Gás che­ga ao Mo­xi­co pe­lo ca­mi­nho-de-fer­ro

Trans­por­te fer­ro­viá­rio de mer­ca­do­ri­as pa­ra o Les­te con­fir­ma apos­ta na re­a­bi­li­ta­ção das in­fra-es­tru­tu­ras

Jornal de Angola - - PARTADA - LEONEL KASSANA |

Ao re­a­li­zar ho­je o ter­cei­ro car­re­ga­men­to de gás de co­zi­nha pa­ra a ci­da­de do Lu­e­na, o Ca­mi­nho-deFer­ro de Ben­gue­la (CFB) con­fir­ma o seu en­vol­vi­men­to in­con­tor­ná­vel no de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co do país, so­bre­tu­do das pro­vín­ci­as de Ben­gue­la, Hu­am­bo, Bié e Mo­xi­co, to­das elas si­tu­a­das no cha­ma­do “Cor­re­dor do Lo­bi­to”.

As an­te­ri­o­res ope­ra­ções acon­te­ce­ram em Agos­to e Se­tem­bro des­de ano. O re­cur­so da So­nan­gol ao Ca­mi­nho-de-Fer­ro de Ben­gue­la pa­ra o trans­por­te do gás de co­zi­nha re­pre­sen­ta tam­bém ga­nhos pa­ra es­ta em­pre­sa, cu­ja re­a­bi­li­ta­ção pas­sou por avul­ta­dos in­ves­ti­men­tos, além do pro­du­to che­gar mais ba­ra­to aos con­su­mi­do­res. O trans­por­te de gás de co­zi­nha vem jun­tar-se a ou­tras mer­ca­do­ri­as des­de que o com­boio vol­tou a li­gar o Les­te a par­tir do Lo­bi­to.

Por es­sa li­ga­ção fer­ro­viá­ria, res­ta­be­le­ci­da em 2012, pas­sa ac­tu­al­men­te to­do o ti­po de mer­ca­do­ri­as, com­bus­tí­veis, ci­men­to, bem co­mo im­por­tan­tes mei­os pa­ra a cons­tru­ção e re­cons­tru­ção de in­fra-es­tru­tu­ras so­ci­ais e eco­nó­mi­cas. A li­ga­ção, pe­lo CFB, do li­to­ral até ao Lu­au, as­su­me-se tam­bém co­mo ân­co­ra im­por­tan­te pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to dos paí­ses da Co­mu­ni­da­de de De­sen­vol­vi­men­to dos Paí­ses da Áfri­ca Aus­tral, SADC.

Em 2012, fo­ram trans­por­ta­dos 4.005 to­ne­la­das, ci­fra que su­biu pa­ra 17.560 no ano a se­guir. De com­boio, cer­ca de 20.000 to­ne­la­das fo­ram le­va­das em 2014, en­quan­to no ano pas­sa­do os da­dos do CFB fi­xam-se em 29.225 to­ne­la­das. Os da­dos des­te ano já vão em 17.576 to­ne­la­das.

Do ou­tro la­do da fron­tei­ra com a Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go, mi­lha­res de to­ne­la­das de mi­né­rio aguar­dam pe­la con­clu­são do ra­mal da­que­le país pa­ra a sua li­ga­ção à li­nha do CFB ga­ran­tin­do, as­sim, a sua ex­por­ta­ção pa­ra di­fe­ren­tes par­tes do Mun­do a par­tir do Por­to do Lo­bi­to. Na RDC, so­bre­tu­do na zo­na de Di­lo­lo, a ex­pec­ta­ti­va é enorme, com mi­lha­res de con­go­le­ses a aguar­da­rem pe­la con­clu­são do ra­mal até à pon­te so­bre o rio Lu­au, vi­a­bi­li­zan­do a cir­cu­la­ção de pes­so­as e mer­ca­do­ri­as.

Res­pon­sá­veis do Ca­mi­nho-deFer­ro de Ben­gue­la com quem o Jor­nal de An­go­la pô­de con­ver­sar de­po­si­tam enor­mes es­pe­ran­ças na ce­le­ri­da­de das obras do ou­tro la­do da fron­tei­ra, pa­ra que a em­pre­sa re­cu­pe­re o seu pa­pel his­tó­ri­co, que é o trans­por­te do mi­né­rio das re­giões cen­tral e ori­en­tal de Áfri­ca. Do la­do an­go­la­no, a re­a­bi­li­ta­ção es­tá pra­ti­ca­men­te com­ple­ta, fal­tan­do ape­nas al­gu­mas obras pa­ra a con­so­li­da­ção da li­nha, pois o com­boio já faz par­te do dia-adia da po­pu­la­ção. A pon­te trans­fron­tei­ri­ça so­bre o rio Lu­au, o úl­ti­mo tro­ço da li­nha fér­rea de 1.267 qui­ló­me­tros inau­gu­ra­da em 2015 pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, é a pro­va da apos­ta do Exe­cu­ti­vo na re­a­bi­li­ta­ção das in­fra­es­tru­tu­ras fer­ro­viá­ri­as do país.

Uma mo­nu­men­tal obra de en­ge­nha­ria, es­sa pon­te tem o po­ten­ci­al de vir a tor­nar-se um ins­tru­men­to im­por­tan­te pa­ra a in­te­gra­ção re­gi­o­nal im­pul­si­o­nan­do as tro­cas co­mer­ci­ais en­tre vá­ri­os Es­ta­dos afri­ca­nos, so­bre­tu­do aque­les que es­tão situados nas re­giões aus­tral e cen­tral.

O cha­ma­do “Cor­re­dor do Lo­bi­to” per­mi­te li­gar pe­lo CFB, ao Por­to do Lo­bi­to, im­por­tan­tes re­giões mi­nei­ras da RDC, co­mo Ka­tan­ga, e da Zâm­bia, com van­ta­gens mú­tu­as, já que a re­cons­tru­ção dos ra­mais fer­ro­viá­ri­os nes­ses paí­ses é uma ga­ran­tia se­gu­ra da re­du­ção de cus­tos com as im­por­ta­ções e ex­por­ta­ções de mer­ca­do­ri­as.

No Lu­au ter­mi­na em ter­ri­tó­rio an­go­la­no o úl­ti­mo ra­mal do Ca­mi­nho­de-Fer­ro de Ben­gue­la que es­tá in­ter­li­ga­do aos sis­te­mas fer­ro­viá­ri­os da Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go e da Zâm­bia, que não têm saí­da pa­ra o mar. As­sim, o CFB é al­ter­na­ti­va aos por­tos da Bei­ra, em Mo­çam­bi­que, e Dar es Sa­lam, na Tan­zâ­nia.

Os prin­ci­pais be­ne­fi­ciá­ri­os da li­ga­ção fer­ro­viá­ria com An­go­la são es­ses paí­ses, pois a uti­li­za­ção do “Cor­re­dor do Lo­bi­to” per­mi­te es­co­ar com cus­tos sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te me­no­res o co­bre, ní­quel, co­bal­to, man­ga­nês e ou­tros mi­né­ri­os. O CFB es­tá pron­to pa­ra ser usa­do por es­tes Es­ta­dos, evi­tan­do mi­lha­res de qui­ló­me­tros até aos por­tos de Mo­çam­bi­que, Áfri­ca do Sul ou Tan­zâ­nia. “É mais van­ta­jo­so, mais eco­nó­mi­co e mes­mo do pon­to de vis­ta lo­gís­ti­co tem me­nos cus­tos”, diz o mi­nis­tro dos Trans­por­tes, Au­gus­to To­más.

En­tre 2005 e 2015, o pro­gra­ma de re­a­bi­li­ta­ção do CFB re­pre­sen­tou um in­ves­ti­men­to de 1.900 mi­lhões de dó­la­res ame­ri­ca­nos de um to­tal de 3.500 mi­lhões de dó­la­res des­ti­na­dos à re­pa­ra­ção da re­de dos ca­mi­nhos­de-fer­ro de An­go­la.

Nes­tes nú­me­ros es­tão in­cluí­das ou­tras in­fra-es­tru­tu­ras, umas re­a­bi­li­ta­das e ou­tras er­gui­das de raiz ao lon­go do tra­ça­do do Ca­mi­nho-deFer­ro de Ben­gue­la em to­do o seu cor­re­dor des­de o Atlân­ti­co ao Lu­au e que in­clu­em es­tra­das, ae­ro­por­tos, por­tos, es­co­las e cen­tros de saú­de.

A re­a­bi­li­ta­ção e mo­der­ni­za­ção dos ra­mais do CFB in­clu­em a ins­ta­la­ção de re­des de fi­bra óp­ti­ca e equi­pa­men­tos de si­na­li­za­ção e se­gu­ran­ça em to­da a ex­ten­são das li­nhas, cons­tru­ção de pon­tes, pon­tões, ape­a­dei­ros, pas­sa­gens de ní­vel e va­las de dre­na­gem, além de mo­der­nas es­ta­ções pa­ra co­mo­di­da­de dos pas­sa­gei­ros, o que ex­pli­ca as so­mas as­tro­nó­mi­cas da em­prei­ta­da.

Lo­ca­li­za­do nu­ma saí­da pa­ra a RDC e Zâm­bia, o mu­ni­cí­pio do Lu­au es­tá de­fi­ni­ti­va­men­te des­ti­na­do a ser a “por­ta de en­tra­da” da de­se­ja­da in­te­gra­ção re­gi­o­nal de An­go­la na Áfri­ca Aus­tral por via de uma área de li­vre co­mér­cio e re­for­ço de uma sau­dá­vel vi­zi­nhan­ça.

EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Par­ce­ria em­pre­sa­ri­al en­tre So­nan­gol e Ca­mi­nho-de-Fer­ro de Ben­gue­la le­va de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co e so­ci­al ao Les­te

M. MACHANGONGO

Com a paz é pos­sí­vel a po­pu­la­ção re­gres­sar à pro­du­ção de ali­men­tos em gran­de es­ca­la e o seu es­co­a­men­to pa­ra di­fe­ren­tes mer­ca­dos na­ci­o­nais

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.