Ca­na­dá “pas­sa a bo­la” pa­ra a União Eu­ro­peia

Jornal de Angola - - OPINIÃO - CÉLINE LE PRIOUX

O Ca­na­dá afir­mou no sá­ba­do que a União Eu­ro­peia (UE) de­ve “ter­mi­nar o seu tra­ba­lho” so­bre o CETA, o tra­ta­do de li­vre co­mér­cio en­tre o país e o blo­co ru­bri­ca­do há se­te anos, e re­cor­dou que o acor­do, blo­que­a­do por uma re­gião bel­ga, es­tá pron­to pa­ra ser as­si­na­do.

“O Ca­na­dá fez o seu tra­ba­lho, a bo­la es­tá no cam­po da Eu­ro­pa”, de­cla­rou Chys­tia Fre­e­land, mi­nis­tra ca­na­di­a­na do Co­mér­cio, no fi­nal de um en­con­tro com o pre­si­den­te do Par­la­men­to Eu­ro­peu, o ale­mão Mar­tin Schulz.

“Ain­da te­mos al­gu­mas di­fi­cul­da­des en­tre eu­ro­peus”, dis­se Paul Mag­net­te, che­fe de Go­ver­no da re­gião bel­ga fran­có­fo­na da Va­ló­nia, que blo­queia o acor­do, após uma reu­nião com Schulz.

Mag­net­te ce­le­brou o fac­to de que as dis­cus­sões pos­te­ri­o­res ao vo­to con­trá­rio do Par­la­men­to va­lão te­rem per­mi­ti­do me­lho­rar o tex­to do acor­do.

A mi­nis­tra ca­na­di­a­na do Co­mér­cio dei­xou Bru­xe­las após o fra­cas­so das ne­go­ci­a­ções com a re­gião bel­ga “mui­to de­cep­ci­o­na­da” com os adi­a­men­tos eu­ro­peus.

“Es­ta­mos pron­tos pa­ra as­si­nar o acor­do CETA e con­ti­nu­a­mos à es­pe­ra que se­ja pos­sí­vel as­si­ná-lo em 27 de Ou­tu­bro”, dis­se Fre­e­land an­tes de vi­a­jar pa­ra o Ca­na­dá.

A as­si­na­tu­ra do acor­do, pre­vis­ta pa­ra a pró­xi­ma quin­ta-fei­ra, ain­da de­pen­de da apro­va­ção da re­gião bel­ga da Va­ló­nia, que se ne­ga a au­to­ri­zar Bru­xe­las a as­si­nar o tex­to ale­gan­do “fal­ta de tem­po e de de­mo­cra­cia”.

“Es­pe­ro re­al­men­te que os eu­ro­peus che­guem a um acor­do e pos­sa re­tor­nar o diá­lo­go den­tro de al­guns di­as com o pri­mei­ro-mi­nis­tro pa­ra as­si­nar o tra­ta­do”, dis­se Fre­e­land.

Schulz afir­mou que a reu­nião de cú­pu­la com o pri­mei­ro-mi­nis­tro ca­na­di­a­na Jus­tin Tru­de­au per­ma­ne­ce agen­da­da.

A Va­ló­nia, re­gião de 3,6 mi­lhões de ha­bi­tan­tes, vê no CETA, que en­vol­ve 500 mi­lhões de eu­ro­peus, as pre­mis­sas do Tra­ta­do Tran­sa­tlân­ti­co de Co­mér­cio e In­ves­ti­men­tos (TTIP), mui­to im­po­pu­lar, que a União Eu­ro­peia (UE) ne­go­ceia com di­fi­cul­da­des com os Es­ta­dos Uni­dos.

O go­ver­no va­lão quer mais ga­ran­ti­as, es­pe­ci­al­men­te na pro­tec­ção dos agri­cul­to­res e pe­ran­te as mul­ti­na­ci­o­nais.

O Acor­do Eco­nó­mi­co e Co­mer­ci­al Glo­bal (AECG), mais co­nhe­ci­do pe­la si­gla em in­glês CETA (Com­prehen­si­ve Eco­no­mic and Tra­de Agre­e­ment), pre­vê de fac­to o fim das ta­xas de im­por­ta­ção pa­ra qua­se to­dos os pro­du­tos. En­tre as pou­cas ex­cep­ções es­tão as ex­por­ta­ções de car­ne bo­vi­na e suí­na do Ca­na­dá pa­ra a UE.

“Os pro­ble­mas que per­sis­tem es­tão den­tro da União Eu­ro­peia. Os ca­na­di­a­nos ex­pli­ca­ram que as ne­go­ci­a­ções es­tão ter­mi­na­das, po­dem as­si­nar o acor­do”, dis­se Schulz. “Não há ne­nhum pro­ble­ma que não pos­sa ser so­lu­ci­o­na­do”, com­ple­tou o pre­si­den­te do Par­la­men­to Eu­ro­peu.

Na sex­ta-fei­ra, Fre­e­land la­men­tou, emo­ci­o­na­da, que “a União Eu­ro­peia ago­ra se­ja in­ca­paz de al­can­çar um acor­do in­ter­na­ci­o­nal, in­clu­si­ve com um país que con­ta com va­lo­res tão eu­ro­peus (...), tão amá­vel e com tan­ta pa­ci­ên­cia co­mo o Ca­na­dá”.

O blo­queio pro­vo­ca dú­vi­da so­bre a ca­pa­ci­da­de da UE de ne­go­ci­ar acor­dos co­mer­ci­ais si­mi­la­res com Es­ta­dos Uni­dos ou Ja­pão.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.