EM DE­FE­SA DAS CRI­AN­ÇAS Mar­cha re­pu­dia abu­so se­xu­al

Jornal de Angola - - DESPORTO - ANA PAU­LO |

Uma mar­cha de re­pú­dio ao abu­so se­xu­al das cri­an­ças foi re­a­li­za­da on­tem, em Lu­an­da, com a par­ti­ci­pa­ção de mem­bros do Go­ver­no, de­pu­ta­dos, re­pre­sen­tan­tes de or­ga­ni­za­ções da so­ci­e­da­de ci­vil, mu­lhe­res po­lí­ci­as, re­li­gi­o­sos, en­ti­da­des tra­di­ci­o­nais e alu­nos de es­co­las pú­bli­cas e pri­va­das.

Ao lon­go do per­cur­so da Ci­da­de­la Des­por­ti­va até ao Lar­go da Fa­mí­lia os par­ti­ci­pan­tes na mar­cha, que te­ve co­mo le­ma “Abu­so se­xu­al con­tra a cri­an­ça é cri­me. De­nun­cie”, gri­ta­ram vá­ri­as ve­zes em unís­so­no: “Abai­xo os ngom­bi­ri (vi­o­la­do­res), ca­deia com eles!”.

Nil­za de Fá­ti­ma Ba­ta­lha, di­rec­to­ra do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal da Cri­an­ça (INAC), dis­se que no ano pas­sa­do fo­ram re­gis­ta­dos, em to­do país, mais de mil ca­sos de abu­sos a cri­an­ças. Ao lon­go des­te ano di­a­ri­a­men­te che­gam ao co­nhe­ci­men­to das au­to­ri­da­des, em mé­dia, dez ca­sos de abu­sos, só na pro­vín­cia de Lu­an­da. “As fa­mí­li­as são si­len­ci­a­das por ver­go­nha ou me­do, e is­so che­ga a ser mais pre­o­cu­pan­te por­que quer a ví­ti­ma co­mo a fa­mí­lia não be­ne­fi­ci­am do apoio psi­cos­so­ci­al pa­ra que pos­sam su­pe­rar os trau­mas”.

Se­gun­do Nil­za Ba­ta­lha, na­da jus­ti­fi­ca a vi­o­lên­cia con­tra a cri­an­ça. Por is­so, dis­se, os ci­da­dãos, go­ver­nan­tes, po­lí­ti­cos, jor­na­lis­tas e en­ti­da­des tra­di­ci­o­nais de­vem ze­lar pa­ra que a in­for­ma­ção che­gue às fa­mí­li­as e às mu­lhe­res. “Te­mos co­mo mis­são sen­si­bi­li­zar o mai­or nú­me­ro de pes­so­as so­bre o abu­so se­xu­al”, re­fe­riu. A vi­ce-go­ver­na­do­ra da pro­vín­cia de Lu­an­da, Jo­ve­li­na Im­pe­ri­al, sa­li­en­tou que o nú­me­ro de de­nún­ci­as de abu­so se­xu­al a cri­an­ças pra­ti­ca­do por adul­tos e pa­ren­tes au­men­tou con­si­de­ra­vel­men­te. Fri­sou que é di­fí­cil com­ba­ter a vi­o­lên­cia con­tra a cri­an­ça pe­lo fac­to de ela ocor­rer no seio fa­mi­li­ar. “É ne­ces­sá­rio o en­vol­vi­men­to da co­mu­ni­da­de, em par­ti­cu­lar dos pais e edu­ca­do­res, no sen­ti­do de pre­ve­nir e di­vul­gar mais as in­for­ma­ções so­bre o fe­nó­me­no que con­ti­nua a des­truir a vi­da e a ale­gria das cri­an­ças.”

Jo­ve­li­na Im­pe­ri­al dis­se es­pe­rar que os ci­da­dãos se­jam agen­tes de de­fe­sa e pro­mo­ção dos di­rei­tos da cri­an­ça e aler­tou as cri­an­ças e adul­tos pa­ra os da­nos fí­si­cos e psi­co­ló­gi­cos que so­frem as ví­ti­mas da vi­o­lên­cia se­xu­al. Vi­tó­ria Cor­reia, se­cre­tá­ria de Es­ta­do da Fa­mí­lia e Pro­mo­ção da Mu­lher, afir­mou que o fe­nó­me­no do abu­so se­xu­al a me­no­res vai ser com­ba­ti­do com for­tes cam­pa­nhas de edu­ca­ção cí­vi­ca e com me­di­das ju­di­ci­ais se­ve­ras pa­ra res­pon­sa­bi­li­zar os seus au­to­res.

Por sua vez, a se­cre­ta­ria de Es­ta­do da Saú­de, Cons­tan­ti­na Fur­ta­do, dis­se que o abu­so se­xu­al de me­no­res de­ve ser en­ca­ra­do co­mo uma agres­são a qual­quer mem­bro da so­ci­e­da­de ci­vil.

O pe­que­no Edi­vâ­nio de Me­lo, dez anos, leu uma men­sa­gem, em no­me das cri­an­ças an­go­la­nas, de re­pú­dio aos abu­sos se­xu­ais e à fu­ga à pa­ter­ni­da­de. “Ne­ces­si­ta­mos de pro­tec­ção, amor. Se­gu­ran­ça, por­que so­mos cri­an­ças e não nos sa­be­mos de­fen­der”, dis­se Edi­vâ­nio de Me­lo que dei­xou, igual­men­te, um ape­lo à so­ci­e­da­de pa­ra o res­pei­to aos di­rei­tos da cri­an­ça.

A tar­de de sex­ta-fei­ra foi de pâ­ni­co num pe­que­no ae­ro­por­to da ci­da­de de Lon­dres, que foi eva­cu­a­do de­vi­do a um su­pos­to “in­ci­den­te quí­mi­co”. De acor­do com o Cor­po de Bom­bei­ros da ca­pi­tal bri­tâ­ni­ca, cer­ca de 500 pas­sa­gei­ros e fun­ci­o­ná­ri­os ti­ve­ram de dei­xar o ae­ro­por­to após um alar­me de in­cên­dio ter si­do dis­pa­ra­do. Mui­tos de­les aca­ba­ram por ser con­du­zi­dos pa­ra as pis­tas, jun­to aos aviões. Além dis­so, pe­lo me­nos 26 pes­so­as fo­ram so­cor­ri­das no lo­cal por pro­ble­mas re­la­ci­o­na­dos com di­fi­cul­da­de de res­pi­ra­ção, mas sem gra­vi­da­de.

KINDALA MA­NU­EL

INAC con­si­de­ra pre­o­cu­pan­te a ati­tu­de de mui­tas fa­mí­li­as an­go­la­nas que con­fron­ta­das com ca­sos de vi­o­la­ção de me­nor op­tam pe­lo si­lên­cio por ver­go­nha ou me­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.