Seis cen­te­nas de pa­ci­en­tes são aten­di­dos to­dos os di­as

HOS­PI­TAL DE KAPALANGA Ma­te­ri­al hos­pi­ta­lar e ali­men­tos do­a­dos pe­la Fun­da­ção Sol re­du­zem ca­rên­cia da ins­ti­tui­ção

Jornal de Angola - - REPORTAGEM - ADALBERTO CEITA | O dia-a-dia no Hos­pi­tal de Kapalanga do mu­ni­cí­pio de Vi­a­na é de sa­cri­fí­ci­os e inú­me­ras di­fi­cul­da­des on­de a equi­pa mé­di­ca faz a mis­são pos­sí­vel de “sal­var vi­das”

Inau­gu­ra­do pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, em 2012, o Hos­pi­tal de Vi­a­na tor­nou-se uma re­fe­rên­cia pa­ra os mo­ra­do­res do mu­ni­cí­pio, ape­sar de a ca­rên­cia tor­nar di­fí­cil a sa­tis­fa­ção de to­dos os uten­tes da uni­da­de.

Co­nhe­ci­da por Hos­pi­tal de Kapalanga, de­vi­do à lo­ca­li­za­ção na­que­le bair­ro do mu­ni­cí­pio, a uni­da­de aten­de por dia mais de 600 pa­ci­en­tes, a mai­o­ria dos quais com ma­lá­ria. Acom­pa­nha­da da ir­mã mais ve­lha, Fe­li­zar­da Ma­cu­to de­mons­tra in­dis­po­si­ção por es­tar dei­ta­da nu­ma ca­ma de hos­pi­tal, mas, pa­ra ela, o pi­or já pas­sou. Ago­ra, en­tre­gue aos cui­da­dos em or­to­pe­dia, cum­pre à ris­ca as re­co­men­da­ções dos mé­di­cos e do pes­so­al de en­fer­ma­gem, con­di­ção que a faz crer em di­as me­lho­res.

Fe­li­zar­da in­te­gra a lon­ga lista das ví­ti­mas da si­nis­tra­li­da­de, que tem cei­fa­do à vi­da de mi­lha­res de pes­so­as, na sua mai­o­ria jo­vens.

Atro­pe­la­da du­as se­ma­nas an­tes per­to da Via Ex­pres­sa, tem di­fi­cul­da­des em lem­brar o que lhe acon­te­ceu, mas con­si­de­ra-se uma pes­soa de sor­te. “Se es­tou vi­va, de­vo-o a Deus, às pes­so­as que me trou­xe­ram até aqui e aos mé­di­cos que me aten­de­ram”, dis­se.

Uni­da­de de re­fe­rên­cia do mu­ni­cí­pio de Vi­a­na, o dia-a-dia no Hos­pi­tal de Kapalanga é fei­to de sa­cri­fí­ci­os. As di­fi­cul­da­des são inú­me­ras e o pes­so­al mé­di­co e de en­fer­ma­gem faz o que po­de na sua no­bre mis­são de “sal­var vi­das.”

À se­me­lhan­ça do que acon­te­ce nou­tras uni­da­des de saúde, o di­rec­tor-ge­ral do hos­pi­tal, Al­ber­to da Rosa, ex­pli­ca que o vo­lu­me de ac­ti­vi­da­des es­bar­ra na es­cas­sez de mei­os, o que aca­ba por cri­ar cons­tran­gi­men­tos fa­ce à de­man­da po­pu­la­ci­o­nal. A cri­se eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra atin­giu o hos­pi­tal.

O or­ça­men­to foi afec­ta­do. O tam­bém mé­di­co as­sis­ten­te gra­du­a­do su­bli­nha que o aten­di­men­to é man­ti­do com o bá­si­co.

In­ter­na­do no Hos­pi­tal de Kapalanga, es­tá tam­bém Jo­sé Chi­ton­go. Pá­li­do e com o ros­to tran­ca­do, en­gros­sa a lista dos pa­ci­en­tes com ma­lá­ria. As es­ta­tís­ti­cas do hos­pi­tal apon­tam pa­ra uma mé­dia de qua­tro mil ca­sos da do­en­ça por mês.

Na­tu­ral do Na­mi­be, Chi­ton­go veio pa­ra Lu­an­da em mis­são de ser­vi­ço. O con­ví­vio com um am­bi­en­te di­fe­ren­te de tra­ba­lho du­rou pou­co tem­po. Qua­tro di­as de­pois de ter abra­ça­do o no­vo de­sa­fio, te­ve a re­caí­da. Quan­do deu por si, es­ta­va dei­ta­do nu­ma ca­ma do hos­pi­tal.

“Che­guei aqui mes­mo mal. Fui bem aten­di­do e es­tou a me­lho­rar. Da­qui a dois di­as, de­vo re­ce­ber al­ta mé­di­ca”, va­ti­ci­na.

À en­tra­da do hos­pi­tal, num dos lar­gos cor­re­do­res, vê-se a quan­ti­da­de de gen­te que pro­cu­ra o ser­vi­ço de con­sul­tas ex­ter­nas. O gros­so é for­ma­do por mu­lhe­res com fi­lhos ao co­lo. Pa­ra as aten­der, o hos­pi­tal tem 47 mé­di­cos, 25 dos quais es­tran­gei­ros, 109 en­fer­mei­ros e per­to de 50 co­la­bo­ra­do­res.

Enor­me ca­rên­cia

A ma­lá­ria li­de­ra a es­ta­tís­ti­ca das do­en­ças di­ag­nos­ti­ca­das nas pes­so­as que pro­cu­ram “so­cor­ro” no Hos­pi­tal de Kapalanga, re­ve­lou o seu di­rec­tor-ge­ral.

Al­ber­to da Rosa re­fe­riu que os ban­cos de ur­gên­cia de Pe­di­a­tria, Ci­rur­gia Ge­ral, Or­to­pe­dia e Me­di­ci­na fun­ci­o­nam 24 ho­ras inin­ter­rup­tas.Com o iní­cio da épo­ca das chu­vas, os ca­sos de ma­lá­ria têm ten­dên­cia de au­men­tar. Ape­sar da me­lho­ria re­gis­ta­da no sa­ne­a­men­to bá­si­co do mu­ni­cí­pio, o mé­di­co ad­ver­te que as de­fi­ci­ên­ci­as per­sis­tem e te­me um agra­va­men­to da si­tu­a­ção. “Te­mo uma enor­me ca­rên­cia, à se­me­lhan­ça dos ou­tros hos­pi­tais do país. Es­ta­mos num mo­men­to eco­nó­mi­co me­nos bom e tam­bém res­sen­ti­mos es­sa si­tu­a­ção”, la­men­tou. Com 125 ca­mas, o hos­pi­tal en­fren­ta inú­me­ros de­sa­fi­os, dis­se o res­pon­sá­vel, que agra­de­ceu o ges­to da Fun­da­ção Sol, que do­ou ma­te­ri­al hos­pi­ta­lar e ali­men­tos à ins­ti­tui­ção. Es­ses bens vão mi­ni­mi­zar as di­fi­cul­da­des exis­ten­tes, so­bre­tu­do, em re­la­ção aos mei­os gas­tá­veis, dis­se.Si­tu­a­do no mu­ni­cí­pio mais po­pu­lo­so da pro­vín­cia de Lu­an­da, a que a ex­pan­são do Zan­go veio dar mai­or den­si­da­de, o Hos­pi­tal Mu­ni­ci­pal aten­de pa­ci­en­tes de to­dos os pon­tos de Vi­a­na e ain­da de zo­nas cir­cun­vi­zi­nhas.

De acor­do com o di­rec­tor, re­ce­bem pa­ci­en­tes de Ico­lo e Ben­go, Ca­cu­a­co e do dis­tri­to ur­ba­no do Ki­lam­ba Ki­a­xi. “A de­man­da é sem­pre mai­or. Es­ta­mos com uma co­ber­tu­ra pro­fis­si­o­nal de pou­co mais de 50 por cen­to”, pon­tu­a­li­zou. Al­ber­to da Rosa acon­se­lhou a po­pu­la­ção a fa­zer uso de re­des mos­qui­tei­ras, água po­tá­vel na ali­men­ta­ção e a ter cui­da­do com os ali­men­tos crus. Pa­ra o mé­di­co, além do sa­ne­a­men­to do meio, é im­por­tan­te a hi­gi­e­ne pes­so­al.

So­li­da­ri­e­da­de so­ci­al

O com­pro­mis­so em apoi­ar os mais ca­ren­ci­a­dos com ac­ções de so­li­da­ri­e­da­de so­ci­al con­ti­nua a ser uma apos­ta da Fun­da­ção Sol, ga­ran­tiu a pre­si­den­te do seu Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção, Tânya Gar­cia.

“Rei­te­ro aqui o fir­me com­pro­mis­so no apoio, com a en­tre­ga de ma­te­ri­al hos­pi­ta­lar e gas­tá­vel, me­di­ca­men­tos, bens ali­men­ta­res e ou­tros ao Hos­pi­tal Mu­ni­ci­pal de Vi­a­na - Kapalanga”, dis­se.

Tânya Gar­cia re­co­nhe­ceu que as ne­ces­si­da­des são inú­me­ras e os de­sa­fi­os enor­mes. Sa­li­en­tou que a do­a­ção efec­tu­a­da ao hos­pi­tal re­pre­sen­ta a de­di­ca­ção dos co­la­bo­ra­do­res da Fun­da­ção Sol.

Aju­dar a sal­var vi­das cons­ta dos ob­jec­ti­vos da ins­ti­tui­ção que pre­si­de, afir­mou, re­for­çan­do que a so­li­da­ri­e­da­de as­su­mi­da há seis anos, aquan­do da cri­a­ção da fun­da­ção, além da saúde, abar­ca as áre­as do am­bi­en­te, edu­ca­ção, ci­ên­cia e tec­no­lo­gia, li­te­ra­tu­ra e desporto.

“Não va­mos pa­rar por aqui. To­das as áre­as que apoi­a­mos são pri­o­ri­tá­ri­as e va­mos in­ci­dir a nos­sa ac­ção on­de as ne­ces­si­da­des se fa­zem sen­tir com mai­or in­ten­si­da­de”, sa­li­en­tou.

Tânya Gar­cia lem­brou que a Fun­da­ção Sol tem vol­ta­do as ac­ções e do­a­ções pa­ra o res­ga­te da ci­da­da­nia, in­clu­são so­ci­al, sus­ten­ta­bi­li­da­de e de­sen­vol­vi­men­to.

BANY GU­E­DES

O com­pro­mis­so em apoi­ar os mais ca­ren­ci­a­dos com ac­ções de so­li­da­ri­e­da­de so­ci­al con­ti­nua a ser uma apos­ta da Fun­da­ção Sol

BANY GU­E­DES

BANY GU­E­DES

Tânya Gar­cia re­co­nhe­ceu as di­fi­cul­da­des

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.