Exér­ci­to co­me­ça ba­ta­lha pa­ra li­ber­tar Mos­sul

Jornal de Angola - - MUNDO -

As For­ças Ar­ma­das ira­qui­a­nas ini­ci­a­ram on­tem a ba­ta­lha pa­ra re­con­quis­tar a ci­da­de de Mos­sul, a se­gun­da mais im­por­tan­te do país, on­de o Es­ta­do Is­lâ­mi­co (EI) mon­tou o seu Es­ta­do-Mai­or des­de 2014, quan­do lan­çou uma ofen­si­va pa­ra mon­tar um ca­li­fa­do no Ira­que e na Sí­ria.

A ba­ta­lha de Mos­sul é con­si­de­ra­da decisiva pe­lo Go­ver­no do Ira­que e pe­la co­li­ga­ção in­ter­na­ci­o­nal, li­de­ra­da pe­los Es­ta­dos Uni­dos con­si­de­ra. As for­ças en­vol­vi­das es­pe­ram des­ba­ra­tar as uni­da­des do gru­po e ex­pul­sar os ex­tre­mis­tas do país.

Após o anún­cio do iní­cio da ofen­si­va, a ONU ex­pres­sou uma pro­fun­da pre­o­cu­pa­ção com a se­gu­ran­ça de 1,5 mi­lhões de ci­vis que vi­vem em Mos­sul. “Al­gu­mas fa­mí­li­as en­fren­tam um ris­co ex­tre­mo de fi­car no meio do fo­go cru­za­do ou de se tor­na­rem al­vos de fran­co-ati­ra­do­res”, ad­ver­tiu o vi­ce­se­cre­tá­rio-ge­ral pa­ra As­sun­tos Hu­ma­ni­tá­ri­os e As­sis­tên­cia de Emer­gên­cia da ONU, Stephen O'Bri­en.

O pri­mei­ro-mi­nis­tro ira­qui­a­no, Hai­der al-Aba­di, anun­ci­ou o iní­cio da ope­ra­ção num dis­cur­so exi­bi­do na te­le­vi­são na­ci­o­nal. “O tempo da vi­tó­ria che­gou e as ope­ra­ções pa­ra li­ber­tar Mos­sul co­me­ça­ram”, de­cla­rou o che­fe de Go­ver­no. “Ho­je de­cla­ro o iní­cio das ope­ra­ções vi­to­ri­o­sas pa­ra li­ber­tá-los da vi­o­lên­cia e do ter­ro­ris­mo do Es­ta­do Is­lâ­mi­co”, com­ple­tou Aba­di, uma fra­se di­ri­gi­da aos mo­ra­do­res da re­gião de Mos­sul.

Após o anún­cio, uma co­lu­na de veí­cu­los blin­da­dos ini­ci­ou o avan­ço pa­ra Mos­sul, a par­tir de uma po­si­ção a 45 qui­ló­me­tros da gran­de ci­da­de do nor­te do Ira­que. Mos­sul, que fi­ca às mar­gens do rio Ti­gre e que tem po­pu­la­ção mai­o­ri­ta­ri­a­men­te su­ni­ta, caiu nas mãos do Es­ta­do Is­lâ­mi­co em 9 Ju­nho de 2014. Em 29 de Ju­nho de 2014, o lí­der do EI, Abu Ba­kr al-Bagh­da­di, pro­cla­mou na gran­de mes­qui­ta de Mos­sul o Ca­li­fa­do Is­lâ­mi­co nos ter­ri­tó­ri­os con­quis­ta­dos pe­los ex­tre­mis­tas no Ira­que e na Sí­ria, du­ran­te cam­pa­nhas re­lâm­pa­go em 2014 e 2015.

O se­cre­tá­rio de De­fe­sa dos Es­ta­dos Uni­dos, Ash­ton Car­ter, afir­mou que as ope­ra­ções pa­ra re­cu­pe­rar Mos­sul são fun­da­men­tais pa­ra der­ro­tar o Es­ta­do Is­lâ­mi­co.

Uma lon­ga ba­ta­lha

O pri­mei­ro-mi­nis­tro do Ira­que, AlA­ba­di, não re­ve­lou de­ta­lhes so­bre as ope­ra­ções ini­ci­a­das na ma­dru­ga­da de do­min­go pa­ra se­gun­da-fei­ra, mais de acor­do com ana­lis­tas a pri­mei­ra eta­pa con­sis­te, an­tes dos com­ba­tes nas ru­as, em cer­car com­ple­ta­men­te a ci­da­de.

Os re­bel­des em Mos­sul, en­tre 3.500 e 4.000, es­tão for­te­men­te ar­ma­dos e ti­ve­ram tempo su­fi­ci­en­te pa­ra pre­pa­rar a de­fe­sa da ci­da­de.

A ofen­si­va po­de de­mo­rar se­ma­nas, ou até me­ses, de acor­do com o co­man­dan­te da co­li­ga­ção in­ter­na­ci­o­nal li­de­ra­da pe­los Es­ta­dos Uni­dos, o te­nen­te-ge­ne­ral nor­te-ame­ri­ca­no, Stephen Town­send.

“A ba­ta­lha se anun­cia lon­ga e di­fí­cil, mas os ira­qui­a­nos se pre­pa­ra­ram e nós es­ta­re­mos a seu la­do”, com­ple­tou o te­nen­te-ge­ne­ral.

O pri­mei­ro-mi­nis­tro Al-Aba­di ex­pli­cou que ape­nas o Exér­ci­to e a Po­lí­cia ira­qui­a­nos vão en­trar em Mos­sul, ape­sar de nu­me­ro­sas for­ças de se­gu­ran­ça par­ti­ci­pa­rem na ofen­si­va, in­cluin­do pesh­mer­gas cur­dos e mi­lí­ci­as su­ni­tas e xi­i­tas.

Os su­ni­tas, mi­no­ria num Ira­que de mai­o­ria xi­i­ta, te­mem as con­sequên­ci­as da en­tra­da na ci­da­de das mi­lí­ci­as pa­ra­mi­li­ta­res xi­i­tas Ha­chd al-Sha­a­bi (Uni­da­des de Mo­bi­li­za­ção Po­pu­lar), apoi­a­das pe­lo Irão. O Go­ver­no ira­qui­a­no não se pro­nun­ci­ou so­bre me­di­das pa­ra acau­te­lar a con­di­ção dos su­ni­tas em Mos­sul.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.