Cró­ni­ca de Luis Al­ber­to Fer­rei­ra

Jornal de Angola - - PARTADA - LUIS AL­BER­TO FER­REI­RA |*

Com o avan­çar dos anos - anos de re­tro­ces­so em áre­as fun­da­men­tais da vi­da hu­ma­na - a per­gun­ta é pa­ra on­de o rio vai, mas na­da nos im­pe­de de pro­ce­der sem de­lon­gas à ob­ser­va­ção das pe­dras que o rio traz. Cui­de­mos de as­su­mir es­sa res­pon­sa­bi­li­da­de, a de en­fren­tar a ig­no­mí­nia do lo­do hu­ma­no que re­ves­te as pe­dras que o rio traz. Se hon­rar­mos es­te ele­men­tar com­pro­mis­so, não se­rá va­cui­da­de fa­lar da éti­ca an­te o mun­do ac­tu­al - o que con­fe­re sen­ti­do às “Pa­la­vras”, de Je­an Paul Sar­tre, que Fran­çoi­se Sa­gan en­ca­re­cia, e tam­bém aos textos de 1996 as­si­na­dos pe­lo fi­ló­so­fo aus­tra­li­a­no Pe­ter Sin­ger so­bre os pro­ble­mas quo­ti­di­a­nos da so­ci­e­da­de con­tem­po­râ­nea. Gas­ta-se tem­po pre­ci­o­so na mag­ni­fi­ca­ção das no­vas tec­no­lo­gi­as - e não acon­te­cem ras­gos ins­ti­tu­ci­o­nais do cam­po pe­da­gó­gi­co que im­pe­çam o aces­so ao te­le­mó­vel de crianças de 5 anos, ou ve­dem a in­ser­ção fu­te­bo­lís­ti­ca pro­fis­si­o­nal de ado­les­cen­tes de 12 ou 13 anos em equi­pas de pra­ti­can­tes de 20 ou 22 anos. “A Éti­ca Au­sen­te de Tu­do” po­de­ria ser um no­vo tí­tu­lo na co­lec­tâ­nea do mes­mís­si­mo Pe­ter Sin­ger, que na­que­le ano de 1996 deu à es­tam­pa ”Éti­ca Prá­ti­ca” e “Éti­ca Pa­ra Vi­ver Me­lhor”.

Ve­mos na “Éti­ca Prá­ti­ca” a co­ra­jo­sas de­ci­são do au­tor de não se re­trair, por exem­plo, an­te ques­tões co­mo “jus­ti­fi­car” o in­fan­ti­cí­dio ou a eu­ta­ná­sia não con­sen­ti­da. Em to­do o ca­so, im­por­ta trans­fe­rir de ple­no pa­ra a car­ne vi­va dos ver­dei­ros pro­ble­mas do quo­ti­di­a­no o que é de fac­to iden­ti­fi­cá­vel co­mo útil e prá­ti­co na obra do aus­tra­li­a­no. Jo­sé Ma­nu­el Sán­chez Ron, ca­te­drá­ti­co de His­tó­ria da Re­al Aca­de­mia Es­pa­nho­la, é dos que me­lhor re­tra­tam es­se au­tên­ti­co ser­vi­ço à co­mu­ni­da­de. Co­mo? Ao achar que, par­tin­do da re­gra de ou­ro de que os nos­sos juí­zos éti­cos são uni­ver­sa­li­zá­veis, ten­tar com­pre­en­der qual é o va­lor úl­ti­mo da vi­da. Quais são as nos­sas res­pon­sa­bi­li­da­des pa­ra os de­mais e os nos­sos di­rei­tos, em par­ti­cu­lar acer­ca de nós pró­pri­os. To­da­via, é na “Éti­ca Pa­ra Vi­ver Me­lhor” que Sán­chez Ron iden­ti­fi­ca o Sin­ger de ple­no en­vol­vi­do na vi­da re­al: “Es­te pe­que­no tra­ta­do éti­co tem a vir­tu­de de pôr uma vez mais em evi­dên­cia a mi­sé­ria mo­ral que ca­rac­te­ri­za uma gran­de par­te do mun­do em que vi­ve­mos”. (Sem­pre me ape­go aos re­le­vos hu­ma­nos do cé­le­bre documentário de 2011 “Es­co­la­ri­zan­do o Mun­do - O Úl­ti­mo Far­do do Ho­mem Bran­co” - que tra­ta de de­mons­trar co­mo a con­cep­ção de edu­ca­ção es­co­lar que per­pas­sou os sé­cu­los es­tá as­so­ci­a­da à ideia da su­pe­ri­o­ri­da­de cul­tu­ral por par­te do Oci­den­te). O mun­do não ces­sa de de­mons­trar que tal te­o­ria so­ço­bra no cho­que di­a­léc­ti­co com as con­cep­ções do bra­si­lei­ro Paulo Freire ou do uru­guaio Edu­ar­do Ga­le­a­no. Va­lo­res co­li­gá­veis com o cer­ne da “Ge­o­gra­fia das De­si­gual­da­des”, de Pi­er­re Ge­or­ge, um dos pais da ge­o­gra­fia eco­nó­mi­ca e hu­ma­na dos cen­tros ur­ba­nos. O mui­to no­tá­vel so­ció­lo­go fran­cês mor­reu há pre­ci­sa­men­te dez anos - não fi­gu­ran­do, pois, na sua obra, nas su­as es­ta­tís­ti­cas, os ac­tu­ais 175 mi­lhões de po­bres na Amé­ri­ca La­ti­na ou os 3,5 mi­lhões a “vi­ver” em Es­pa­nha com cer­ca de 350,00 eu­ros men­sais. Im­põe-se, à som­bra ou não da “Éti­ca Pa­ra Vi­ver Me­lhor”, de Sin­ger, as­so­ci­ar os mo­dos e ní­veis de edu­ca­ção na po­bre­za à su­pe­ri­or edu­can­do­ria de Paulo Freire (“Pe­da­go­gia do Opri­mi­do”). O po­bre, co­mo os in­dí­ge­nas za­po­te­cos do es­ta­do me­xi­ca­no de Oa­xa­ca, é a vul­ne­ra­bi­li­da­de ape­te­cí­vel, fa­vo­re­ce­do­ra do ex­plo­ra­dor e do pre­da­dor. “A vi­o­lên­cia dos opres­so­res, que os faz tam­bém de­su­ma­ni­za­dos, não ins­tau­ra uma ou­tra vo­ca­ção - a do ser me­nos. Co­mo dis­tor­ção do ser mais, o ser me­nos le­va os opri­mi­dos, ce­do ou tar­de, a lu­tar con­tra quem os fez me­nos” (Paulo Freire). Na­que­le es­ta­do me­xi­ca­no de Oa­xa­ca, de pre­do­mi­nân­cia in­dí­ge­na an­ces­tral, mais de 20 por cen­to das es­co­las não têm água, 18 por cen­to não têm luz eléc­tri­ca, qua­se 30 por cen­to não têm sa­ni­tá­ri­os. No en­tan­to, des­de fi­nais do sé­cu­lo pas­sa­do até di­as re­cen­tes, é ali que se re­gis­ta o ín­di­ce mais al­to de crianças vi­o­la­das por sa­cer­do­tes pe­de­ras­tas da Igre­ja ca­tó­li­ca. A de­nún­cia jun­tou a or­ga­ni­za­ção ci­vil Fo­ro Oa­xa­que­nho da In­fân­cia e um nú­cleo de sa­cer­do­tes re­vol­ta­dos e sem me­do. Es­tes, se­gun­do o im­por­tan­te diário me­xi­ca­no “Ex­cél­si­or”, têm con­tra a sua pos­tu­ra o mais ines­pe­ra­do dos opo­si­to­res, a pró­pria ar­qui­di­o­ce­se de Oa­xa­ca. O diário “Ex­cél­si­or” não é uma qual­quer fo­lha sen­sa­ci­o­na­lis­ta. Prag­má­ti­co e ri­go­ro­so, o “Ex­cél­si­or” foi fun­da­do em 1917 e no seu his­to­ri­al avul­tam no­mes con­sa­gra­dos do jor­na­lis­mo me­xi­ca­no de sem­pre - Ra­fa­el Al­du­cin, um dos fun­da­do­res, fa­le­ci­do aos 35 anos, Ju­lio Sche­rer Gar­cía, ver­da­dei­ra “ins­ti­tui­ção”, ou o len­dá­rio Ma­nu­el Bu­en­día, cu­jo as­sas­si­na­to em 1984 con­ti­nua a ser re­la­ci­o­na­do com o li­vro por ele pu­bli­ca­do so­bre “As Ac­ti­vi­da­des da CIA no Mé­xi­co”. A man­che­te, de há di­as, do “Ex­cél­si­or”, é tris­te­men­te ex­plí­ci­ta: “Ar­ce­bis­po de Oa­xa­ca en­co­bre sa­cer­do­te que abu­sou de cer­ca de 100 crianças”. O pá­ro­co pe­de­ras­ta Gerardo Sil­ves­tre Her­nán­dez “agiu” em na­da me­nos de se­te pa­ró­qui­as de Oa­xa­ca. Is­to é, de es­cân­da­lo em es­cân­da­lo foi sen­do “pre­mi­a­do”, pe­la ar­qui­di­o­ce­se, com su­ces­si­vas trans­fe­rên­ci­as de lu­gar. O cú­mu­lo des­ta im­pu­ne bar­bá­rie con­tra in­de­fe­sas crianças in­dí­ge­nas ma­te­ri­a­li­za-se na pes­soa do pa­dre Jo­sé Ataul­fo Gar­cía: não obs­tan­te ser por­ta­dor do VHI-SIDA, o clé­ri­go vi­o­lou e con­ta­mi­nou mais de 30 me­ni­nas de en­tre 5 e 10 anos. Tam­bém des­con­cer­tan­te é a “subs­tân­cia” das re­ve­la­ções do ex-sa­cer­do­te e des­de 1994 ac­ti­vis­ta, tam­bém me­xi­ca­no, Al­ber­to Athié, que se exi­lou nos Es­ta­dos Uni­dos: “O Mé­xi­co tem os pe­de­ras­tas mais cruéis da Igre­ja ca­tó­li­ca. Co­nhe­cem-se mais de 500 ca­sos de crianças vi­o­la­das, por sa­cer­do­tes ca­tó­li­cos, des­de o ca­so de Mar­ci­al Ma­ci­el, fun­da­dor dos Le­gi­o­ná­ri­os de Cris­to no país”. É ma­ni­fes­to que a “Éti­ca Pa­ra Vi­ver Me­lhor” pas­sou ao la­do de Ma­ci­el, e não ape­nas de­le, no ma­gis­té­rio de João Paulo II: ten­do vi­o­la­do mais de 50 ado­les­cen­tes, foi “re­pre­en­di­do” por Ro­ma com a “pe­na” de “uns tem­pos de re­co­lhi­men­to”. O Pa­pa Fran­cis­co vi­si­tou o Mé­xi­co em Fe­ve­rei­ro des­te ano. Ha­via mães in­te­res­sa­das em ser ou­vi­das. A man­che­te do “Ex­cél­si­or” su­ge­re si­lên­cio na Ca­te­dral.

(*) Luis Al­ber­to Fer­rei­ra é o mais an­ti­go jor­na­lis­ta an­go­la­no no ac­ti­vo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.