As­sal­tos a cam­pos agrí­co­las pre­o­cu­pam po­pu­la­ção de Ngo­ma

MBAN­ZA CON­GO So­ba da al­deia pe­de mai­or in­ter­ven­ção po­li­ci­al pa­ra ga­ran­tir se­gu­ran­ça na lo­ca­li­da­de

Jornal de Angola - - REPORTAGEM - KAYILA SILVINA |

Os cons­tan­tes rou­bos em cam­pos de cul­ti­vo pre­o­cu­pam os cam­po­ne­ses da al­deia de Ngo­ma, ar­re­do­res da ci­da­de de Mban­za Con­go, ca­pi­tal da pro­vín­cia do Zai­re, que cla­mam por in­ter­ven­ção po­li­ci­al na re­gião.

Pro­pri­e­tá­ri­os de la­vras afir­mam que in­di­ví­du­os des­co­nhe­ci­dos se des­lo­cam em tri­ci­clos mo­to­ri­za­dos, co­nhe­ci­dos por “ntu a mbu­an­zi” (ca­be­ça de mos­ca, em por­tu­guês), que usam pa­ra trans­por­tar os pro­du­tos rou­ba­dos.

Na lo­ca­li­da­de de Ngo­ma, o pro­jec­to de aqui­cul­tu­ra, pa­ra o qual fo­ram cons­truí­dos vá­ri­os tan­ques, fa­liu após sa­bo­ta­gem por ele­men­tos des­co­nhe­ci­dos.

O so­ba da al­deia de Ngo­ma, Edu­ar­do Nki­am­bi, dis­se ao Jor­nal de An­go­la que a po­pu­la­ção es­tá des­con­ten­te com a si­tu­a­ção, pois o pro­jec­to ti­nha co­mo fi­na­li­da­de, re­du­zir a fo­me e a po­bre­za na­que­la co­mu­ni­da­de ru­ral.

Edu­ar­do Nki­am­bi acres­cen­tou que o pro­jec­to vi­sa­va es­ti­mu­lar a pro­du­ção agrí­co­la e a pis­ci­cul­tu­ra, con­tri­buir pa­ra a di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia e es­ta­va em fran­co cres­ci­men­to. O pro­jec­to, de ini­ci­a­ti­va pri­va­da, con­ta­va com qua­tro tan­ques pa­ra a cri­a­ção de peixes. “Os ban­di­dos sa­bo­ta­ram e rou­ba­ram to­dos os peixes”, afir­mou o so­ba.

A al­deia de Ngo­ma, a cin­co qui­ló­me­tros da se­de de Mban­za Con­go, das mais po­pu­lo­sas da re­gião, pos­sui zo­nas em que os ha­bi­tan­tes pra­ti­cam a ca­ça e a pas­to­rí­cia, além da cri­a­ção de por­cos.

O so­ba re­fe­riu que, com o eclo­dir da cri­se eco­nó­mi­ca, os as­sal­tos às la­vras au­men­ta­ram, o que afli­ge as fa­mí­li­as cam­po­ne­sas.

“Além dos rou­bos nas la­vras, os mar­gi­nais pra­ti­cam tam­bém ou­tros cri­mes, co­mo vi­o­la­ção se­xu­al de cam­po­ne­sas, e in­ten­si­fi­cam as ofen­sas cor­po­rais a ci­da­dãos in­de­fe­sos”, de­nun­ci­ou o so­ba Edu­ar­do Nki­am­bi.

Mu­ni­dos de ar­mas de fo­go de fa­bri­co ar­te­sa­nal, os me­li­an­tes “apo­de­ram-se das la­vras dos cam­po­ne­ses e re­ti­ram to­dos os pro­du­tos cul­ti­va­dos”, afir­mou. Em mui­tos ca­sos, “che­gam a de­ter­mi­nar os di­as que os pro­pri­e­tá­ri­os de cam­pos po­dem fre­quen­tar as la­vras”, re­fe­riu. A au­to­ri­da­de tra­di­ci­o­nal lan­çou um ve­e­men­te ape­lo aos ór­gãos po­li­ci­ais pa­ra tra­ba­lha­rem no sen­ti­do de de­vol­ve­rem a se­gu­ran­ça aos cam­po­ne­ses na al­deia.De acor­do com o so­ba, os cam­po­ne­ses vão às la­vras de se­gun­da a quin­ta-fei­ra, en­quan­to os me­li­an­tes ac­tu­am, so­bre­tu­do, às sex­tas e sá­ba­dos.

Vi­as ur­ba­nas

O pro­gra­ma das vi­as ur­ba­nas, que de­cor­re a bom rit­mo em Mban­za Con­go, me­re­ceu elo­gi­os do so­ba de Ngo­ma. Edu­ar­do Nki­am­bi enal­te­ceu os be­ne­fí­ci­os do pro­jec­to pa­ra os ha­bi­tan­tes da ci­da­de.

Em Mban­za Con­go, es­tão em re­a­bi­li­ta­ção as ru­as dos bair­ros Ál­va­ro Bu­ta, Sa­gra­da Es­pe­ran­ça, 11 de No­vem­bro e Mar­tins Ki­di­to.

O pro­jec­to, que abran­ge a al­deia de Ngo­ma, in­clui ilu­mi­na­ção pú­bli­ca, ca­na­li­za­ção de água, co­lec­to­res de águas plu­vi­ais, es­co­a­men­to das re­si­du­ais, te­le­co­mu­ni­ca­ções, pas­sei­os e si­na­li­za­ção.

Pa­ra Edu­ar­do Nki­am­bi, a ilu­mi­na­ção pú­bli­ca vai re­du­zir em mui­to a cri­mi­na­li­da­de.An­ti­go ins­pec­tor pro­vin­ci­al da Edu­ca­ção, Edu­ar­do Nki­am­bi acon­se­lhou os jo­vens a de­di­ca­rem-se aos es­tu­dos, pa­ra ga­ran­ti­rem o fu­tu­ro, e evi­ta­rem a prá­ti­ca de cri­mes e a van­da­li­za­ção dos bens pú­bli­cos co­lo­ca­dos à dis­po­si­ção da po­pu­la­ção.

Ac­ções de van­da­lis­mo

A al­deia de Ngo­ma tem uma es­co­la de 12 sa­las, pos­to de saú­de, re­ser­va­tó­rio de água e um gru­po ge­ra­dor de 1.000 kva.

Pa­ra com­ba­ter a cri­mi­na­li­da­de, a Po­lí­cia Na­ci­o­nal faz o pa­tru­lha­men­to da al­deia, mas, na opi­nião do so­ba, es­sas ac­ções de­vem ser re­do­bra­das.“Na calada da noi­te, te­mos re­gis­ta­do ac­ções ban­di­tes­cas per­pe­tra­das por jo­vens, ain­da por iden­ti­fi­car”, dis­se. “A po­pu­la­ção en­fren­ta mui­tos pro­ble­mas de se­gu­ran­ça, quan­do cir­cu­la no bair­ro” dis­se.

Com 73 anos de ida­de, o so­ba re­si­de há mais de dez no bair­ro Ngo­ma. Fri­sou que as au­to­ri­da­des mu­ni­ci­pais já têm co­nhe­ci­men­to da si­tu­a­ção, mas ur­ge re­for­çar o pa­tru­lha­men­to po­li­ci­al, bem co­mo a ins­ta­la­ção de um pos­to po­li­ci­al ou de uma es­qua­dra mó­vel no bair­ro.Os as­sal­tan­tes che­gam a ar­rom­bar as por­tas das ca­sas com as pes­so­as a dor­mir e ame­a­çam os ci­da­dãos, so­bre­tu­do, ven­de­do­res da pra­ci­nha das 15 ca­sas.

Os mar­gi­nais rou­bam car­tei­ras da es­co­la, que­bram vi­dros das ja­ne­las e pin­cham as pa­re­des.

Al­deia da ale­gria

A al­deia de Ngo­ma foi fun­da­da por três ele­men­tos oriun­dos do mu­ni­cí­pio do Bem­be, pro­vín­cia do Uí­ge. Ma­nu­el Lu­la, An­tó­nio Pe­tiz e Mi­guel Tei­xei­ra eram con­se­lhei­ros do úl­ti­mo rei do Con­go em 1916, a qu­em pe­di­ram a par­ce­la de ter­ra pa­ra fun­dar o po­vo­a­do, o que acon­te­ceu em 1918.

Ngo­ma, em ki­kon­go, sig­ni­fi­ca ba­tu­que, de­sig­na­ção que re­flec­te a ale­gria da po­pu­la­ção lo­cal, dis­se o so­ba. A al­deia es­tá li­ga­da a Mban­za Con­go de­vi­do ao cres­ci­men­to de­mo­grá­fi­co.

Edu­ar­do Nki­am­bi agra­de­ceu os es­for­ços do Go­ver­no Pro­vin­ci­al pa­ra le­var os ser­vi­ços pú­bli­cos à po­pu­la­ção lo­cal.

JAIMAGENS

A au­to­ri­da­de tra­di­ci­o­nal lan­çou um ape­lo aos ór­gãos po­li­ci­ais pa­ra tra­ba­lha­rem no sen­ti­do de de­vol­ve­rem a se­gu­ran­ça

JAIMAGENS

Na es­co­la os jo­vens re­si­den­tes são acon­se­lha­dos a es­tu­dar pa­ra ga­ran­ti­rem o fu­tu­ro e abs­ter-se da prá­ti­ca de cri­mes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.