So­pa de Letras

Jornal de Angola - - SOCIEDADE -

Um ho­mem en­tra num res­tau­ran­te e pe­de uma so­pa.

Quan­do o em­pre­ga­do traz a so­pa ele diz :

- Não se im­por­ta de aque­cer a so­pa um pou­co mais…

O em­pre­ga­do le­vou a so­pa e, quan­do vol­ta com ela já quen­te, o ho­mem vol­ta a pe­dir-lhe :

- Não se im­por­ta de aque­cer a so­pa um pou­co mais…

Quan­do o em­pre­ga­do vol­ta pa­ra ser­vir a so­pa pe­la ter­cei­ra vez diz pa­ra o ho­mem :

- Es­pe­ro que ago­ra já es­te­ja su­fi­ci­en­te­men­te quen­te… Ao que o ho­mem res­pon­de: -Ain­da não. En­quan­to os de­dos con­ti­nu­a­rem den­tro da so­pa quan­do a tra­zes não a con­si­de­ro su­fi­ci­en­te­men­te quen­te. En­con­tre as se­guin­tes pa­la­vras:

la­vra, ro­sa e ave.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.