Per­ma­nên­cia ou re­ti­ra­da do Tri­bu­nal Pe­nal

A GRAN­DE QUES­TÃO

Jornal de Angola - - PARTADA - FAUSTINO HEN­RI­QUE |

O anún­cio por par­te da Áfri­ca do Sul, da for­ma­li­za­ção do pro­ces­so de re­ti­ra­da do Tra­ta­do de Ro­ma que cria o Tri­bu­nal Pe­nal In­ter­na­ci­o­nal, po­de de­ge­ne­rar num efei­to de bo­la de ne­ve por via do qual os 34 paí­ses afri­ca­nos sig­na­tá­ri­os aca­ba­rão por ali­nhar. Tra­ta-se de um de­ba­te que, em Áfri­ca, não é no­vo, mas que apai­xo­na e traz con­si­go dois gran­des gru­pos an­ta­gó­ni­cos, no­me­a­da­men­te aque­les que de­fen­dem a re­ti­ra­da e os que de­fen­dem a per­ma­nên­cia. Cu­ri­o­sa­men­te não se fa­la de um ter­cei­ro gru­po que, em úl­ti­ma ins­tân­cia e de acor­do com o pre­vis­to no Ac­to Cons­ti­tu­ti­vo da União Afri­ca­na e nas Car­tas das vá­ri­as or­ga­ni­za­ções sub-re­gi­o­nais, de­fen­de­ria uma so­lu­ção afri­ca­na, con­ti­nen­tal ou re­gi­o­nal.

Os pri­mei­ros, so­cor­ren­do-se do que cha­mam de pro­pen­são per­ma­nen­te do TPI em vi­sar lí­de­res afri­ca­nos, de­fen­dem que os paí­ses afri­ca­nos de­vem pon­de­rar uma saí­da em mas­sa do Tra­ta­do. Ape­nas pa­ra se ter uma ideia do que le­va, ca­da vez mais, nu­me­ro­sos sec­to­res em Áfri­ca a en­ca­rar com mui­tas re­ser­vas o TPI, ac­tu­al­men­te no­ve dos dez ca­sos sob in­ves­ti­ga­ção do TPI es­tão em Áfri­ca. Em ca­tor­ze anos de His­tó­ria, des­de 2002, quan­do foi cons­ti­tuí­do por for­ça do re­fe­ri­do Tra­ta­do de Ro­ma, o TPI ape­nas le­vou à jus­ti­ça afri­ca­nos.

O se­gun­do seg­men­to, acom­pa­nha­do por paí­ses oci­den­tais, di­tos do­a­do­res que vin­cu­lam as su­as do­a­ções e em­prés­ti­mos à per­ma­nên­cia, de­fen­dem que uma saí­da em mas­sa do Tra­ta­do de Ro­ma cons­ti­tui um pas­so na di­rec­ção do re­for­ço da im­pu­ni­da­de. Mes­mo em Áfri­ca, mui­tas vo­zes pre­fe­rem ali­nhar com es- te gru­po, de­fen­den­do que a ju­ris­di­ção do TPI ser­ve co­mo uma es­pé­cie de lem­bre­te pa­ra as li­de­ran­ças, pa­ra os “se­nho­res de guer­ra” e in­di­vi­du­a­li­da­des que pos­sam es­tar, di­rec­ta ou in­di­rec­ta­men­te li­ga­das ao co­me­ti­men­to de cri­mes de ge­no­cí­dio, cri­mes de guer­ra ou con­tra a hu­ma­ni­da­de. Tra­ta-se de um im­por­tan­te freio, ju­ri­di­ca­men­te fa­lan­do, mas não há dú­vi­das de que com­pa­ra­ti­va­men­te a ou­tras zo­nas do glo­bo, Áfri­ca con­ti­nua a ser uma es­pé­cie de tu­bo de en­saio so­bre a efi­cá­cia des­te me­ca­nis­mo. E pa­ra mui­tos não co­lhe a ideia de que é mais em Áfri­ca on­de se en­con­tram cri­a­das as con­di­ções pa­ra as in­ves­ti­ga­ções e even­tu­al res­pon­sa­bi­li­za­ção in­di­vi­du­al so­bre os cri­mes re­fe­ri­dos.

Na ver­da­de, tra­ta-se de um de­ba­te em que apa­ren­te e pa­ra­do­xal­men­te os dois la­dos reú­nem de­ter­mi­na­da do­se de ra­zão, em­bo­ra fos­se re­co­men­dá­vel que um pas­so na di­rec­ção da saí­da de­ves­se ser pre­en­chi­do por ou­tro com­pen­sa­tó­rio. En­tre re­ti­rar-se e man­ter-se vin­cu­la­do ao Tra­ta­do de Ro­ma, o fun­da­men­tal pa­ra a ob­ser­vân­cia da­que­la pri­mei­ra pos­si­bi­li­da­de se­ria o “Day Af­ter” por­que não bas­ta pon­de­rar o aban­do­no. É pre­ci­so que os Es­ta­dos afri­ca­nos pon­de­rem já os pas­sos que po­dem ser da­dos pa­ra co­brir o va­zio que ten­de a se­guir-se com uma even­tu­al re­ti­ra­da do Tra­ta­do co­mo pre­ten­de a Áfri­ca do Sul e se­gu­ra­men­te se­gui­da por vá­ri­os paí­ses.

Tal co­mo cons­ta da Car­ta Cons­ti­tu­ti­va da União Afri­ca­na, se­ria re­co­men­dá­vel que a or­ga­ni­za­ção con­ti­nen­tal ace­le­ras­se os pres­su­pos­tos pa­ra, tal co­mo cons­ta no Ac­to Cons­ti­tu­ti­vo da União Afri­ca­na, a cri­a­ção do Tri­bu­nal Afri­ca­no e o seu res­pec­ti­vo Pro­to­co­lo. Se por um la- do che­ga a ser ra­zoá­vel a ten­dên­cia pa­ra se pen­sar que o TPI vi­sa des­pro­por­ci­o­nal­men­te as li­de­ran­ças afri­ca­nas, é fun­da­men­tal que os pas­sos sub­se­quen­tes a uma even­tu­al re­ti­ra­da não se trans­for­mem num va­zio enor­me e com­ple­xo num con­ti­nen­te em que es­tão de­vi­da­men­te apu­ra­dos os me­ca­nis­mos de pre­ven­ção e ges­tão de con­fli­tos. Além da Áfri­ca do Sul, paí­ses co­mo Na­mí­bia e Bu­run­di tam­bém já ma­ni­fes­ta­ram a in­ten­ção de aban­do­nar aque­la ins­ti­tui­ção de jus­ti­ça pe­nal in­ter­na­ci­o­nal que diz não per­se­guir go­ver­nan­tes afri­ca­nos, mas de­fen­der go­ver­na­dos afri­ca­nos ale­ga­da­men­te ví­ti­mas de atro­ci­da­des.

Por is­so, mais do que de­fen­der uma even­tu­al re­ti­ra­da em mas­sa de to­dos os 34 paí­ses afri­ca­nos que subs­cre­ve­ram o Tra­ta­do de Ro­ma ou ins­tar que te­nham de lá es­tar, é pre­ci­so que se pon­de­re, 16 anos de­pois da adop­ção em Lo­mé do Ac­to Cons­ti­tu­ti­vo da União Afri­ca­na, a im­ple­men­ta­ção do ar­ti­go 18, so­bre o es­ta­be­le­ci­men­to do Tri­bu­nal de Jus­ti­ça. Ou, que as or­ga­ni­za­ções sub-re­gi­o­nais, nos seus mais va­ri­a­dos pro­ces­sos de in­te­gra­ção eco­nó­mi­ca e po­lí­ti­ca, ava­li­em a ins­ta­la­ção de um tri­bu­nal, co­mo pre­vis­to nas Car­tas Cons­ti­tu­ti­vas des­sas mes­mas en­ti­da­des. Não bas­ta di­zer não ao TPI ou man­ter-se lá, ale­gan­do vi­ti­mi­za­ção, mas evo­luir pa­ra dar res­pos­ta que sal­va­guar­de in­te­res­ses e pre­o­cu­pa­ções de to­dos, es­pe­ci­al­men­te os afri­ca­nos, quer go­ver­nan­tes, quer go­ver­na­dos. No fun­do, to­das as pre­o­cu­pa­ções são le­gí­ti­mas, sen­do mais im­por­tan­te uma so­lu­ção afri­ca­na pa­ra a cri­a­ção de uma ins­tân­cia con­ti­nen­tal ou vá­ri­as re­gi­o­nais pa­ra li­dar com ca­sos que en­vol­vam ge­no­cí­dio, cri­mes de guer­ra ou con­tra a hu­ma­ni­da­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.