Paí­ses de­sa­fi­a­dos a trans­for­mar agri­cul­tu­ra

Jornal de Angola - - SOCIEDADE -

A Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das pa­ra Agri­cul­tu­ra e Ali­men­ta­ção (FAO) de­cla­rou, num re­la­tó­rio glo­bal di­vul­ga­do em Ro­ma, Itá­lia, que a er­ra­di­ca­ção da fo­me no mun­do de­pen­de, em gran­de me­di­da, de co­mo as prá­ti­cas agrí­co­las se vão adap­tar a um pla­ne­ta ca­da vez mais quen­te.

Se­gun­do o re­la­tó­rio, in­ti­tu­la­do “Si­tu­a­ção da agri­cul­tu­ra e da ali­men­ta­ção no mun­do 2016”, pa­ra man­ter o au­men­to da tem­pe­ra­tu­ra glo­bal abai­xo do tec­to de 2°C, as emis­sões de ga­ses com efei­to de es­tu­fa te­rão de di­mi­nuir 70 por cen­to até 2050, o que só se­rá pos­sí­vel com o con­tri­bu­to dos sec­to­res agrí­co­las.

Es­ses sec­to­res são res­pon­sá­veis por, pe­lo me­nos, um quin­to de to­das as emis­sões, so­bre­tu­do de­vi­do à con­ver­são das flo­res­tas em ter­ra cul­ti­va­da, mas tam­bém à pe­cuá­ria e à pro­du­ção agrí­co­la.

Mas, é re­fe­ri­do, os sec­to­res agrí­co­las en­fren­tam o de­sa­fio de re­du­zir as emis­sões de ga­ses com efei­to de es­tu­fa ao mes­mo tem­po que têm de pro­du­zir mais ali­men­tos pa­ra sa­ci­ar uma po­pu­la­ção cres­cen­te e ca­da vez mais prós­pe­ra.Es­ti­ma-se que a pro­cu­ra glo­bal por ali­men­tos, em 2050, se­ja, pe­lo me­nos, 60 por cen­to mai­or do que em 2006, mas o cres­ci­men­to po­pu­la­ci­o­nal se­rá con­cen­tra­do nas re­giões que ho­je têm mai­or pre­va­lên­cia de sub­nu­tri­ção e mai­or vul­ne­ra­bi­li­da­de às al­te­ra­ções cli­má­ti­cas.

A FAO aler­ta que os es­for­ços têm de co­me­çar ago­ra, por­que o im­pac­to das al­te­ra­ções cli­má­ti­cas vai pi­o­rar com o tem­po e, se na­da for fei­to, os paí­ses mais po­bres te­rão, no fu­tu­ro, de en­fren­tar si­mul­ta­ne­a­men­te a fo­me, a po­bre­za e as mu­dan­ças cli­má­ti­cas.

Com as al­te­ra­ções cli­má­ti­cas, e se na­da for fei­to, es­ti­ma-se que a po­pu­la­ção a vi­ver em si­tu­a­ção de po­bre­za re­gis­te um au­men­to de 35 pa­ra 122 mi­lhões até 2030. As re­giões mais afec­ta­das se­rão a Áfri­ca sub­sa­a­ri­a­na, o Sul e o Su­des­te Asiá­ti­co, em que a po­pu­la­ção de­pen­de so­bre­tu­do da agri­cul­tu­ra pa­ra vi­ver.

A FAO con­si­de­ra que os pro­gra­mas de pro­tec­ção so­ci­al re­du­zem a po­bre­za e a in­se­gu­ran­ça ali­men­tar, mas, pa­ra que is­so se­ja al­can­ça­do, é de­ter­mi­nan­te “a se­lec­ção efi­caz dos be­ne­fi­ciá­ri­os e as trans­fe­rên­ci­as ade­qua­das” dos re­cur­sos.

“A pro­tec­ção so­ci­al, ao au­men­tar o con­su­mo, con­tri­bui pa­ra a se­gu­ran­ça ali­men­tar e in­cre­men­ta a ca­pa­ci­da­de das fa­mí­li­as, pa­ra pro­du­zi­rem ali­men­tos e au­men­ta­rem as re­cei­tas.”

Os pro­gra­mas di­ri­gi­dos às mu­lhe­res, sa­li­en­ta o re­la­tó­rio, têm mai­or im­pac­to na se­gu­ran­ça ali­men­tar e na nu­tri­ção, pois ao re­for­ça­rem o con­tro­lo da mu­lher so­bre as re­cei­tas au­men­tam o bem-es­tar ma­ter­no e in­fan­til. “Is­so é es­pe­ci­al­men­te im­por­tan­te, por­que a mal nu­tri­ção ma­ter­na e in­fan­til per­pe­tua a po­bre­za”, diz a FAO.

O di­rec­tor-ge­ral da FAO, Jo­sé Gra­zi­a­no da Sil­va, ex­pli­cou que o sec­tor agrí­co­la pre­ci­sa de adap­tar-se an­te os desafios im­pos­tos pe­las al­te­ra­ções cli­má­ti­cas. “Es­sa adap­ta­ção vai mui­to no sen­ti­do do uso de tec­no­lo­gi­as sim­ples, mais mo­der­nas, que aju­dem a re­du­zir e a mi­ti­gar os efei­tos da emis­são de ga­ses”. A or­ga­ni­za­ção in­ter­na­ci­o­nal re­co­men­da o uso de va­ri­e­da­des de cul­tu­ras re­sis­ten­tes ao ca­lor, com mai­or ca­pa­ci­da­de de sin­te­ti­zar ni­tro­gé­nio e mos­tra que o sec­tor agrí­co­la emi­tiu, em 2014, mais de 5,2 mil mi­lhões de to­ne­la­das de dió­xi­do de car­bo­no na at­mos­fe­ra, além de des­ta­car que a adop­ção de prá­ti­cas agrí­co­las ba­se­a­das no apro­vei­ta­men­to do ni­tro­gé­nio po­de aju­dar a re­du­zir em mais de 100 mi­lhões o nú­me­ro de pes­so­as em ris­co de des­nu­tri­ção.

Acres­cen­ta que a con­ser­va­ção da água em plan­ta­ções de ar­roz po­de re­du­zir a emis­são de me­ta­no em 45 por cen­to e a de ga­ses cau­sa­dos pe­la cri­a­ção de ga­do po­de cair 41 por cen­to, atra­vés de prá­ti­cas mais efi­ci­en­tes.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.