Es­tru­tu­ra da eco­no­mia an­go­la­na é in­sus­ten­tá­vel

Jornal de Angola - - POLITICAL - VICTORINO JO­A­QUIM |

O pre­si­den­te da UNITA, Isaías Samakuva, dis­se que a bai­xa do pre­ço do pe­tró­leo no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal veio pro­var que a es­tru­tu­ra da eco­no­mia política an­go­la­na é in­sus­ten­tá­vel e que a cri­se ac­tu­al é o re­sul­ta­do de “er­ros acu­mu­la­dos” do que con­si­de­ra “ges­tão da­no­sa dos re­cur­sos pú­bli­cos ao lon­go dos anos”.

Nu­ma men­sa­gem em re­ac­ção ao dis­cur­so do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca so­bre o Es­ta­do da Na­ção, apre­sen­ta­do na se­gun­da-fei­ra na aber­tu­ra do ano par­la­men­tar, o lí­der da UNITA re­fe­riu que o Che­fe de Es­ta­do omi­tiu al­gu­mas ques­tões, en­tre as quais, no seu en­ten­der, o “au­men­to ver­ti­gi­no­so da di­vi­da pú­bli­ca nos úl­ti­mos 18 me­ses”. De acor­do com o lí­der da UNITA, cer­ca de 50 por cen­to das des­pe­sas pre­vis­tas no OGE pa­ra o ano em cur­so es­tão programadas pa­ra se­rem fi­nan­ci­a­das com re­cur­so a em­prés­ti­mos. E que dos cer­ca de 24 mil mi­lhões de dó­la­res de em­prés­ti­mos ne­ces­sá­ri­os, o Go­ver­no só te­rá con­se­gui­do um ter­ço. O stock da dí­vi­da pú­bli­ca, fri­sou, cres­ceu, ex­po­nen­ci­al­men­te, pa­ra mais de 47 mil mi­lhões de dó­la­res, dos quais 32 mil mi­lhões são de­vi­dos à Chi­na. Na sequên­cia, pros­se­guiu, “acen­tu­ou-se a re­du­ção da ca­pa­ci­da­de do Es­ta­do de pa­gar a sua dí­vi­da ex­ter­na, por­que es­ta re­pre­sen­ta mais de 70 por cen­to do pro­du­to in­ter­no bru­to”.

O lí­der do mai­or par­ti­do na opo­si­ção des­ta­cou, igual­men­te, a re­vi­são em bai­xa das pers­pec­ti­vas de cres­ci­men­to da eco­no­mia de 3,3 por cen­to há um ano, pa­ra 1,1, com o sec­tor pe­tro­lí­fe­ro a cres­cer 0,8 e o sec­tor não pe­tro­lí­fe­ro 1,2. Pa­ra Isaías Samakuva, na úl­ti­ma le­gis­la­tu­ra, “o país não pro­du­ziu mais nem dis­tri­buiu me­lhor ao con­trá­rio do que ti­nha si­do pro­me­ti­do”. No seu en­ten­der, as fa­mí­li­as sen­tem os pre­ços a su­bir, a dí­vi­da pú­bli­ca, a corrupção, a re­pres­são, a cri­mi­na­li­da­de e a in­se­gu­ran­ça. “O que não so­be são os sa­lá­ri­os. Quem afir­mar que os ren­di­men­tos ou o po­der de com­pra dos tra­ba­lha­do­res an­go­la­nos es­tão a su­bir, não co­nhe­ce a re­a­li­da­de do so­fri­men­to das fa­mí­li­as an­go­la­nas”, su­bli­nhou.

So­bre o pro­ces­so elei­to­ral, o lí­der da UNITA con­si­de­ra que não se po­de fa­lar em “li­su­ra e trans­pa­rên­cia”, quan­do, no seu en­ten­der, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca atri­buiu-se a si pró­prio, atra­vés dos ór­gãos que di­ri­ge a com­pe­tên­cia pa­ra or­ga­ni­zar, exe­cu­tar e con­tro­lar o re­gis­to elei­to­ral.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.