Os de­pu­ta­dos e os mu­ni­cí­pi­os

Jornal de Angola - - OPINIÃO - JO­A­QUIM PINTO JOSEFA AN­TÓ­NIO| AFON­SO LUCAS LAURINDO JOÃO

De­pu­ta­dos da ban­ca­da par­la­men­tar do MPLA ini­ci­a­ram on­tem vi­si­tas a mais de cem mu­ni­cí­pi­os do país, pa­ra sa­ber lo­cal­men­te das con­di­ções de vi­da das po­pu­la­ções, da si­tu­a­ção re­al e ava­li­ar cer­ta­men­te o grau de con­cre­ti­za­ção de pro­jec­tos de de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co e so­ci­al do país.

O MPLA es­tá no po­der e faz sen­ti­do que os seus par­la­men­ta­res se pre­o­cu­pem com a vi­da nos mu­ni­cí­pi­os em di­ver­sos do­mí­ni­os, pa­ra po­de­rem , de­pois da ava­li­a­ção que se fi­zer, pro­du­zi­rem, se for ca­so dis­so, pro­pos­tas so­bre os mais di­ver­sos as­sun­tos, na pers­pec­ti­va do me­lho­ra­men­to das con­di­ções de vi­da das po­pu­la­ções. O par­ti­do dos “ca­ma­ra­das” tem res­pon­sa­bi­li­da­des go­ver­na­ti­vas, pe­lo que é po­si­ti­vo o fac­to de os de­pu­ta­dos da sua ban­ca­da te­rem ti­do a ini­ci­a­ti­va de que­re­rem co­nhe­cer bem os pro­ble­mas que afec­tam as po­pu­la­ções , pa­ra a to­ma­da de me­di­das que se im­põem.

O con­tac­to com as po­pu­la­ções é sem­pre ne­ces­sá­rio, por­que , por via do diá­lo­go com os mu­ní­ci­pes, se po­de ob­ter in­for­ma­ção ca­paz de co­lo­car os par­la­men­ta­res ao cor­ren­te de uma sé­rie de pro­ble­mas que po­dem con­tri­buir pa­ra que se me­lho­rem as ac­ções go­ver­na­ti­vas. An­go­la é um ter­ri­tó­rio ex­ten­so, com muitos mu­ni­cí­pi­os, e ,con­se­quen­te­men­te, com pro­ble­mas de na­tu­re­za di­ver­sa. Vi­si­tar mais de uma cen­te­na de mu­ni­cí­pi­os é um exer­cí­cio que po­de aju­dar os de­pu­ta­dos do MPLA a ter um co­nhe­ci­men­to mais apro­fun­da­do dos nos­sos pro­ble­mas.

Os de­pu­ta­dos são re­pre­sen­tan­tes de to­do o po­vo, que os ele­geu pa­ra um man­da­to que de­ve tra­du­zir-se, não ape­nas na pro­du­ção de leis, mas tam­bém em ac­ções que pos­sam aju­dar a me­lho­rar a ac­ti­vi­da­de go­ver­na­ti­va.

Os par­la­men­ta­res de­vem es­tar, en­quan­to mem­bros de um im­por­tan­te ór­gão de so­be­ra­nia, a As­sem­bleia Na­ci­o­nal, aten­tos ao que se pas­sa no país . Co­nhe­cen­do pro­fun­da­men­te o país, os de­pu­ta­dos po­dem pro­por cor­rec­ções no que vai mal. E nós te­mos ain­da muitos pro­ble­mas. É ne­ces­sá­rio que os de­pu­ta­dos co­lo­quem tam­bém as su­as com­pe­tên­ci­as e ex­pe­ri­ên­cia ao ser­vi­ço dos pro­ces­sos de re­so­lu­ção dos vá­ri­os pro­ble­mas que te­mos no país.

Há de­pu­ta­dos com ine­gá­vel com­pe­tên­cia téc­ni­ca em vá­ri­as áre­as do sa­ber, a qual se po­de cons­ti­tuir em mais va­lia pa­ra o país, so­bre­tu­do nes­ta ho­ra di­fí­cil que atra­ves­sa­mos, mar­ca­da por um cri­se eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra.

Vir­gí­lio de Fon­tes Pereira, pre­si­den­te do Gru­po Par­la­men­tar do MPLA, in­for­mou que as vi­si­tas que os de­pu­ta­dos da sua for­ma­ção política vão fa­zer a vá­ri­os mu­ni­cí­pi­os vão ser­vir pa­ra es­cla­re­cer a for­ma co­mo a di­rec­ção do par­ti­do dos “ca­ma­ra­das” en­ca­ra a cri­se eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra do país e as me­di­das apro­va­das pe­lo Exe­cu­ti­vo pa­ra con­tra­por aos cons­tran­gi­men­tos cau­sa­dos pe­la bai­xa do pre­ço do pe­tró­leo no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal.

É opor­tu­no que os de­pu­ta­dos do MPLA es­te­jam a vi­si­tar os mu­ni­cí­pi­os do país nes­ta al­tu­ra em que a cri­se tem afec­ta­do mui­tas fa­mí­li­as. É im­por­tan­te que os par­la­men­ta­res sai­bam do im­pac­to re­al da cri­se na vi­da das po­pu­la­ções, de Ca­bin­da ao Cu­ne­ne, e pro­du­zam pro­pos­tas que vi­a­bi­li­zem a re­so­lu­ção de muitos pro­ble­mas. Os par­la­men­ta­res do MPLA vão cer­ta­men­te re­co­lher in­for­ma­ções di­ver­sas so­bre a si­tu­a­ção em que vi­vem mui­tas co­mu­ni­da­des. Es­tas in­for­ma­ções que co­lhe­rem no ter­re­no po­dem ser­vir de­pois pa­ra aju­dar os go­ver­nan­tes a to­mar de­ci­sões que vão no sen­ti­do da pro­mo­ção do bem-es­tar das po­pu­la­ções. É re­con­for­tan­te pa­ra as pes­so­as re­ce­ber vi­si­tas de de­pu­ta­dos in­te­res­sa­dos em sa­ber das su­as vi­das. Mas é mais re­con­for­tan­te pa­ra as pes­so­as sa­ber que al­gu­ma coi­sa vai ser fei­ta pa­ra me­lho­rar as su­as con­di­ções de vi­da.

As po­pu­la­ções es­pe­ram por ac­ções con­cre­tas que pos­sam mi­no­rar os seus pro­ble­mas. É ver­da­de que não é pos­sí­vel re­sol­ver ra­pi­da­men­te to­dos os pro­ble­mas. Mas é ne­ces­sá­rio iden­ti­fi­car aque­les pro­ble­mas que po­dem ser re­sol­vi­dos com ce­le­ri­da­de. Os par­la­men­ta­res têm tam­bém a obri­ga­ção de tra­ba­lhar pa­ra a pro­mo­ção do bem co­mum. Eles fo­ram elei­tos por su­frá­gio di­rec­to e uni­ver­sal pa­ra ser­vi­rem to­do o po­vo, pe­lo que eles de­vem ser in­can­sá­veis na lu­ta con­tra a in­jus­ti­ça e a po­bre­za.

Os de­pu­ta­dos do MPLA , ao fa­ze­rem vi­si­tas a um nú­me­ro con­si­de­rá­vel de mu­ni­cí­pi­os do país, têm cons­ci­ên­cia da im­por­tân­cia des­tas cir­cuns­cri­ções na vi­da do país. É de aplau­dir a ini­ci­a­ti­va des­tes par­la­men­ta­res, pois o seu tra­ba­lho aju­da­rá a que as po­pu­la­ções dos mu­ni­cí­pi­os te­nham uma ele­va­da qua­li­da­de de vi­da.

Pro­vas fi­nais

O ano lec­ti­vo es­tá no fim e pen­so que era bom que os pais pres­tas­sem par­ti­cu­lar aten­ção nes­ta al­tu­ra aos seus fi­lhos, no sen­ti­do des­tes co­me­ça­rem a pre­pa­rar as pro­vas fi­nais. O ideal é que os pais acom­pa­nhem o de­sem­pe­nho dos seus fi­lhos ao lon­go de to­do o ano lec­ti­vo, pa­ra sa­be­rem dos re­sul­ta­dos por eles ob­ti­dos nas vá­ri­as pro­vas par­ce­la­res. Os pais de­vem es­tar sem­pre pró­xi­mos do que fa­zem os seus fi­lhos na es­co­la.

Os pais de­vem aju­dar os pro­fes­so­res no pro­ces­so de su­pe­ra­ção de even­tu­ais di­fi­cul­da­des que os alu­nos pos­sam ter ao ní­vel do seu de­sem­pe­nho es­co­lar. Os país de­vem pre­o­cu­par-se sem­pre com os re­sul­ta­dos es­co­la­res dos seus fi­lhos, pa­ra que te­nha­mos no fu­tu­ro bons qua­dros.

A vi­o­lên­cia do­més­ti­ca

A vi­o­lên­cia do­més­ti­ca é uma gran­de pre­o­cu­pa­ção da so­ci­e­da­de. Há ain­da muitos la­res no nos­so país em que não há ain­da es­ta­bi­li­da­de. Há fa­mí­li­as que vi­vem em per­ma­nen­te ins­ta­bi­li­da­de, de­vi­do a ca­sos cons­tan­tes de vi­o­lên­cia que afec­ta ge­ral­men­te as mu­lhe­res, as crianças e pes­so­as ido­sas. Sou an­go­la­no e gos­ta­va que rei­nas­se em to­dos os la­res de An­go­la a har­mo­nia. Já so­fre­mos mui­to com a guer­ra que di­vi­diu an­go­la­nos du­ran­te muitos anos.

As igre­jas, or­ga­ni­za­ções da so­ci­e­da­de ci­vil e par­ti­dos po­lí­ti­cos de­vem aju­dar o Es­ta­do no tra­ba­lho des­ti­na­do a di­mi­nuir os ca­sos de vi­o­lên­cia do­més­ti­ca no nos­so país. As igre­jas, em par­ti­cu­lar, de­vem ape­lar nos seus cul­tos ao amor ao pró­xi­mo.

Os pas­to­res de­vem vi­si­tar as fa­mí­li­as que têm pro­ble­mas re­la­ci­o­na­dos com a vi­o­lên­cia do­més­ti­ca.

Lu­ta pe­lo tí­tu­lo

Sou um aman­te do fu­te­bol e te­nho acom­pa­nha­do com mui­to in­te­res­se es­ta rec­ta fi­nal do nos­so Gi­ra­bo­la. É bom que o nos­so cam­pe­o­na­to na­ci­o­nal de fu­te­bol se­ja mui­to com­pe­ti­ti­vo, co­mo es­tá a acon­te­cer ago­ra. Até ao mo­men­to não há cam­peão an­te­ci­pa­do e is­so sig­ni­fi­ca que vá­ri­as equi­pas que es­tão no Gi­ra­bo­la têm fei­to um bom tra­ba­lho.

Es­tão de pa­ra­béns os téc­ni­cos que têm tra­ba­lha­do pa­ra au­men­tar o ní­vel com­pe­ti­ti­vo das equi­pas que trei­nam. Es­tão tam­bém de pa­ra­béns os fu­te­bo­lis­tas que se têm es­for­ça­do pa­ra fa­ze­rem bo­as exi­bi­ções. Es­pe­ro que ha­ja nes­ta rec­ta fi­nal do Gi­ra­bo­la ex­ce­len­tes ar­bi­tra­gens e que ga­nhe o me­lhor.

Gi­ná­si­os nas es­co­las

Gos­ta­va que to­das as es­co­las pri­má­ri­as e se­cun­dá­ri­as ti­ves­sem gi­ná­si­os pa­ra a prá­ti­ca de des­por­to. Pen­so que se de­ve dar im­por­tân­cia à prá­ti­ca do des­por­to nas nos­sas es­co­las em que há crianças e jo­vens. En­tre­tan­to, sem pro­fes­so­res de edu­ca­ção fí­si­ca não é pos­sí­vel mas­si­fi­car o nos­so des­por­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.