Mor­te de An­drei Wad­ja dei­xa ci­ne­ma mais po­bre

Jornal de Angola - - OPINIÃO - BER­NARD OSSER |

Len­da do ci­ne­ma mun­di­al, o ci­ne­as­ta po­la­co An­drei Waj­da, que mor­reu nes­te do­min­go aos 90 anos, foi, du­ran­te to­da a sua vi­da, um nar­ra­dor da di­fí­cil his­tó­ria po­la­ca, à qual sou­be dar uma di­men­são uni­ver­sal, re­com­pen­sa­da por um Óscar no ano 2000 pe­lo con­jun­to da obra.

Nas­ci­do em 6 de Mar­ço de 1926 em Suwal­ki (nor­des­te), An­drei Waj­da quis se­guir o exem­plo do seu pai, mi­li­tar de car­rei­ra, ao ten­tar, sem su­ces­so, en­trar em 1939 nu­ma es­co­la mi­li­tar, nas vés­pe­ras da Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al.

Du­ran­te a ocu­pa­ção na­zi, co­me­ça a fa­zer cur­sos de pin­tu­ra, que man­te­ria após a guer­ra na Aca­de­mia de Be­las Ar­tes da Cra­có­via (sul), an­tes de en­trar pa­ra a cé­le­bre es­co­la de ci­ne­ma de Lodz (cen­tro). Os seus pri­mei­ros fil­mes são im­preg­na­dos da ex­pe­ri­ên­cia do­lo­ro­sa da guer­ra e da re­sis­tên­cia po­la­ca con­tra os na­zis.

A sua pri­mei­ra lon­ga me­tra­gem, “Ge­ra­ção” (1955), uma nar­ra­ção so­bre a saí­da de jo­vens dos su­búr­bi­os de Var­só­via du­ran­te a ocu­pa­ção na­zi, deu ori­gem à cé­le­bre “Es­co­la po­la­ca de ci­ne­ma”, cor­ren­te que de­ba­te o he­roís­mo e o ro­man­tis­mo po­la­co.

Em 1957, An­drei Waj­da ob­tém em Can­nes o Pré­mio Es­pe­ci­al do Jú­ri por “Ka­nal”, a sua obra-prima so­bre o le­van­ta­men­to de Var­só­via em 1944.

“Foi o co­me­ço de tu­do”, dis­se à AFP em en­tre­vis­ta con­ce­di­da em 2007. “Aqui­lo per­mi­tiu-me fa­zer aque­le que se­ria o meu fil­me se­guin­te, ‘Cin­zas e di­a­man­tes’(1958). Deu-me uma po­si­ção for­te no ci­ne­ma po­la­co”.

A par­tir dos anos 70, a obra de An­drei Waj­da ins­pi­rou-se no pa­tri­mó­nio li­te­rá­rio po­la­co: “Bir­ch Wo­od” (Br­ze­zi­na, 1970), “The Wed­ding” (We­se­le, 1972) e “The Pro­mi­sed Land” (Zi­e­mia Obi­e­ca­na, 1974).

No Fes­ti­val de Can­nes de 1977, apre­sen­tou “O Ho­mem de Már­mo­re” (Cz­lowi­ek z mar­mu­ru), uma crí­ti­ca à Po­ló­nia co­mu­nis­ta, à qual ele da­rá uma sequên­cia três anos de­pois com “O Ho­mem de Ferro” (Cz­lowi­ek z ze­la­za).

O fil­me con­ta a his­tó­ria, pra­ti­ca­men­te em tempo re­al, do sur­gi­men­to do So­li­da­ri­e­da­de, o pri­mei­ro sin­di­ca­to li­vre do blo­co co­mu­nis­ta, re­com­pen­sa­do em 1981 com a Pal­ma de Ou­ro em Can­nes.

“O dia da Pal­ma foi o mais im­por­tan­te da mi­nha vi­da, cer­ta­men­te. Mas eu era cons­ci­en­te de que es­se pré­mio não foi uni­ca­men­te pa­ra mim. Foi tam­bém um pré­mio pa­ra o sin­di­ca­to So­li­da­ri­e­da­de”, ex­pli­cou.

An­drei Waj­da do­ou a sua Pal­ma de Ou­ro a um mu­seu da Cra­có­via. Ela es­tá ex­pos­ta lá ao la­do de ou­tros pré­mi­os con­quis­ta­dos pe­lo ci­ne­as­ta, co­mo o Óscar, con­ce­di­do a ele no ano 2000.

A Pal­ma de Ou­ro sal­vou Waj­da de ser de­ti­do pe­lo re­gi­me co­mu­nis­ta du­ran­te a sua se­ve­ra lei mar­ci­al, mas mui­tos ami­gos e co­nhe­ci­dos do ci­ne­as­ta não ti­ve­ram a mes­ma sor­te, in­clu­si­ve o lí­der do So­li­da­ri­e­da­de, Le­ch Wa­le­sa. A opo­si­ção de Waj­da ao re­gi­me do lí­der co­mu­nis­ta po­la­co, ge­ne­ral Woj­ci­e­ch Ja­ru­zels­ki, le­vou-o a fa­zer fil­mes no ex­te­ri­or, en­tre eles “Dan­ton - o pro­ces­so da re­vo­lu­ção” (1983), em Fran­ça, com o as­tro Ge­rard De­par­di­eu no pa­pel prin­ci­pal.

Se­guiu-se “Ei­ne Li­e­be in Deuts­ch­land” (em tra­du­ção li­vre, Um amor na Ale­ma­nha, 1986), ro­da­do na Ale­ma­nha. Em 1998, Waj­da apre­sen­tou a sua ver­são so­bre a obra de Dos­toyevsky, “Os Pos­ses­sos”, tam­bém fil­ma­do na Fran­ça.

De­pois do co­lap­so do co­mu­nis­mo na Po­ló­nia, em 1989, An­drei Waj­da vol­tou-se pa­ra o pe­río­do da guer­ra no seu país, con­cen­tran­do-se em his­tó­ri­as ocul­ta­das pe­los co­mu­nis­tas. “As 200 cri­an­ças do dr. Korc­zak” (1990) de­ta­lha a his­tó­ria de Ja­nusz Korc­zak, um es­cri­tor ju­deu po­la­co de li­vros in­fan­tis do pe­río­do pré-guer­ra, que mor­reu du­ran­te o Ho­lo­caus­to.

Te­mas da Se­gun­da Guer­ra

Com “Pi­ers­ci­o­nek z or­lem w ko­ro­nie”, (em tra­du­ção li­vre, o anel da Águia-co­ro­a­da, de 1993), Waj­da vol­tou ao te­ma do frus­tra­do Le­van­ta­men­to de Var­só­via, em 1944. “Wi­el­ki Tyd­zi­en” (em tra­du­ção li­vre, Se­ma­na San­ta, 1995) con­cen­tra-se no trá­gi­co Le­van­ta­men­to do Gu­e­to de Var­só­via, em 1943, a re­be­lião fra­cas­sa­da con­tra os na­zis or­ques­tra­da por ju­deus. Es­ta foi a pri­mei­ra de uma sé­rie de in­sur­rei­ções con­tra as for­ças na­zis em to­da a Eu­ro­pa ocu­pa­da du­ran­te a Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al.

Na mu­dan­ça do mi­lé­nio, Waj­da vol­tou-se pa­ra os clás­si­cos da Li­te­ra­tu­ra po­la­ca, adap­tan­do a obra do ce­le­bra­do es­cri­tor do sé­cu­lo 19, Adam Mic­ki­ewicz, em “Pan Ta­deusz” (1999) e “A Vin­gan­ça” (Zems­ta, 2002), de Alek­san­der Fre­dro.

No seu úl­ti­mo fil­me, "Katyn", in­di­ca­do ao Óscar em 2008, ele con­tou a trá­gi­ca his­tó­ria do seu pai du­ran­te a Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al.

Ja­kub Waj­da foi um dos 22.500 ofi­ci­ais po­la­cos mas­sa­cra­dos pe­los so­vié­ti­cos na flo­res­ta Katyn, em 1940. Ca­pi­tão de um re­gi­men­to de in­fan­ta­ria do Exér­ci­to, ele foi mor­to com um dis­pa­ro na nu­ca pe­la te­mi­da po­lí­cia se­cre­ta so­vié­ti­ca NKVD. Aman­te do te­a­tro, Waj­da tam­bém di­ri­giu de­ze­nas de pe­ças, al­gu­mas no ex­te­ri­or, co­mo na Amé­ri­ca do Sul e no Ja­pão.

Waj­da era fas­ci­na­do pe­la cultura ja­po­ne­sa e cri­ou em 1994 o Cen­tro Manggha de Ar­te e Tec­no­lo­gia Ja­po­ne­sa, na ci­da­de his­tó­ri­ca po­la­ca de Cra­có­via. Em 2002, ele cri­ou sua pró­pria es­co­la de di­rec­ção e ro­tei­ro.

REU­TERS

Waj­da foi um di­rec­tor de ci­ne­ma po­la­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.