Pro­cu­ra­do­ra-Ge­ral re­jei­ta in­si­nu­a­ções de frau­de elei­to­ral

Jornal de Angola - - PARTADA -

A Pro­cu­ra­do­ra-Ge­ral dos Es­ta­dos Uni­dos re­jei­tou as in­si­nu­a­ções do can­di­da­to re­pu­bli­ca­no Do­nald Trump so­bre a ma­ni­pu­la­ção elei­to­ral a fa­vor de Hil­lary Clin­ton. Lyn­ch dis­se não exis­ti­rem ra­zões pa­ra crer que ha­ve­ria pe­ri­go re­al de bo­le­tins fal­sos, elei­to­res im­pe­di­dos de vo­tar.

A Pro­cu­ra­do­ra-Ge­ral dos Es­ta­dos Uni­dos, Lo­ret­ta Lyn­ch, re­jei­tou as in­si­nu­a­ções do can­di­da­to re­pu­bli­ca­no Do­nald Trump so­bre a ma­ni­pu­la­ção elei­to­ral a fa­vor da de­mo­cra­ta Hil­lary Clin­ton.

Em de­cla­ra­ções fei­tas na quin­ta­fei­ra, em Ro­ma, pou­co an­tes dos úl­ti­mos co­men­tá­ri­os de Trump so­bre o as­sun­to, Lyn­ch dis­se não exis­tir ra­zões pa­ra crer que ha­ve­ria um pe­ri­go re­al de bo­le­tins fal­sos, elei­to­res im­pe­di­dos de exer­cer o di­rei­to de vo­tar, ou con­tas fal­si­fi­ca­das.

Em di­fe­ren­tes oca­siões, Do­nald Trump afir­mou que a clas­se di­ri­gen­te dos Es­ta­dos Uni­dos es­tá tão de­ses­pe­ra­da pa­ra que Hil­lary ga­nhe as elei­ções que o re­sul­ta­do po­de ser dis­tor­ci­do a seu fa­vor.

Nas úl­ti­mas de­cla­ra­ções, em De­lawa­re (Nor­des­te), o can­di­da­to re­pu­bli­ca­no à Ca­sa Bran­ca dis­se que acei­ta­ria “um re­sul­ta­do cla­ro das elei­ções pre­si­den­ci­as” do mês que vem, mas re­ser­vou-se ao di­rei­to a ape­lar le­gal­men­te do re­sul­ta­do, se achar que é “ques­ti­o­ná­vel”.

So­bre co­men­tá­ri­os pa­re­ci­dos fei­tos por Trump na quar­ta-fei­ra an­tes do de­ba­te com Hil­lary, a Pro­cu­ra­do­ra-Ge­ral afir­mou que o De­par­ta­men­to de Jus­ti­ça con­si­de­ra­ria qual­quer re­cur­so que se apre­sen­tas­se no ór­gão.

Ela acres­cen­tou, po­rém, que “nes­te mo­men­to, não acho que se­ja útil es­pe­cu­lar so­bre se in­ves­ti­ga­ría­mos ou não al­go, en­quan­to não vir­mos qual­quer ame­a­ça ac­tu­al”.

Lyn­ch re­al­çou que o De­par­ta­men­to de Jus­ti­ça tra­ba­lha de for­ma es­trei­ta com os Es­ta­dos do país pa­ra ve­ri­fi­car que os sis­te­mas se- jam se­gu­ros fren­te ao ris­co de “hac­kers, ata­ques (ci­ber­né­ti­cos) e coi­sas pa­re­ci­das”.

“Acre­di­ta­mos que se­ja mui­to di­fí­cil pa­ra qual­quer pes­soa de fo­ra in­fluir no re­sul­ta­do. Te­mos uma gran­de con­fi­an­ça no nos­so sis­te­ma elei­to­ral”, sen­ten­ci­ou.

Lyn­ch dis­se tam­bém que o seu De­par­ta­men­to foi in­for­ma­do pe­los es­pe­ci­a­lis­tas em In­te­li­gên­cia so­bre as su­pos­tas ten­ta­ti­vas da Rús­sia de in­flu­en­ci­ar as elei­ções, atra­vés do en­vol­vi­men­to em fu­ga de in­for­ma­ções con­si­de­ra­das pre­ju­di­ci­ais pa­ra Hil­lary. O Pre­si­den­te nor­te-ame­ri­ca­no, Ba­rack Oba­ma, foi uma das prin­ci­pais vo­zes a cri­ti­car a pos­tu­ra de Do­nald Trump ao acu­sar o can­di­da­to re­pu­bli­ca­no à Ca­sa Bran­ca de “mi­nar a de­mo­cra­cia dos Es­ta­dos Uni­dos” e de cau­sar cons­ter­na­ção de­vi­do à ame­a­ça de não re­co­nhe­cer o re­sul­ta­do das elei­ções pre­si­den­ci­ais do dia 8 de No­vem­bro.

“Quan­do se ten­ta se­me­ar a se­men­te da dú­vi­da nas men­tes das pes­so­as so­bre a le­gi­ti­mi­da­de da nos­sa elei­ção, is­so mi­na a nos­sa de­mo­cra­cia”, dis­se Ba­rack Oba­ma du­ran­te um co­mí­cio em Mi­a­mi.

O Pre­si­den­te pe­diu uma “gran­de vi­tó­ria” pa­ra a de­mo­cra­ta Hil­lary Clin­ton pa­ra “não dei­xar dú­vi­das” so­bre o re­sul­ta­do.

Oba­ma con­de­nou as “ale­ga­ções sem pre­ce­den­tes” de Trump de que a elei­ção cor­re o ris­co de frau­de” e aler­tou de que as de­cla­ra­ções do re­pu­bli­ca­no não eram piada, mas um pas­so “pe­ri­go­so”.“Acre­di­ta­mos na de­mo­cra­cia e acei­ta­mos a de­ci­são do po­vo”, dis­se o Pre­si­den­te.

“Não há for­ma de ma­ni­pu­lar uma elei­ção num país tão gran­de”, in­sis­tiu. “É mais fá­cil ser atin­gi­do por um raio que es­tar per­to de al­guém que co­me­te frau­de elei­to­ral”.

Um pú­bli­co de 2.800 pes­so­as ova­ci­o­nou Oba­ma nu­ma qua­dra de bas­que­te da Flo­ri­da Me­mo­ri­al Uni­ver­sity, no no­ro­es­te de Mi­a­mi.

Quan­do dei­xou Las Vegas, após o de­ba­te de cam­pa­nha, na ma­dru­ga­da de quin­ta-fei­ra, Hil­lary Clin­ton, co­men­tou ra­pi­da­men­te à im­pren­sa que foi “hor­ro­ro­so” per­ce­ber que Trump evi­ta­va com­pro­me­ter-se a acei­tar os re­sul­ta­dos elei­to­rais.“O nos­so país exis­te há 240 anos (...) e nun­ca ques­ti­o­na­mos elei­ções. Um dos prin­cí­pi­os sem­pre foi que acei­ta­mos o re­sul­ta­do das elei­ções”, ex­pres­sou.

“É cla­ro que Trump diz es­tas coi­sas por­que não po­de acre­di­tar que não vai ga­nhar. Is­to é o pi­or ne­le”, dis­se à AFP uma sim­pa­ti­zan­te de Hil­lary, De­bra Daw­kins.

“A ideia de que Trump che­gue à Ca­sa Bran­ca é al­go que dá me­do não só no nos­so país, mas por to­do o mun­do”, acres­cen­tou a mu­lher, de 66 anos.

Tam­bém o can­di­da­to a vi­ce-pre­si­den­te de Clin­ton, se­na­dor Tim Kai­ne, dis­se ao ca­nal ABC que os co­men­tá­ri­os de Trump fo­ram “cho­can­tes, ab­so­lu­ta­men­te cho­can­tes”.

AFP

Hil­lary Clin­ton re­pu­di­ou as de­cla­ra­ções de Do­nald Trump so­bre a vo­ta­ção de No­vem­bro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.