Pro­du­to­res de sal io­di­za­do têm fa­ci­li­da­de de em­prés­ti­mo

Jornal de Angola - - PARTADA -

Os em­pre­sá­ri­os de pro­du­ção de sal io­di­za­do têm o aces­so ao cré­di­to ban­cá­rio mais fa­ci­li­ta­do, no qua­dro do pro­gra­ma “An­go­la Investe”, com ju­ros bo­ni­fi­ca­dos, as­se­gu­rou a di­rec­to­ra Na­ci­o­nal de Pro­du­ção e Io­di­za­ção do Sal.

Ci­da­li­na Cos­ta, que fa­la­va quar­ta­fei­ra, na vi­la de Ca­te­te, em Lu­an­da, à mar­gem do ac­to cen­tral das co­me­mo­ra­ções do Dia In­ter­na­ci­o­nal de Com­ba­te às Do­en­ças por De­fi­ci­ên­ci­as do Io­do, afir­mou que o no­vo me­ca­nis­mo vai per­mi­tir a mo­der­ni­za­ção das téc­ni­cas de ex­plo­ra­ção no sec­tor e o au­men­to da pro­du­ti­vi­da­de de sal no país.

A res­pon­sá­vel de­fen­de a in­tro­du­ção de tec­no­lo­gi­as mo­der­nas na ex­plo­ra­ção do pro­du­to es­sen­ci­al ao con­su­mo da po­pu­la­ção, “por­que ain­da usam téc­ni­cas ar­te­sa­nais. Is­to pres­su­põe de cer­ta for­ma a im­pos­si­bi­li­da­de de se atin­gir a pro­du­ção de gran­des quan­ti­da­des, cri­an­do, as­sim, no seio da po­pu­la­ção, a opor­tu­ni­da­de de se usar o sal im­pró­prio, pro­vo­can­do sé­ri­os pro­ble­mas de saú­de pú­bli­ca.” Ci­da­li­na Cos­ta su­bli­nhou que exis­tem, no ter­ri­tó­rio na­ci­o­na­al, 19 sa­li­nei­ras com des­ta­que pa­ra as pro­vín­ci­as de Ben­gue­la e do Na­mi­be, sem des­cu­rar as do Cu­an­za Sul, Zai­re, Lu­an­da e do Ben­go. Ca­bin­da, ape­sar de es­tar lo­ca­li­za­da na cos­ta, cons­ti­tui uma ex­cep­ção de­vi­do à ex­plo­ra­ção do pe­tró­leo.

O io­de­to de po­tás­sio é um mi­né­rio que ga­ran­te a io­di­za­ção do sal, dan­do-lhe qua­li­da­de, pre­ve­nin­do do­en­ças pa­ra as pes­so­as que con­so­mem sal não io­di­za­do.

Par­ti­ci­pa­ram no ac­to cen­tral, as se­cre­tá­ri­as do Es­ta­do da Saú­de, das Pes­cas, Edu­ca­ção, Agri­cul­tu­ra, re­pre­sen­tan­te do Ina­dec, Po­lí­cia Na­ci­o­nal, au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais e re­li­gi­o­sas, en­tre ou­tros con­vi­da­dos.

A se­cre­tá­ria de Es­ta­do das Pes­cas, Ma­ria Jo­a­na An­tó­nia Ne­lum­ba, re­fe­riu que a pro­du­ção anu­al de sal em An­go­la é de 42 mil 845 to­ne­la­das e 80 por cen­to da po­pu­la­ção an­go­la­na con­so­mem sal io­di­za­do de pro­du­ção na­ci­o­nal Ma­ria Ne­lum­ba, que con­si­de­rou in­su­fi­ci­en­te a pro­du­ção de sal io­di­za­do pa­ra su­prir as ne­ces­si­da­des da po­pu­la­ção hu­ma­na e ani­mal e da in­dús­tria, dis­se que o país im­por­ta 5.288 to­ne­la­das por ano.

Me­tas

Pa­ra a pro­du­ção su­fi­ci­en­te de sal io­di­za­do, o Go­ver­no an­go­la­no es­ta­be­le­ceu me­tas que de­vem ser atin­gi­das até 2017. Des­tas es­tra­té­gi­as cons­ta o tra­ta­men­to de 200 hec­ta­res de ter­ras pa­ra am­pli­a­ção de sa­li­nas, vi­san­do a in­tro­du­ção de no­vas tec­no­lo­gi­as pa­ra pro­du­ção in­dus­tri­al.

Ma­ria Ne­lum­ba acon­se­lhou o es­ta­be­le­ci­men­to de um pro­gra­ma de pes­qui­sa a ní­vel de saú­de pú­bli­ca pa­ra aná­li­se e de­ter­mi­na­ção do te­or de io­do na uri­na da po­pu­la­ção.

Pa­ra to­dos os en­vol­vi­dos, lem­brou ser ne­ces­sá­rio me­lho­rar-se a dis­tri­bui­ção e o aces­so ao sal io­di­za­do à po­pu­la­ção, prin­ci­pal­men­te, nas pro­vín­ci­as en­dé­mi­cas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.