Uma ra­di­o­gra­fia per­fei­ta

Jornal de Angola - - OPINIÃO - VIC­TOR CAR­VA­LHO |

No seu dis­cur­so de se­gun­da­fei­ra, que mar­cou o ar­ran­que de mais um ano le­gis­la­ti­vo, o Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos fez uma ra­di­o­gra­fia per­fei­ta so­bre aqui­lo que é o ac­tu­al es­ta­do da Na­ção An­go­la­na.

Um es­ta­do que é, co­mo o Pre­si­den­te te­ve oca­sião de bem su­bli­nhar, mar­ca­do por uma con­jun­tu­ra eco­nó­mi­ca ad­ver­sa, fru­to de um con­tex­to in­ter­na­ci­o­nal des­fa­vo­rá­vel pa­ra paí­ses, co­mo o nos­so, que ain­da se en­con­tram em vi­as de de­sen­vol­vi­men­to.

Não obs­tan­te es­sa gran­de con­tra­ri­e­da­de, o Che­fe de Es­ta­do te­ve a oportunidade de enu­me­rar to­da uma sé­rie de con­quis­tas en­tre­tan­to fei­tas e que dei­xam per­ce­ber a exis­tên­cia de con­di­ções pa­ra que pos­sa­mos re­for­çar a con­vic­ção de que a cri­se se­rá su­pe­ra­da, com mai­or ou me­nor di­fi­cul­da­de.

Pa­ra is­so, o Exe­cu­ti­vo apro­vou na sua úl­ti­ma reu­nião o Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do pa­ra 2017 on­de, co­mo era de es­pe­rar, a gran­de par­te dos re­cur­sos se­rá di­rec­ci­o­na­da pa­ra o sec­tor so­ci­al, aque­le que mais de per­to to­ca às pes­so­as.

Mas, pa­ra já e fru­to de uma sé­rie de me­di­das atem­pa­da­men­te adop­ta­das, en­tre as quais se des­ta­ca o pro­ces­so de di­ver­si­fi­ca­ção eco­nó­mi­ca, o país con­se­gue já ho­je res­pi­rar bem me­lhor do que há um ano atrás.

Nes­te mo­men­to, al­gu­mas in­dús­tri­as que ha­vi­am pa­ra­li­sa­do por fal­ta de ma­té­ria-pri­ma já re­to­ma­ram a sua pro­du­ção, o que irá aju­dar a re­em­pre­gar al­guns tra­ba­lha­do­res e a au­men­tar a ca­pa­ci­da­de da ofer­ta na­ci­o­nal pa­ra um mer­ca­do in­ter­no que ten­ta re­a­jus­tar-se de acor­do com a re­a­li­da­de. Fru­to da apos­ta no au­men­to da pro­du­ção na­ci­o­nal, so­bre­tu­do de bens ali­men­ta­res, tam­bém é um fac­to a ani­ma­do­ra re­du­ção do pre­ço da ge­ne­ra­li­da­de dos pro­du­tos ali­men­ta­res que es­tão in­cluí­dos na de­no­mi­na­da “ces­ta bá­si­ca”.

O fu­tu­ro ime­di­a­to des­te sec­tor, aliás, es­tá des­de já ga­ran­ti­do com a con­ti­nu­a­da che­ga­da ao país de apre­ciá­veis quan­ti­da­des de se­men­tes e de fer­ti­li­zan­tes que dei­xam an­te­ver um ano agrí­co­la ex­cep­ci­o­nal­men­te pro­du­ti­vo.

Se jun­tar­mos a is­to a con­fir­ma­ção de no­tí­ci­as so­bre a che­ga­da em bre­ve ao país dos pro­du­tos ali­men­ta­res que ain­da não são pro­du­zi­dos in­ter­na­men­te, te­re­mos en­tão cri­a­das as con­di­ções pa­ra a sa­tis­fa­ção das ne­ces­si­da­des bá­si­cas da po­pu­la­ção com re­fle­xos na di­mi­nui­ção da in­fla­ção e con­se­quen­te au­men­to do seu po­der de com­pra.

Tu­do is­to foi ra­di­o­gra­fa­do de for­ma per­fei­ta pe­lo Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos no seu dis­cur­so so­bre o Es­ta­do da Na­ção, o úl­ti­mo do seu ac­tu­al man­da­to e so­bre o qual a opo­si­ção re­a­giu com o aze­du­me que lhe é ca­rac­te­rís­ti­co e, tam­bém, com a cos­tu­ma­da fal­ta de ar­gu­men­tos téc­ni­cos que, in­fe­liz­men­te, já são a sua ima­gem de mar­ca.

É nor­mal que a opo­si­ção, no cum­pri­men­to do seu pa­pel po­lí­ti­co, cri­ti­que o che­fe do Exe­cu­ti­vo. O que já não é nor­mal é que es­sas crí­ti­cas, in­va­ri­a­vel­men­te, não se­jam acom­pa­nha­das não só de ar­gu­men­tos só­li­dos co­mo, tam­bém, de al­ter­na­ti­vas que pos­sam ser­vir pa­ra que to­dos nós te­nha­mos uma ideia da­qui­lo que fa­ria se es­ti­ves­se no po­der.

O mo­men­to que o país vi­ve, a um ano da re­a­li­za­ção de elei­ções, me­re­cia que o de­ba­te po­lí­ti­co fos­se fei­to com mais se­ri­e­da­de, com ca­da um dos di­fe­ren­tes in­ter­ve­ni­en­tes a as­su­mir as su­as res­pon­sa­bi­li­da­des pe­ran­te os ci­da­dãos.

Mas não é is­so que se pas­sa. Mais uma vez, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca en­ca­rou a Na­ção, olhan­do-a nos olhos, co­lo­can­do o acen­to tó­ni­co no pre­sen­te pa­ra ga­ran­tir um fu­tu­ro me­lhor.

A opo­si­ção, no­va­men­te, en­go­liu em se­co e re­cor­reu a fra­ses fei­tas pa­ra mos­trar que não es­tá mi­ni­ma­men­te pre­pa­ra­da pa­ra as­su­mir as res­pon­sa­bi­li­da­des que tem, tan­to a ní­vel do Par­la­men­to co­mo na pró­pria dis­pu­ta po­lí­ti­ca avul­sa.

O po­vo, que vi­ve de­ter­mi­na­do em tu­do fa­zer pa­ra su­pe­rar a cri­se, mais uma vez ren­deu-se à cla­ri­vi­dên­cia do Pre­si­den­te até por­que sen­te os efei­tos po­si­ti­vos das me­di­das que têm si­do to­ma­das pe­lo Exe­cu­ti­vo, e não se re­vê nos jo­gos flo­rais com que a opo­si­ção os ten­ta en­tre­ter, sen­do dis­so exem­plo a “ré­pli­ca” mal en­sai­a­da por Isaías Sa­ma­ku­va, de qu­em se exi­ge mais ima­gi­na­ção e for­ça ar­gu­men­ta­ti­va.

Na ver­da­de, no ac­tu­al de­ba­te po­lí­ti­co, tu­do se po­dia re­su­mir no se­guin­te: en­quan­to uns fa­lam, pa­re­cen­do não sa­ber o que di­zem, ou­tros tra­ba­lham e mos­tram re­sul­ta­dos.

A po­pu­la­ção, es­sa, es­tá aten­ta e não dei­xa­rá de se ma­ni­fes­tar quan­do no pró­xi­mo ano for cha­ma­da às ur­nas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.