­men­te, po­dem con­tri­buir ain­da pa­ra a sua mai­or re­du­ção”.

A di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia po­de de fac­to ge­rar con­di­ções pa­ra que em to­do o país mui­tas fa­mí­li­as te­nham ren­di­men­tos pa­ra po­de­rem ter uma vi­da dig­na. O Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos es­tá em­pe­nha­do em tra­ba­lhar in­ten­sa­men­te pa­ra a me­lho­ria das con­di­ções de vi­da das po­pu­la­ções e tem cons­ci­ên­cia da si­tu­a­ção di­fí­cil em que vi­vem mui­tos dos seus com­pa­tri­o­tas, tu­do fa­zen­do pa­ra que as me­di­das que são to­ma­das pe­lo Go­ver­no se­jam re­al­men­te im­ple­men­ta­das. Cons­ti­tui exem­plo dis­so o fac­to de, se­gun­do pa­la­vras do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, o Go­ver­no ter adop­ta­do um Pro­gra­ma de For­ma­ção e Re­dis­tri­bui­ção do Ren­di­men­to, a fim de cri­ar con­di­ções que pos­si­bi­li­tem uma mai­or in­clu­são so­ci­al. Pen­sa as­sim uti­li­zar de for­ma ar­ti­cu­la­da e con­ver­gen­te os prin­ci­pais ins­tru­men­tos de política de re­dis­tri­bui­ção do ren­di­men­to, tais co­mo a Política Tri­bu­tá­ria e a Des­pe­sa Pú­bli­ca, em sec­to­res so­ci­ais e se­gu­ran­ça so­ci­al, vi­san­do uma re­par­ti­ção mais jus­ta da ri­que­za e do ren­di­men­to e um ní­vel de bem-es­tar mais ele­va­do.

A po­bre­za no nos­so país é su­pe­rá­vel. A cri­se que atra­ves­sa­mos de­ve cons­ti­tuir pa­ra nós uma opor­tu­ni­da­de pa­ra tra­çar­mos os me­lho­res ca­mi­nhos que nos le­vem a ru­mar pa­ra um cres­ci­men­to eco­nó­mi­co sus­ten­tá­vel. Os an­go­la­nos po­dem re­sol­ver em pou­cos anos mui­tos dos seus pro­ble­mas. O im­por­tan­te é que ha­ja em­pe­nho efec­ti­vo pa­ra se ul­tra­pas­sar os ac­tu­ais pro­ble­mas e pa­ra não se vol­tar a co­me­ter os er­ros do pas­sa­do.

O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca ape­lou aos an­go­la­nos pa­ra se­rem op­ti­mis­tas, pe­ran­te as ac­tu­ais di­fi­cul­da­des, ten­do afir­ma­do na sua men­sa­gem so­bre o es­ta­do da Na­ção que “es­ta­mos ha­bi­tu­a­dos a lu­tar con­tra as ad­ver­si­da­des e a ul­tra­pas­sar obs­tá­cu­los. Te­mos de con­ti­nu­ar a con­fi­ar nas nos­sas for­ças e a tra­ba­lhar jun­tos pa­ra ven­cer a cri­se eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra, no curto pra­zo”.

Cri­mes ci­ber­né­ti­cos

Nu­ma al­tu­ra em que o mun­do ten­de pa­ra a in­for­ma­ti­za­ção da vi­da, a In­ter­net tem con­si­go mui­tas van­ta­gens e mui­tas des­van­ta­gens. O uso de­la pa­ra co­me­ti­men­to de cri­mes cres­ce as­sus­ta­do­ra­men­te, ra­zão pe­la qual os Es­ta­dos e as ins­ti­tui­ções de­vem apri­mo­rar os me­ca­nis­mos de de­fe­sa e con­tro­lo.

Os cri­mes ci­ber­né­ti­cos cons­ti­tu­em, ho­je, uma pre­o­cu­pa­ção na me­di­da em que aten­ta con­tra a se­gu­ran­ça dos Es­ta­dos. Há di­as, o pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca de An­go­la, João Ma­ria de Sousa, de­fen­deu o re­for­ço dos me­ca­nis­mos de com­ba­te aos cri­mes ci­ber­né­ti­cos.

De acor­do com o PGR, “os cri­mes ci­ber­né­ti­cos cons­ti­tu­em uma pre­o­cu­pa­ção de to­do o con­ti­nen­te afri­ca­no, em par­ti­cu­lar, mas que tam­bém são uma pre­o­cu­pa­ção de to­do o mun­do”. Es­tá na ho­ra dos paí­ses se jun­ta­rem pa­ra con­gre­ga­rem mei­os pa­ra com­ba­ter os cri­mes ci­ber­né­ti­cos por­que es­tes cri­mes en­vol­vem qua­se sem­pre vá­ri­os paí­ses, vá­ri­os mei­os e pes­so­as. Jul­go que as pró­pri­as re­des de cri­me or­ga­ni­za­do per­ce­be­ram que uma das for­mas de se pro­te­ge­rem pas­sa pe­la sua dis­se­mi­na­ção ou des­do­bra­men­to um pou­co por to­do o la­do.

As­sim, quan­to mai­or for a união en­tre os vá­ri­os Es­ta­dos com a ce­le­bra­ção de acor­dos que pre­vi­nam o la­do trans­na­ci­o­nal do mo­vi­men­to des­tes cri­mi­no­sos, me­lhor pa­ra co­arc­tar prá­ti­cas de cri­mes ci­ber­né­ti­cos.

Nes­ta fa­se, é fun­da­men­tal a tro­ca de ex­pe­ri­ên­ci­as com ou­tros paí­ses pa­ra que se­ja­mos ca­pa­zes de fa­zer fren­te aos desafios pro­vo­ca­dos pe­los cri­mes ci­ber­né­ti­cos.

Can­di­da­tu­ras na FAF

Em­bo­ra não ha­ja ain­da uma da­ta pa­ra as elei­ções na Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Fu­te­bol (FAF), não há dú­vi­das de que os cor­re­do­res da­que­la ins­ti­tui­ção já as­sis­tem a um vai e vem de pes­so­as. A cor­ri­da pa­ra o su­ces­sor do ge­ne­ral Pe­dro Ne­to pa­re­ce ter co­me­ça­do com mui­ta for­ça, nu­ma al­tu­ra em que al­gu­mas per­so­na­li­da­des li­ga­das ao mun­do do fu­te­bol em An­go­la já ma­ni­fes­ta­ram a in­ten­ção de con­cor­rer pa­ra o car­go de pre­si­den­te da FAF.

E ain­da bem que as pes­so­as que até ago­ra de­mons­tra­ram pu­bli­ca­men­te es­ta in­ten­ção se­jam per­so­na­li­da­des com pro­vas já da­das no nos­so fu­te­bol, no âm­bi­to do di­ri­gis­mo des­por­ti­vo.

Não pre­ten­do ob­vi­a­men­te ci­tar no­mes por­que, além de ser ce­do pa­ra o efei­to, mui­tos ou­tros no­mes e even­tu­al­men­te com his­to­ri­al e tra­jec­tó­ria re­co­men­dá­vel po­de­rão “dar a ca­ra” nes­ta im­por­tan­te cor­ri­da. Em to­do o ca­so, va­le enal­te­cer aque­las fi­gu­ras que pre­ten­dem de­di­car-se ao nos­so fu­te­bol que, co­mo al­guém mui­to re­cen­te­men­te dis­se, apre­sen­ta um qua­dro pou­co ani­ma­dor. O nos­so fu­te­bol pre­ci­sa de dar um sal­to qua­li­ta­ti­vo o mais de­pres­sa pos­sí­vel. An­go­la tem po­ten­ci­a­li­da­des hu­ma­nas pa­ra pra­ti­car fu­te­bol ao mais alto ní­vel.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.