Pri­são por condução ile­gal con­si­de­ra­da in­cons­ti­tu­ci­o­nal

Es­tu­dan­te de Di­rei­to de­nun­cia si­tu­a­ção em tra­ba­lho de fim de cur­so

Jornal de Angola - - PARTADA - AN­TÓ­NIO CA­PI­TÃO |

O es­tu­dan­te fi­na­lis­ta Ed­gar Do­min­gos, da Fa­cul­da­de de Di­rei­to da Uni­ver­si­da­de Kim­pa Vi­ta, de­fen­deu, na ci­da­de do Uí­ge, que as pe­nas de pri­são apli­ca­das pe­los tri­bu­nais por condução ile­gal são in­cons­ti­tu­ci­o­nais.

A te­se cons­ta da mo­no­gra­fia pa­ra ob­ten­ção do grau de li­cen­ci­a­do em Di­rei­to, apre­sen­ta­da on­tem. Ed­gar Do­min­gos in­da­ga, no tra­ba­lho aca­dé­mi­co, se o De­cre­to-lei 231/79 foi re­vo­ga­do pe­lo no­vo Có­di­go de Es­tra­da apro­va­do pe­lo De­cre­to-Lei 5/08, de 29 de Se­tem­bro, co­mo se po­de ex­pli­car a apli­ca­ção dos ar­ti­gos 23º e 24º do de­cre­to re­vo­ga­do, de­pois de o mes­mo ter si­do de­cla­ra­do ex­pres­sa­men­te in­cons­ti­tu­ci­o­nal pe­lo acór­dão nú­me­ro 328/2014 do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal e qual o re­gi­me ju­rí­di­co da condução ile­gal no or­de­na­men­to ju­rí­di­co an­go­la­no?

É que, de­fen­deu o es­tu­dan­te, o an­ti­go di­plo­ma con­sa­gra­va o prin­cí­pio da efec­ti­vi­da­de da pe­na de pri­são pa­ra os ca­sos de condução ile­gal, en­quan­to o no­vo Có­di­go de Es­tra­da não pu­ne com pri­são, mas sim com uma mul­ta que va­ria das 80 às 420 Uni­da­des de Cor­rec­ção Fis­cal (UCF), sen­do es­ta mais be­né­fi­ca, ten­do em con­ta a apli­ca­ção do prin­cí­pio da “lei mais fa­vo­rá­vel”.

“De­pois de uma aná­li­se exaus­ti­va, po­de­mos fa­cil­men­te con­cluir que o De­cre­to 231/79 es­tá re­vo­ga­do ta­ci­ta­men­te, uma vez que o De­cre­to-lei 5/08 veio re­gu­lar a mes­ma ma­té­ria, o que faz exis­tir uma in­com­pa­ti­bi­li­da­de en­tre as du­as nor­mas exis­ten­tes. E os juí­zes que ain­da man­dam con­du­zir à ca­deia ci­da­dãos por condução ile­gal co­me­tem um gra­ve atro­pe­lo ao no­vo Có­di­go de Es­tra­da, que de­fi­ne a ac­ção co­mo con­tra­ven­ção pas­sí­vel de mul­ta e não um cri­me”, sus­ten­tou.

O de­ca­no da Fa­cul­da­de de Di­rei­to da Uni­ver­si­da­de Kim­pa Vi­ta, Mbun­ga Nzin­ga, elo­gi­ou a qua­li­da­de da mo­no­gra­fia e a for­ma co­mo Ed­gar Do­min­gos abor­dou a te­má­ti­ca e es­cla­re­ceu as dú­vi­das le­van­ta­das pe­lo jú­ri. “Es­ta­mos re­go­zi­ja­dos por es­te fei­to, por­que é o fru­to de um ár­duo tra­ba­lho”, dis­se. O tra­ba­lho de Ed­gar Do­min­gos ob­te­ve 17 va­lo­res e a men­ção “mui­to bom”. É a pri­mei­ra mo­no­gra­fia pa­ra atri­bui­ção do grau de li­cen­ci­a­do a ser de­fen­di­da na Fa­cul­da­de de Di­rei­to da Uni­ver­si­da­de Kim­pa Vi­ta, des­de a sua fun­da­ção em 2011.

Mbun­ga Mzin­ga pro­me­teu que a Fa­cul­da­de de Di­rei­to vai apre­sen­tar à so­ci­e­da­de e ao go­ver­no da pro­vín­cia “qua­dros com ca­pa­ci­da­de e qua­li­da­de ju­rí­di­ca pa­ra con­tri­buí­rem pa­ra o me­lhor fun­ci­o­na­men­to da jus­ti­ça na pro­vín­cia e no país.” Nos pró­xi­mos di­as, vão ser apre­sen­ta­das e de­fen­di­das mo­no­gra­fi­as so­bre “A ga­ran­tia dos di­rei­tos fun­da­men­tais à luz do or­de­na­men­to ju­rí­di­co an­go­la­no”, “Con­tra­to de ade­são co­mo li­mi­te à li­ber­da­de con­tra­tu­al à luz do or­de­na­men­to ju­rí­di­co an­go­la­no”, “A res­pon­sa­bi­li­da­de ci­vil mé­di­ca à luz do or­de­na­men­to ju­rí­di­co an­go­la­no - er­ro mé­di­co”, “A or­ga­ni­za­ção ad­mi­nis­tra­ti­va” e “Os con­fli­tos in­di­vi­du­ais de tra­ba­lho e o aces­so à jus­ti­ça la­bo­ral fa­ce à Lei Ge­ral do Tra­ba­lho (Lei nº 7/15 de 15 de Ju­nho)”.

FI­LI­PE BO­TE­LHO

Es­tu­dan­te fi­na­lis­ta de Di­rei­to Ed­gar Do­min­gos (se­gun­do à es­quer­da) ao la­do dos mem­bros do jú­ri que ava­li­ou o seu tra­ba­lho de fim de cur­so

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.