Dra­gan Jo­vic em dis­pu­ta com Bi­an­chi

Jornal de Angola - - DESPORTO - HONORATO SIL­VA |

A pro­ba­bi­li­da­de de o 1º de Agos­to e o Pe­tro de Lu­an­da de­ci­di­rem o tí­tu­lo do Cam­pe­o­na­to Na­ci­o­nal de Fu­te­bol da I Di­vi­são, Gi­ra­bo­la ZAP, na úl­ti­ma jor­na­da, tem ali­men­ta­do as dis­cus­sões en­tre os adep­tos dos dois em­ble­mas e as abor­da­gens de co­men­ta­do­res es­pe­ci­a­li­za­dos, em rá­di­os e es­ta­ções de te­le­vi­são, bem co­mo as con­ver­sas de in­ter­nau­tas nas re­des so­ci­ais.

Nal­guns ca­sos têm si­do lan­ça­dos aná­te­mas ao avan­ço dos mi­li­ta­res do Rio Se­co na ta­be­la clas­si­fi­ca­ti­va da com­pe­ti­ção do des­por­to an­go­la­no com mai­or abran­gên­cia na­ci­o­nal. O go­lo de Gel­son com a mão, na vi­tó­ria (3-1) di­an­te do Ben­fi­ca de Lu­an­da, e o ten­to apon­ta­do por Isa­ac num lan­ce pre­ce­di­do de fo­ra-de-jo­go, no triun­fo (1-0) so­bre o Pe­tro, no clás­si­co dos clás­si­cos, são as ban­dei­ras has­te­a­das pe­los con­tes­ta­tá­ri­os.

Com o pres­su­pos­to de que o jo­go com os pe­tro­lí­fe­ros ter­mi­na­ria nu­ma igual­da­de sem go­los, ca­so não fos­se va­li­da­do o ten­to em si­tu­a­ção ir­re­gu­lar, o mi­li­ta­res con­ti­nu­a­ri­am com cin­co pon­tos de van­ta­gem na clas­si­fi­ca­ção. Mas a te­se de fa­vo­re­ci­men­to no go­lo mar­ca­do com mão tem pou­ca ou ne­nhu­ma con­sis­tên­cia, se le­var­mos em con­si­de­ra­ção o fac­to de os ru­bros e ne­gros te­rem fei­to, ain­da as­sim, mais um ten­to que as águi­as.

O ca­lor da abor­da­gem já res­va­lou pa­ra a com­pa­ra­ção da com­pe­tên­cia dos trei­na­do­res. Ro­ber­to Bi­an­chi, téc­ni­co his­pa­no-bra­si­lei­ro con­tra­ta­do es­se ano pa­ra le­var o Pe­tro de Lu­an­da de vol­ta ao to­po, foi apre­sen­ta­do em pro­gra­ma ra­di­o­fó­ni­co de gran­de au­di­ên­cia co­mo pro­fis­si­o­nal mais ca­paz que o bós­nio Dra­gan Jo­vic, ac­tu­al­men­te há dois anos e meio no co­man­do do 1º de Agos­to. Os nú­me­ros par­ci­ais e ge­rais da com­pe­ti­ção co­lo­cam os trei­na­do­res num qua­dro de equi­lí­brio, com re­la­ti­vo as­cen­den­te do mi­li­tar. Na pri­mei­ra vol­ta, em 15 jo­gos dis­pu­ta­dos to­ta­li­zou 35 pon­tos, re­sul­tan­tes de 11 vi­tó­ri­as, dois em­pa­tes, du­as der­ro­tas, 30 go­los mar­ca­dos e 13 so­fri­dos, en­quan­to o timoneiro dos pe­tro­lí­fe­ros so­mou 27, com oi­to triun­fos, três em­pa­tes, qua­tro der­ro­tas, 15 ten­tos apon­ta­dos e no­ve con­sen­ti­dos. No se­gun­do tur­no do Gi­ra­bo­la, em 12 jor­na­das, Ro­ber­to Bi­an­chi con­ta­bi­li­za 30 pon­tos, no­ve vi­tó­ri­as, três em­pa­tes, ne­nhu­ma der­ro­ta, 20 go­los mar­ca­dos e dois so­fri­dos, con­tra os 25 de Dra­gan Jo­vic, que ven­ceu se­te ve­zes, em­pa­tou qua­tro, per­deu uma, com 21 ten­tos apon­ta­dos e se­te en­cai­xa­dos.

Até ago­ra, os tri­co­lo­res têm mais cin­co pon­tos so­ma­dos que os ru­bros e ne­gros na se­gun­da vol­ta, de­pois de te­rem do­bra­do as pri­mei­ras 15 jor­na­das com me­nos oi­to. Pe­los nú­me­ros, na­da in­di­ca que um ou ou­tro timoneiro é mais com­pe­ten­te. Tal­vez o qua­dro fi­nal da pro­va pos­sa dar res­pos­ta à tal que­re­la. An­tes do re­en­con­tro na úl­ti­ma jor­na­da do Gi­ra­bo­la, no Es­tá­dio Na­ci­o­nal 11 de No­vem­bro, den­tro de três se­ma­nas, os mi­li­ta­res vão de­fron­tar o In­ter­clu­be e o ASA. Os tri­co­lo­res me­dem for­ças com o ASA e o Ben­fi­ca de Lu­an­da.

À fren­te da equi­pa do 1º de Agos­to, des­de Abril de 2014, Jo­vic, que subs­ti­tuiu o lu­so-mo­çam­bi­ca­no Daú­to Fa­qui­rá, foi quar­to clas­si­fi­ca­do com 52 pon­tos na es­treia. No ano pas­sa­do ter­mi­nou com os mes­mos 60 pon­tos do cam­peão Re­cre­a­ti­vo do Li­bo­lo, ao pas­so que o Pe­tro de Lu­an­da, ori­en­ta­do pe­lo bra­si­lei­ro Ale­xan­dre Gras­se­li, fez 38, na oi­ta­va po­si­ção.

SAN­TOS PE­DRO

Téc­ni­cos do Pe­tro de Lu­an­da e do 1º de Agos­to mo­ti­vam ace­sas dis­cus­sões no seio dos adep­tos dos clu­bes e de co­men­ta­do­res des­por­ti­vos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.