An­go­la tem uma vi­são sus­ten­tá­vel de lon­go pra­zo

Jornal de Angola - - SOCIEDADE - NHUCA JÚ­NI­OR |

Um ver­da­dei­ro ami­go de An­go­la. A afir­ma­ção re­flec­te o per­cur­so de Al­lain Cain, um ar­qui­tec­to ur­ba­nis­ta ca­na­di­a­no, que, quan­do ti­nha 29 anos, em 1980, lar­gou pro­jec­tos pro­fis­si­o­nais no seu país pa­ra se de­di­car a tempo in­tei­ro a An­go­la, on­de se es­ta­be­le­ceu, até ho­je, com a or­ga­ni­za­ção não go­ver­na­men­tal De­ve­lop­ment Workshop, com lar­ga ex­pe­ri­ên­cia na área de as­sen­ta­men­tos hu­ma­nos.

A sua li­ga­ção a An­go­la co­me­çou qua­tro anos an­tes, em Ju­nho de 1976, quan­do man­te­ve con­tac­tos com a de­le­ga­ção an­go­la­na que par­ti­ci­pou, em Van­cou­ver, no Ca­na­dá, na pri­mei­ra con­fe­rên­cia da ONU so­bre Ha­bi­ta­ção e De­sen­vol­vi­men­to Ur­ba­no Sus­ten­tá­vel, um even­to re­a­li­za­do a ca­da pe­río­do de vin­te anos.

O res­pon­sá­vel pe­la sua vin­da ao país foi o já fa­le­ci­do Jo­sé Luís Guer­ra Mar­ques, que in­te­grou, na qua­li­da­de de di­rec­tor-ge­ral do La­bo­ra­tó­rio de En­ge­nha­ria de An­go­la (LEA,) a de­le­ga­ção an­go­la­na a Van­cou­ver, che­fi­a­da pe­lo pri­mei­ro mi­nis­tro da Cons­tru­ção da An­go­la in­de­pen­den­te, Ma­nu­el Re­sen­de de Oli­vei­ra, que fi­cou no car­go até 1978.

O ca­na­di­a­no não se ar­re­pen­de até ho­je da de­ci­são que to­mou há 36 anos por uma ra­zão que in­vo­ca quan­do fa­la com en­tu­si­as­mo so­bre o país aco­lhe­dor, on­de nas­ce­ram os seus dois fi­lhos, um há 35 anos e ou­tro há 30. Al­lain Cain, ho­je com 65 anos, já era um as­su­mi­do ad­mi­ra­dor da lu­ta de li­ber­ta­ção na­ci­o­nal, mas o res­pei­to que ti­nha pe­los an­go­la­nos au­men­tou pro­fu­sa­men­te quan­do sou­be da pre­sen­ça, em Van­cou­ver, de uma de­le­ga­ção de An­go­la, que ain­da não ti­nha com­ple­ta­do um ano co­mo na­ção in­de­pen­den­te. A pre­sen­ça de An­go­la no even­to glo­bal, se­te me­ses de­pois do al­can­ce da In­de­pen­dên­cia, foi, pa­ra Al­lain Cain, um fac­to de­mons­tra­ti­vo de que os di­ri­gen­tes do no­vo Es­ta­do afri­ca­no de­se­ja­vam res­ga­tar ra­pi­da­men­te a dig­ni­da­de de um po­vo que ha­via si­do co­lo­ni­za­do du­ran­te 500 anos.

“O meu com­pro­mis­so com An­go­la tam­bém se de­ve ao fac­to de ter fei­to um gran­de sa­cri­fí­cio pa­ra li­ber­tar ou­tros paí­ses da re­gião”, afir­mou Al­lain Cain, que dis­se ter si­do An­go­la “o úni­co país em Áfri­ca que es­ta­va re­al­men­te a dar su­por­te con­cre­to aos mo­vi­men­tos de li­ber­ta­ção.” A sua vin­da a An­go­la foi uma res­pos­ta ao con­vi­te que lhe foi for­mu­la­do por Jo­sé Luís Guer­ra Mar­ques, pa­ra a De­ve­lop­ment Whorkshop aju­dar o Go­ver­no an­go­la­no a ma­te­ri­a­li­zar as pri­mei­ras es­tra­té­gi­as ur­ba­nís­ti­cas.

“O con­vi­te foi ba­se­a­do nes­ta pro­cu­ra de par­cei­ros”, acen­tu­ou Al­lain Cai­ne, na con­ver­sa des­con­traí­da com o Jor­nal de An­go­la, lem­bran­do “o nos­so en­ga­ja­men­to em An­go­la ini­ci­ou re­al­men­te com es­se pro­ble­ma - que era tra­tar dos no­vos desafios ur­ba­nís­ti­cos.”

“Fo­mos iden­ti­fi­ca­dos co­mo par­cei­ros dis­po­ní­veis pa­ra co­la­bo­rar”, sa­li­en­tou o ar­qui­tec­to ca­na­di­a­no da De­ve­lop­ment Whorkshop, que es­te ano in­te­gra, à se­me­lhan­ça de 1996, co­mo or­ga­ni­za­ção da so­ci­e­da­de ci­vil, a de­le­ga­ção an­go­la­na que par­ti­ci­pa, a par­tir de ho­je, na ter­cei­ra con­fe­rên­cia da ONU so­bre Ha­bi­ta­ção e De­sen­vol­vi­men­to Ur­ba­no Sus­ten­tá­vel, on­de vai ser apro­va­da uma No­va Agen­da Ur­ba­na. A sua vin­da ao país po­dia ter acon­te­ci­do mais ce­do, mas foi atra­sa­da por cau­sa da in­va­são, em 1977, pe­lo en­tão go­ver­no ra­cis­ta da Áfri­ca do Sul, do sul de An­go­la, on­de as au­to­ri­da­des an­go­la­nas de­se­ja­vam co­lo­car a De­ve­lop­ment Whorkshop pa­ra de­sen­vol­ver um pro­gra­ma de ha­bi­ta­ção so­ci­al de bai­xo cus­to.

Em 1980, quan­do che­gou fi­nal­men­te, foi en­vi­a­do pa­ra o sul de An­go­la, com o ob­jec­ti­vo de fa­zer um di­ag­nós­ti­co, que deu ori­gem a um pro­gra­ma de for­ma­ção de qua­dros e a um ou­tro de ha­bi­ta­ção so­ci­al, nas pro­vín­ci­as da Huí­la, Cu­ne­ne, Hu­am­bo e Benguela, mais tar­de in­ter­rom­pi­dos por cau­sa do re­cru­des­cer da guer­ra.

No ano se­guin­te, re­gres­sou a Lu­an­da, on­de ins­ta­lou o es­cri­tó­rio da De­ve­lop­ment Whorkshop, a fim de tra­ba­lhar com a Di­rec­ção Na­ci­o­nal de Ur­ba­nis­mo num pro­gra­ma pa­ra fa­zer fa­ce ao êxo­do do cam­po pa­ra as ci­da­des, de­vi­do à guer­ra. Em Lu­an­da, es­te­ve en­vol­vi­do na exe­cu­ção do pri­mei­ro pro­gra­ma-pi­lo­to de au­to-cons­tru­ção di­ri­gi­da, de­sen­vol­vi­do nas zo­nas do Ca­zen­ga e da Ma­bor.

Além dis­so, Al­lain Cain se des­lo­cou tam­bém, vá­ri­as ve­zes, aos mu­ni­cí­pi­os da Ma­ta­la e do Qui­pun­go, pro­vín­cia da Huí­la, on­de par­ti­ci­pou na cri­a­ção de con­di­ções de alo­ja­men­to de des­lo­ca­dos an­go­la­nos e de re­fu­gi­a­dos na­mi­bi­a­nos e sul-afri­ca­nos em cam­pos cri­a­dos pa­ra o efei­to. “A nos­sa con­tri­bui­ção du­ran­te os anos de con­fli­to ar­ma­do ser­viu pa­ra aju­dar a cri­ar li­ções em ter­mos de par­ti­ci­pa­ção co­mu­ni­tá­ria”, lem­brou o es­pe­ci­a­lis­ta em ur­ba­nis­mo, que dis­se te­rem si­do tam­bém fei­tas “mui­tas coi­sas em ter­mos ur­ba­nís­ti­cos”, co­mo, por exem­plo, a cri­a­ção, em 1986, do Ga­bi­ne­te de Re­cons­tru­ção dos Mus­se­ques, um pro­jec­to re­a­pro­vei­ta­do 25 anos de­pois com a cri­a­ção do Ga­bi­ne­te Téc­ni­co de Re­con­ver­são Ur­ba­na do Ca­zen­ga, Sam­bi­zan­ga e Ran­gel (GTRUCS).

“Trou­xe­mos a An­go­la bo­as ex­pe­ri­ên­ci­as, bo­as prá­ti­cas in­ter­na­ci­o­nais, em ter­mos de me­lho­ra­men­to dos mus­se­ques, das zo­nas pre­cá­ri­as”, afir­mou o ar­qui­tec­to ca­na­di­a­no, que dis­se ser vi­são da De­ve­lop­ment Whorkshop a pro­mo­ção de uma es­tra­té­gia pa­ra a ha­bi­ta­ção ur­ba­na, na qual são de­fen­di­dos di­rei­tos so­ci­o­e­co­nó­mi­cos, in­cluin­do o di­rei­to ao aces­so à água, sa­ne­a­men­to, ter­ra e ha­bi­ta­ção, no âm­bi­to de um con­cei­to cha­ma­do de “di­rei­to à ci­da­de” pa­ra to­dos e de for­ma in­clu­si­va, sem dis­cri­mi­na­ção so­ci­al nem eco­nó­mi­ca, uma vi­são que as or­ga­ni­za­ções da so­ci­e­da­de ci­vil in­flu­en­ci­am jun­to dos go­ver­nos em to­do o mun­do.

Des­de que An­go­la al­can­çou a paz, há 14 anos, o Exe­cu­ti­vo es­tá a in­ves­tir com uma vi­são de lon­go pra­zo sus­ten­tá­vel, sa­li­en­ta o ar­qui­tec­to ur­ba­nis­ta, des­ta­pan­do uma re­a­li­da­de que ain­da se vi­ve mes­mo em am­bi­en­te de paz: “o cres­ci­men­to po­pu­la­ci­o­nal nas ci­da­des não pa­rou com a paz.” O ar­qui­tec­to, que afir­ma não es­tar can­sa­do pa­ra se re­for­mar já, de­di­ca-se, quan­do en­con­tra al­gum tempo, a es­cre­ver so­bre as su­as ex­pe­ri­ên­ci­as, com os tex­tos a se­rem pu­bli­ca­dos, so­bre­tu­do, no web­si­te da or­ga­ni­za­ção, além de en­si­nar jo­vens es­tu­dan­tes de Ar­qui­tec­tu­ra e Ur­ba­nis­mo em pa­les­tras se­ma­nais nas ins­ta­la­ções da or­ga­ni­za­ção não go­ver­na­men­tal, ago­ra de di­rei­to an­go­la­no.

JOÃO GO­MES

Al­lain Cain re­al­ça pre­sen­ça de An­go­la na con­fe­rên­cia das Na­ções Uni­das so­bre ha­bi­ta­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.