Pe­tro re­a­ge em co­mu­ni­ca­do

CON­TRA­TA­ÇÃO DE EM­MA­NU­EL QUEZADA

Jornal de Angola - - CULTURA - ARMINDO PE­REI­RA |

De­pois de vei­cu­la­da pe­la im­pren­sa a con­tra­ta­ção mais so­nan­te da pré-tem­po­ra­da do bas­que­te­bol an­go­la­no em se­ni­o­res mas­cu­li­nos, com a saía do ba­se nor­te-ame­ri­ca­no Em­ma­nu­el Quezada do Ei­xo Viá­rio pa­ra o Rio Se­co, a di­rec­ção do Atlé­ti­co Pe­tró­le­os de Luanda vol­tou a re­a­gir on­tem, des­ta atra­vés de um co­mu­ni­ca­do no seu sí­tio ofi­ci­al na In­ter­net.

Na no­ta di­ri­gi­da aos só­ci­os, adep­tos e pu­bli­co em ge­ral, a di­rec­ção dos tri­co­lo­res su­bli­nhou que ape­sar de ter si­do no­ti­ci­a­do o vín­cu­lo con­tra­tu­al que pas­sa a li­gar o jo­ga­dor ao 1º de Agos­to por um pe­río­do de dois anos, Quezada tem um con­tra­to de tra­ba­lho vá­li­do pa­ra a pre­sen­te tem­po­ra­da. “A di­rec­ção do Atlé­ti­co Pe­tró­le­os de Luanda gos­ta­ria de re­cor­dar que na épo­ca de 2015 já ti­ve­mos um epi­só­dio si­mi­lar, com o atle­ta do Cam­pe­o­na­to Na­ci­o­nal de Fu­te­bol da I Di­vi­são, vul­go Girabola, Lad­ji Kei­ta, e com o mes­mo ad­ver­sá­rio, sen­do que es­te ape­sar de ter re­ce­bi­do avul­ta­das so­mas de di­nhei­ro, não vol­tou a jo­gar des­de 2014”, lê-se no co­mu­ni­ca­do.

A di­rec­ção do clu­be pe­tro­lí­fe­ro re­cor­dou igual­men­te que a mai­or trans­fe­rên­cia que já acon­te­ceu no pe­río­do pós In­de­pen­dên­cia no des­por­to na­ci­o­nal foi a pas­sa­gem do atle­ta de fu­te­bol Ndun­gi­di Da­ni­el pa­ra a sua agre­mi­a­ção. Mas fal­tou di­zer que o gran­de íco­ne dos mi­li­ta­res che­gou a cus­to ze­ro ao Ca­te­tão.

O clu­be in­for­mou ain­da que es­tá cons­ci­en­te que os pro­ces­sos de trans­fe­rên­cia de atle­tas de um clu­be pa­ra ou­tro é al­go nor­mal, des­de que se­jam fei­tos sem con­fli­tos, sen­do que a sua mai­or pre­o­cu­pa­ção é que in­de­pen­den­te­men­te da saí­da de um ou ou­tro atle­ta, o mais im­por­tan­te é con­ti­nu­ar a ter uma equi­pa ca­paz de cum­prir com os ob­jec­ti­vos tra­ça­dos.

“Ao lon­go dos 36 anos de exis­tên­cia da agre­mi­a­ção, já pas­sa­ram pe­lo clu­be um nú­me­ro ele­va­do de atle­tas com um al­to ní­vel de qua­li­da­de, que só as­sim se jus­ti­fi­cam a quan­ti­da­de de tro­féus con­quis­ta­dos até ao mo­men­to”, ex­pli­ca o elen­co pre­si­di­do por To­más Fa­ria.

A di­rec­ção do clu­be pe­tro­lí­fe­ro pro­me­te con­ti­nu­ar a pre­o­cu­pa­ra-se com o con­jun­to das equi­pas, pa­ra cum­prir com os ob­jec­ti­vos tra­ça­dos pe­los só­ci­os, por­que con­si­de­ra que os no­mes não jo­gam, pois “só as­sim se jus­ti­fi­ca a con­quis­ta da úl­ti­ma Ta­ça de An­go­la no an­de­bol sé­ni­or fe­mi­ni­no”, on­de pre­va­le­ceu o es­pí­ri­to de equi­pa e não a ca­pa­ci­da­de in­di­vi­du­al.

MIQUEIAS MACHANGONGO

Ba­se nor­te-ame­ri­ca­no as­si­nou con­tra­to com os mi­li­ta­res do Rio Se­co mas os pe­tro­lí­fe­ros ale­gam que o vín­cu­lo que os li­ga ain­da é vá­li­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.