Te­a­tro mo­ti­va po­pu­la­ção ao re­gis­to elei­to­ral

Jornal de Angola - - CULTURA -

Uma cam­pa­nha de te­a­tro co­mu­ni­tá­rio sob o le­ma “To­dos ao re­gis­to elei­to­ral” foi lan­ça­da na ci­da­de do Uíge, nu­ma es­co­la do II ci­clo do en­si­no se­cun­dá­rio, pe­lo Mo­vi­men­to Na­ci­o­nal Es­pon­tâ­neo, com o ob­jec­ti­vo de mo­bi­li­zar a po­pu­la­ção pa­ra ade­são ao re­gis­to elei­to­ral em cur­so.

O co­lec­ti­vo de ar­tes Nzo­ji Ye­to abriu a cam­pa­nha, ao apre­sen­tar uma pe­ça so­bre a fa­se do re­gis­to elei­to­ral, em que os ac­to­res abor­dam quem é o elei­tor, por­que vo­tar, on­de se de­ve re­gis­tar e co­mo pro­ce­der em ca­so de per­da do car­tão elei­to­ral, en­tre ou­tras ati­tu­des le­gais, pa­ra que o ci­da­dão pos­sa cum­prir com o seu de­ver cí­vi­co de vo­tar.

Ao in­ter­vir na ce­ri­mó­nia, o se­cre­tá­rio pro­vin­ci­al do Mo­vi­men­to Na­ci­o­nal Es­pon­tâ­neo, Ma­nu­el Fi­guei­re­do Ma­teus, fez sa­ber que di­ver­sas ses­sões de te­a­tro vão ser re­a­li­za­das em lo­cais de mai­or con­cen­tra­ção po­pu­la­ci­o­nal, vi­san­do des­per­tar a po­pu­la­ção so­bre a im­por­tân­cia do re­gis­to elei­to­ral.

Te­a­tro iti­ne­ran­te

O en­ce­na­dor Es­te­ves Qui­na ad­mi­tiu on­tem, em Benguela, que o te­a­tro iti­ne­ran­te é uma ins­tru­men­to im­por­tan­te pa­ra le­var a ar­te aos vá­ri­os mu­ni­cí­pi­os e co­mu­nas da pro­vín­cia e pro­mo­ver as ar­tes cé­ni­cas jun­to do pú­bli­co. Es­te­ves Do­min­gos, que é tam­bém ac­tor do Co­lec­ti­vo de Ar­tes Om­ba­ka, fez es­sa afir­ma­ção quan­do fa­la­va so­bre o te­ma “O te­a­tro fei­to em Benguela”, du­ran­te um en­con­tro or­ga­ni­za­do pe­lo Nú­cleo de Ar­tes In­de­pen­den­tes de Benguela (NAIB), sob o le­ma “Ju­ven­tu­de, Ar­te e Ci­da­da­nia”, com o in­tui­to de en­vol­ver a ju­ven­tu­de cri­a­ti­va na vi­da so­ci­al.

Pa­ra o ac­tor, a pro­mo­ção do te­a­tro nas co­mu­ni­da­des per­mi­te ex­pan­dir as ar­tes cé­ni­cas pa­ra um mai­or nú­me­ro de pes­so­as e des­ta for­ma in­ver­ter a ten­dên­cia da fal­ta de pú­bli­co nas sa­las on­de são apre­sen­ta­das as pe­ças.

Pa­ra mu­dar o ac­tu­al qua­dro, a As­so­ci­a­ção Pro­vin­ci­al de Te­a­tro de Benguela (APROTEB) de­li­ne­ou pro­jec­tos que vi­sam a re­a­li­za­ção de exi­bi­ções iti­ne­ran­tes, em que os gru­pos vão ao en­con­tro dos es­pec­ta­do­res nas em­pre­sas, es­co­las e mer­ca­dos. Es­te­ves Do­min­gos lem­brou as inú­me­ras di­fi­cul­da­des que os gru­pos en­fren­tam, en­tre as quais a fra­ca pre­sen­ça de es­pec­ta­do­res, ele­va­do cus­to do alu­guer das sa­las, en­tre ou­tras.

O en­ce­na­dor e ac­tor dis­se que Benguela con­ti­nua a ser uma referência a ní­vel na­ci­o­nal, por­que “no­ta-se qua­li­da­de quer de in­ter­pre­ta­ção quer de men­sa­gem.

Benguela acolhe três fes­ti­vais, com pe­ri­o­di­ci­da­de anu­al, no­me­a­da­men­te o Fes­teb, or­ga­ni­za­do pe­lo gru­po Tweya, Fes­te-Acá­ci­as, pe­lo Ngo­la e São Fi­li­pe, que in­clu­em for­ma­ção de ac­to­res e tro­ca de ex­pe­ri­ên­ci­as, o que faz da pro­vín­cia a se­gun­da “pra­ça te­a­tral” do país.

O Co­lec­ti­vo de Ar­tes Ngo­la, Tcha Kwo Kwo, Tweya, Mo­nu­men­tal Te­a­tro, Twayo­vo­ka e Co­lec­ti­vo de Ar­tes Om­ba­ka são os gru­pos que mais se des­ta­cam na pro­vín­cia.

DO­MIN­GOS CA­DÊN­CIA

Ac­to­res apre­sen­tam pe­ças com men­sa­gens que ser­vem de in­cen­ti­vo pa­ra os ha­bi­tan­tes do Uíge

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.