Par­ce­ria Es­ta­do e igre­jas

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

“Pri­ma­mos sem­pre pe­lo es­ta­be­le­ci­men­to e ma­nu­ten­ção de bo­as re­la­ções com as igre­jas, en­quan­to im­por­tan­tes veí­cu­los de pro­mo­ção dos va­lo­res mo­rais, éti­cos e es­pi­ri­tu­ais, na educação da pes­soa hu­ma­na e na for­ma­ção de bons ci­da­dãos, pa­ra jun­tos cons­truir­mos uma so­ci­e­da­de me­lhor, que lu­ta pe­los va­lo­res mais no­bres, pe­la paz e jus­ti­ça so­ci­al”, re­a­fir­mou o vi­ce­pre­si­den­te do MPLA.

Num en­con­tro com re­pre­sen­tan­tes de vá­ri­as en­ti­da­des re­li­gi­o­sas, João Lou­ren­ço des­ta­cou as bo­as re­la­ções que exis­tem en­tre as au­to­ri­da­des se­cu­la­res e re­li­gi­o­sas, fa­zen­do de An­go­la um exem­plo no que a es­ses la­ços diz res­pei­to.

O po­lí­ti­co pre­ten­de que as en­ti­da­des re­li­gi­o­sas abra­cem as cau­sas per­se­gui­das pe­las au­to­ri­da­des do Es­ta­do, por­que, co­mo é fá­cil de per­ce­ber, o fim úl­ti­mo re­per­cu­te po­si­ti­va­men­te pa­ra os dois la­dos. As­sim, acre­di­ta­mos que se tor­na mais fá­cil pa­ra am­bas as par­tes, de acor­do com os seus fins e atri­bui­ções, in­ter­pre­tar ri­go­ro­sa­men­te o pre­cei­to de “dar a Cé­sar o que é de Cé­sar, e a Deus o que é de Deus”.

Os Es­ta­dos mo­der­nos ca­rac­te­ri­zam-se, além das su­as tra­di­ci­o­nais ins­ti­tui­ções, por um con­jun­to de ou­tras que, per­se­guin­do fins igual­men­te no­bres e de ele­va­ção da con­di­ção es­pi­ri­tu­al do ser hu­ma­no, são par­cei­ros im­pres­cin­dí­veis do Es­ta­do. Fa­la­mos das de­no­mi­na­ções re­li­gi­o­sas, aque­las ofi­ci­al­men­te re­co­nhe­ci­das pe­lo Es­ta­do ou em pro­ces­so de re­co­nhe­ci­men­to que têm me­re­ci­do, pro­por­ci­o­nal­men­te ao pa­pel que de­las se re­quer, a me­re­ci­da aten­ção do Es­ta­do.

Nu­ma al­tu­ra em que en­fren­ta­mos nu­me­ro­sos de­sa­fi­os pa­ra pro­por­ci­o­nar con­di­ções pa­ra que o ma­te­ri­al não fal­te aos se­res hu­ma­nos, faz to­do o sen­ti­do que a com­po­nen­te es­pi­ri­tu­al con­ti­nue as­se­gu­ra­da pa­ra a con­ten­ção das ten­dên­ci­as pe­ca­mi­no­sas e de­li­tu­o­sas. Co­mo lem­brou o tam­bém mi­nis­tro da De­fe­sa Na­ci­o­nal, ape­sar da na­tu­re­za lai­ca do Es­ta­do an­go­la­no à di­men­são cris­tã pre­sen­te na mai­o­ria do mo­sai­co de to­do o país, as au­to­ri­da­des an­go­la­nas sem­pre pri­vi­le­gi­a­ram es­sas re­la­ções.

Pre­ten­dem as au­to­ri­da­des an­go­la­nas con­ti­nu­ar a con­tar com as de­no­mi­na­ções re­li­gi­o­sas, re­pre­sen­ta­das em to­do o país, as re­co­nhe­ci­das e que res­pei­tam as leis, tra­di­ções e cos­tu­mes an­go­la­nos, pa­ra a cons­tru­ção de uma so­ci­e­da­de li­vre, jus­ta, de­mo­crá­ti­ca, so­li­dá­ria, de paz, igual­da­de e pro­gres­so so­ci­al.

Ho­je, to­dos com­pre­en­de­mos as di­fi­cul­da­des e de­sa­fi­os que as de­no­mi­na­ções re­li­gi­o­sas en­fren­tam na pros­se­cu­ção dos seus fins, sen­do im­por­tan­te que as li­de­ran­ças e os fiéis con­ti­nu­em a en­ca­rar as ins­ti­tui­ções do Es­ta­do co­mo par­cei­ras. Ur­ge per­ma­nen­te­men­te fa­zer pro­va das bo­as prá­ti­cas, se­pa­ran­do sem­pre do seu seio “o tri­go do joio” pa­ra que as bo­as re­la­ções en­tre as en­ti­da­des ecle­siás­ti­cas e se­cu­la­res não fi­quem pre­ju­di­ca­das. Is­to su­ce­de, mui­tas ve­zes, co­mo aler­tou o se­gun­do ho­mem na hi­e­rar­quia do par­ti­do no po­der, por cau­sa de pes­so­as que usam a re­li­gião pa­ra fins não re­li­gi­o­sos.

A vi­gi­lân­cia é fun­da­men­tal e to­do o ape­lo nes­te sen­ti­do não pre­ci­sa de ser in­ter­pre­ta­do co­mo ten­ta­ti­va por par­te dos ór­gãos do Es­ta­do pa­ra con­tro­lar ou cer­ce­ar as li­ber­da­des re­li­gi­o­sas. Pe­lo con­trá­rio, olhan­do pa­ra a re­a­li­da­de an­go­la­na des­de 1975, po­de­mos di­zer sem exa­ge­ro que a Re­pú­bli­ca de An­go­la é re­li­gi­o­sa­men­te dos paí­ses mais to­le­ran­tes.

À luz do ar­ti­go 41º da Cons­ti­tui­ção, so­bre li­ber­da­de de cons­ci­ên­cia, de re­li­gião e de cul­to, que diz no seu no nú­me­ro 1 que “a li­ber­da­de de cons­ci­ên­cia, de cren­ça re­li­gi­o­sa e de cul­to é in­vi­o­lá­vel”, o país pre­ten­de que as de­no­mi­na­ções te­nham li­ber­da­de pa­ra de­sem­pe­nha­rem o seu pa­pel. Is­to é sem­pre pos­sí­vel quan­do as en­ti­da­des re­li­gi­o­sas, par­ti­cu­lar­men­te as re­co­nhe­ci­das pe­lo Es­ta­do, não vão além das su­as atri­bui­ções, vi­o­lan­do leis, cor­rom­pen­do va­lo­res e aten­tan­do gra­ve­men­te con­tra as tra­di­ções dos po­vos.

O Exe­cu­ti­vo re­co­nhe­ce o pa­pel que as igre­jas de­sem­pe­nha­ram no pas­sa­do, de­sem­pe­nham ho­je e po­dem con­ti­nu­ar a de­sem­pe­nhar no fu­tu­ro pa­ra o bem da so­ci­e­da­de an­go­la­na. Nu­ma al­tu­ra em que lu­ta­mos pa­ra o res­ga­te de va­lo­res, pa­ra que con­du­tas des­vi­an­tes nas fa­mí­li­as, es­co­las e co­mu­ni­da­des não as­su­mam con­tor­nos in­con­tro­lá­veis, acre­di­ta­mos que a so­ci­e­da­de en­con­tra nas igre­jas o elo fun­da­men­tal.

São sem­pre bem-vin­das as pa­la­vras de en­co­ra­ja­men­to da di­rec­ção do Con­se­lho de Igre­jas Cris­tãs em An­go­la (CICA) e vin­das de ou­tras de­no­mi­na­ções re­li­gi­o­sas, di­ri­gi­das ao Exe­cu­ti­vo. Pa­ra a fren­te, fi­cam de­sa­fi­os que, te­mos a cer­te­za, vão ser equa­ci­o­na­dos no sen­ti­do de o Es­ta­do e as igre­jas man­te­rem a par­ce­ria.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.