Va­lor da res­ci­são bai­xa em Es­pa­nha

Jornal de Angola - - DESPORTO -

O mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças es­pa­nhol mu­dou a lei e, com is­so, po­de ter cri­a­do uma re­vo­lu­ção no fu­te­bol do país ibé­ri­co, se­gun­do no­ti­ci­ou o jor­nal "As". Tu­do por­que fa­rá com que as cláu­su­las de res­ci­são dos jo­ga­do­res fi­quem mais ba­ra­tas apro­xi­ma­da­men­te um ter­ço.

Até ago­ra, ba­ter a cláu­su­la de res­ci­são im­pli­ca­va o pa­ga­men­to de mais 48 por cen­to de IRS. Tu­do por­que ela faz par­te do con­tra­to de tra­ba­lho, as­si­na­do en­tre o jo­ga­dor e o clu­be; for­mal­men­te, só o jo­ga­dor po­de ac­ci­o­ná-la e nun­ca um ter­cei­ro clu­be que o quei­ra con­tra­tar.

Por is­so, quan­do um jo­ga­dor ac­ci­o­na­va a cláu­su­la, o Fis­co as­su­mia que ti­nha re­ce­bi­do es­se di­nhei­ro do clu­be que o iria con­tra­tar e ta­xa­va o va­lor co­mo se fos­se um ren­di­men­to. Daí, os 48 por cen­to (o es­ca­lão má­xi­mo do IRS em Es­pa­nha) a mais que era pre­ci­so gas­tar.

Por exem­plo, se um jo­ga­dor ti­nha uma cláu­su­la de res­ci­são de 100 mi­lhões de eu­ros, se­ri­am pre­ci­sos 148 mi­lhões pa­ra o con­tra­tar. Ago­ra, es­se va­lor fi­ca re­du­zi­do em qua­se um ter­ço.

Es­se di­nhei­ro dei­xa de con­tar co­mo ren­di­men­tos e não se­rá pre­ci­so pa­gar IRS so­bre ele. A me­di­da pro­me­te re­vo­lu­ci­o­nar o mer­ca­do de trans­fe­rên­ci­as, pois po­de fi­car bem mais ba­ra­to ba­ter a res­ci­são do que che­gar a acor­do com o ou­tro clu­be.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.