Re­for­ça­do com­ba­te ao Es­ta­do Is­lâ­mi­co

Au­to­ri­da­des pro­cu­ram con­tro­lar a mo­vi­men­ta­ção de em­bar­ca­ções com imi­gran­tes

Jornal de Angola - - PARTADA -

O Go­ver­no de União Na­ci­o­nal lí­bio anun­ci­ou on­tem que in­ten­si­fi­cou os combates con­tra o Es­ta­do Is­lâ­mi­co em vá­ri­as re­giões do país, pa­ra re­du­zir ao má­xi­mo as su­as zo­nas de in­fluên­cia, co­mo a ci­da­de de Sir­te, um dos seus mai­o­res bas­tiões, a par­tir da qual o gru­po lan­ça ac­ções con­tra ins­ti­tui­ções e pro­vo­ca o pâ­ni­co na po­pu­la­ção. Os combates re­sul­ta­ram em bai­xas hu­ma­nas e ma­te­ri­ais sig­ni­fi­ca­ti­vas ao Es­ta­do Is­lâ­mi­co. Fon­tes li­ga­das ao go­ver­no con­fir­ma­ram a mor­te de pe­lo me­nos se­te sol­da­dos e o fe­ri­men­to de 20 ou­tros em Sir­te.

O Go­ver­no de União Na­ci­o­nal lí­bio anun­ci­ou on­tem que in­ten­si­fi­cou os combates con­tra o Es­ta­do Is­lâ­mi­co em vá­ri­as re­giões do país, pa­ra re­du­zir ao má­xi­mo as su­as zo­nas de in­fluên­cia, co­mo a ci­da­de de Sir­te, um dos seus mai­o­res bas­tiões, a par­tir da qual o gru­po lan­ça ac­ções con­tra ins­ti­tui­ções e pro­vo­ca o pâ­ni­co na po­pu­la­ção.

Os combates re­sul­ta­ram em bai­xas hu­ma­nas e ma­te­ri­ais sig­ni­fi­ca­ti­vas ao Es­ta­do Is­lâ­mi­co. Fon­tes li­ga­das ao go­ver­no con­fir­ma­ram a mor­te de pe­los se­te sol­da­dos e o fe­ri­men­to de 20 ou­tros na ci­da­de de Sir­te, lo­ca­li­za­da a 450 qui­ló­me­tros a les­te da ca­pi­tal Tri­po­li.

A in­for­ma­ção tam­bém foi con­fir­ma­da on­tem pe­la ad­mi­nis­tra­ção do Hos­pi­tal Cen­tral de Mis­ra­ta. “O Ser­vi­ço de Ur­gên­ci­as e Aci­den­tes do Hos­pi­tal re­ce­beu se­te mor­tos e 20 fe­ri­dos en­tre os mi­li­ta­res que es­ta­vam en­vol­vi­dos na ope­ra­ção al-Bou­ni­a­ne al-Mar­sous (Ar­qui­tec­tu­ra Blin­da­da), na ci­da­de de Sir­te”, in­di­ca um co­mu­ni­ca­do do Hos­pi­tal.

A uni­da­de hos­pi­ta­lar pre­ci­sou que os fe­ri­dos são oriun­dos das ci­da­des lí­bi­as de Mis­ra­ta, Sabha, Mez­da, Zli­ten e Zou­a­ra e as su­as le­sões os­ci­lam en­tre sim­ples, mé­di­as e gra­ves. As for­ças go­ver­na­men­tais lí­bi­as con­se­gui­ram re­to­mar o con­tro­lo to­tal do bair­ro das 600 uni­da­des de alo­ja­men­tos em Sir­te, um dos úl­ti­mos bas­tiões do Es­ta­do Is­lâ­mi­co. Nos úl­ti­mos di­as, as mo­vi­men­ta­ções de uni­da­des mi­li­ta­res ter­res­tres nas re­giões mais mar­ca­das pe­los combates cres­ce­ram o que re­ti­rou es­pa­ço de ma­no­bra ao EI.

For­ças na­vais

As for­ças na­vais da Líbia ne­ga­ram on­tem as acu­sa­ções de uma or­ga­ni­za­ção de res­ga­te que res­pon­sa­bi­li­za­va uma de su­as tri­pu­la­ções pe­lo ata­que a um bar­co na sex­ta-fei­ra lo­ta­do com cer­ca de 150 pes­so­as. O ata­que cau­sou vá­ri­as mor­tes por afo­ga­men­to. O por­ta-voz das for­ças na­vais em Trí­po­li, Ayoub Qas­sem, dis­se que uma pa­tru­lha só abor­dou uma em­bar­ca­ção pa­ra pro­ce­der a ve­ri­fi­ca­ções de ro­ti­na.

A Sea-Wat­ch, que tem se­de na Ale­ma­nha, e é uma de vá­ri­as or­ga­ni­za­ções não-go­ver­na­men­tais que apoi­am em­bar­ca­ções de imi­gran­tes na cos­ta da Líbia. A ONG acu­sou na sex­ta-fei­ra que uma lan­cha com a ins­cri­ção “Gu­ar­da Cos­tei­ra Líbia” se apro­xi­mou do bar­co da or­ga­ni­za­ção que so­cor­ria um bo­te de bor­ra­cha su­per­lo­ta­do e pro­vo­cou o in­ci­den­te, des­cri­to co­mo gra­ve.

“Pe­lo me­nos um ho­mem do na­vio lí­bio sal­tou no bo­te e es­pan­cou os imi­gran­tes com um bas­tão, cau­san­do pâ­ni­co ge­ne­ra­li­za­do”, dis­se o por­ta-voz da Sea-Wat­ch. Par­te do bo­te de­ses­ta­bi­li­zou-se du­ran­te a abor­da­gem bru­tal do na­vio lí­bio, lan­çan­do a mai­o­ria dos ocu­pan­tes ao mar. Mais de 8.100 mi­gran­tes fo­ram so­cor­ri­dos na cos­ta da Líbia e, no sá­ba­do, o na­vio no­ru­e­guês “Si­em Pi­lot” ten­ta­va aju­dar as lan­chas im­pro­vi­sa­das que se en­con­tra­vam à de­ri­va e so­bre­car­re­ga­das de pes­so­as pro­ce­den­tes de paí­ses afri­ca­nos.

Imi­gran­tes

Pe­lo me­nos 2.400 mi­gran­tes fo­ram res­ga­ta­dos em di­fí­ceis ope­ra­ções. Os so­cor­ris­tas en­con­tra­ram 14 cor­pos no in­te­ri­or da em­bar­ca­ção. A or­ga­ni­za­ção Mé­di­cos Sem Fron­tei­ra con­se­guiu sal­var pe­lo me­nos dez pes­so­as, en­tre as quais qua­tro cri­an­ças, que caí­ram de uma lan­cha que nau­fra­ga­va. Du­ran­te o dia, fo­ram en­con­tra­dos no­ve cor­pos nou­tra em­bar­ca­ção, mas ain­da não se sa­be a cau­sa das mor­tes. Afo­ga­men­to, as­fi­xia, quei­ma­du­ras, hi­po­ter­mia, de­si­dra­ta­ção e exaus­tão es­tão en­tre as mais pro­vá­veis. A tri­pu­la­ção do “Si­em Pi­lot”, que pa­tru­lha a re­gião sob man­da­to da agên­cia eu­ro­peia Fron­tex, deu abri­go a qua­se mil mi­gran­tes, exaus­tos e ner­vo­sos. Eles fo­ram so­cor­ri­dos por um pe­tro­lei­ro.

“Nun­ca vi uma ope­ra­ção de so­cor­ro as­sim”, dis­se o co­man­dan­te da Po­lí­cia Pal Erik Tei­gen, que co­or­de­na as ope­ra­ções, a uma equi­pa da AFP a bor­do do “Si­em Pi­lot”.

O mar cal­mo du­ran­te to­da a se­ma­na fa­vo­re­ceu a saí­da dos mi­gran­tes a par­tir da cos­ta líbia. As equi­pas de emer­gên­cia acre­di­tam que vai ser ba­ti­do o re­cor­de de che­ga­das pa­ra o mês de Ou­tu­bro, com 20.000 pes­so­as res­ga­ta­das.

A si­tu­a­ção é ca­da vez mais di­fí­cil pa­ra a Itá­lia que, após o en­cer­ra­men­to das fron­tei­ras dos paí­ses do nor­te, de­ve re­ce­ber em seu ter­ri­tó­rio boa par­te dos mi­gran­tes.

Po­lí­ti­ca eu­ro­peia

Os mi­nis­tros do In­te­ri­or do “G6” afir­ma­ram que o re­pa­tri­a­men­to dos imi­gran­tes em si­tu­a­ção ile­gal que não re­ce­bem asi­lo é um ele­men­to fun­da­men­tal da po­lí­ti­ca eu­ro­peia de flu­xos mi­gra­tó­ri­os.

A lu­ta con­tra os tra­fi­can­tes lí­bi­os re­pre­sen­ta ou­tro ei­xo, mas a ope­ra­ção na­val Sophia ini­ci­a­da em 2015 ain­da não apre­sen­tou re­sul­ta­dos sa­tis­fa­tó­ri­os. A União Eu­ro­peia pre­ten­de trei­nar e equi­par a Gu­ar­da Cos­tei­ra líbia pa­ra aju­dar no com­ba­te ao tra­fi­can­tes. O iní­cio da for­ma­ção es­tá pre­vis­to pa­ra o fim des­te mês. O blo­co de­se­ja as­se­gu­rar que os 80 can­di­da­tos se­jam do Go­ver­no lí­bio.

AFP

Re­giões em com­ba­te na Líbia re­gis­ta­ram au­men­to da mo­vi­men­ta­ção de uni­da­des mi­li­ta­res

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.