Água mi­ne­ral do Zai­re pa­ra os paí­ses vi­zi­nhos

Di­fi­cul­da­des de aces­so às di­vi­sas con­di­ci­o­nam con­quis­ta de to­do o mer­ca­do na­ci­o­nal

Jornal de Angola - - PARTADA - JAQUELINO FIGUEIREDO |

A pro­vín­cia do Zai­re pre­vê ex­por­tar água mi­ne­ral, a par­tir do pró­xi­mo ano, pa­ra os paí­ses vi­zi­nhos, atra­vés da em­pre­sa Nen­ca­za Óle­os e Ser­vi­ço, Lda., do gru­po DANIA, um ano de­pois da sua inau­gu­ra­ção, anun­ci­ou o pro­pri­e­tá­rio da uni­da­de fa­bril. Adri­a­no Manuel dis­se que a em­pre­sa já con­quis­tou, além do Zai­re, as pro­vín­ci­as de Ca­bin­da, Ben­go e Lu­an­da, on­de for­ne­ce gran­des quan­ti­da­des de água mi­ne­ral M’pam­pa.

A Pro­vín­cia do Zai­re pre­vê ex­por­tar água mi­ne­ral, a par­tir do pró­xi­mo ano, pa­ra os paí­ses vi­zi­nhos, atra­vés da em­pre­sa Nen­ca­za Óle­os e Ser­vi­ço, Lda. do gru­po DANIA, um ano de­pois da sua inau­gu­ra­ção, anun­ci­ou o pro­pri­e­tá­rio da uni­da­de fa­bril.

Adri­a­no Manuel, que fa­la­va du­ran­te a ce­le­bra­ção do pri­mei­ro ani­ver­sá­rio da cri­a­ção da fábrica, dis­se que a em­pre­sa já con­quis­tou, além do Zai­re, as pro­vín­ci­as de Ca­bin­da, Ben­go e Lu­an­da, on­de for­ne­ce gran­des quan­ti­da­des de água mi­ne­ral M’pam­pa. Pa­ra o em­pre­sá­rio, a con­quis­ta de to­do o mer­ca­do na­ci­o­nal es­tá de­pen­den­te ape­nas da li­be­ra­li­za­ção cam­bi­al pe­lo Go­ver­no, com vis­ta a fa­ci­li­tar a aqui­si­ção da ma­té­ria-pri­ma a cur­to pra­zo.

O gru­po apon­ta o pró­xi­mo ano co­mo da­ta li­mi­te pa­ra o cum­pri­men­to das su­as me­tas, nu­ma al­tu­ra em que a uni­da­de fa­bril tem lu­cros men­sais ava­li­a­dos em 200 mi­lhões de kwan­zas e uma car­tei­ra de cré­di­to na or­dem de 59 mi­lhões que aguar­dam pe­lo pa­ga­men­to.

Li­be­ra­li­za­ção cam­bi­al

Pa­ra o em­pre­sá­rio, a con­quis­ta do mer­ca­do na­ci­o­nal es­tá de­pen­den­te ape­nas da li­be­ra­li­za­ção cam­bi­al pe­lo Go­ver­no, com vis­ta a fa­ci­li­tar a aqui­si­ção da ma­té­ria-pri­ma a cur­to pra­zo. O gru­po apon­ta o pró­xi­mo ano co­mo da­ta li­mi­te pa­ra o cum­pri­men­to das su­as me­tas.

Uni­da­de fa­bril ob­tém lu­cros vi­sí­veis no pri­mei­ro ano en­quan­to o seu pro­pri­e­tá­rio am­bi­ci­o­na pa­ra bre­ve atin­gir ou­tros paí­ses da re­gião

“A nos­sa gran­de apos­ta nes­te mo­men­to es­tá fo­ca­da na ex­por­ta­ção da mar­ca M’pam­pa aos mer­ca­dos da SADC, com des­ta­que pa­ra as Re­pú­bli­cas da Áfri­ca do Sul, da Na­mí­bia e dos Con­gos Braz­za­vil­le e De­mo­crá­ti­co. Os dois úl­ti­mos já con­so­mem água M’pam­pa de for­ma in­di­rec­ta, atra­vés dos nos­sos dis­tri­bui­do­res na pro­vín­cia de Ca­bin­da e da fron­tei­ra do Lu­vo em Mban­za Kon­go (Zai­re)”, fri­sou.

O gru­po es­tá a tra­ba­lhar com es­tru­tu­ras do Go­ver­no an­go­la­no, com vis­ta a con­se­guir a cer­ti­fi­ca­ção in­ter­na­ci­o­nal, em obe­di­ên­cia às exi­gên­ci­as da Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saúde. “Es­ta­mos a en­vi­dar es­for­ços pa­ra a efec­ti­va­ção do pro­jec­to e tra­zer di­vi­sas pa­ra o país”, re­fe­riu.

“Tra­ba­lha­mos pa­ra atin­gir o Sul de An­go­la, com vis­ta a sen­tir­mo­nos sa­tis­fei­tos in­ter­na­men­te. Ain­da não nos sen­ti­mos sa­tis­fei­tos. Que­re­mos for­ne­cer o nos­so pro­du­to pa­ra An­go­la to­da. Pa­ra tal, de­ve­mos an­tes ul­tra­pas­sar o pro­ble­ma cam­bi­al que vi­ve­mos, com a con­quis­ta dos paí­ses li­mí­tro­fes”, avan­çou.

O au­men­to da pro­du­ção es­tá con­di­ci­o­na­do às di­fi­cul­da­des de aces­so às di­vi­sas, o que im­pos­si­bi­li­ta a aqui­si­ção de ma­té­ria-pri­ma. “Só não au­men­ta­mos até ago­ra por­que te­mos pro­ble­mas gra­ves na aqui­si­ção de ma­té­ria-pri­ma, si­tu­a­ção que es­tá a ser mi­no­ra­da pe­lo Mi­nis­té­rio de Eco­no­mia e com apoio do Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la (BNA) que têm es­ta­do a nos aju­dar, bem co­mo os nos­sos for­ne­ce­do­res es­tão a tor­na­rem-se fle­xí­veis, pe­lo fac­to da eco­no­mia na­ci­o­nal co­me­çar a mos­trar si­nais de re­cu­pe­ra­ção e acei­tam ago­ra fa­zer cré­di­tos a cur­to e a mé­dio pra­zos. Por­tan­to, há ex­pec­ta­ti­vas de que 2017 te­nha­mos mais pro­du­ção”, acres­cen­tou.

Adri­a­no Manuel mos­trou-se agas­ta­do com al­gu­mas em­pre­sas do sec­tor pe­tro­lí­fe­ro e de gás na­tu­ral na re­gião, ao ma­ni­fes­ta­rem ati­tu­des me­nos abo­na­tó­ri­as, com vis­ta a man­char a qua­li­da­de do pro­du­to al­ta­men­te cer­ti­fi­ca­do pa­ra o con­su­mo hu­ma­no, ten­do em con­ta as su­as ca­rac­te­rís­ti­cas na­tu­rais.

Qua­li­da­de

O em­pre­sá­rio ga­ran­te que a água mi­ne­ral pro­du­zi­da pe­la sua em­pre­sa obe­de­ce a al­tos pa­drões de aná­li­se pa­ra ga­ran­tir a qua­li­da­de exi­gi­da, atra­vés de la­bo­ra­tó­ri­os cer­ti­fi­ca­dos pa­ra o efei­to, pe­lo que não dei­xa dú­vi­das, tan­to ao con­su­mi­dor na­ci­o­nal co­mo ao in­ter­na­ci­o­nal.

“Ape­sar de ha­ver ain­da pes­so­as in­cré­du­las e du­vi­do­sas qu­an­to à qua­li­da­de do nos­so pro­du­to, re­a­fir­ma­mos que a água M’pam­pa, é 100 por cen­to na­tu­ral, uma vez que pro­vém do sub­so­lo, a par­tir da nas­cen­te do rio com mes­mo no­me e não da cor­ren­te do rio”, es­cla­re­ce.

Por ou­tro, as­se­gu­ra, o sec­tor é ri­go­ro­sa­men­te fis­ca­li­za­do pe­la Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saúde (OMS) por se tra­tar de um pro­du­to pa­ra o con­su­mo hu­ma­no bas­tan­te sen­sí­vel.

“Te­mos si­do sa­cri­fi­ca­dos por al­guns fun­ci­o­ná­ri­os se­ni­o­res das gran­des em­pre­sas dos sec­to­res pe­tro­lí­fe­ro e gás, a fa­vor de for­ne­ce­do­res de ou­tras pro­vín­ci­as em tro­ca de al­gu­mas be­nes­ses, pe­lo que pe­di­mos às au­to­ri­da­des go­ver­na­men­tais lo­cais a en­ce­ta­rem uma ac­ção pa­ra que es­tes res­pei­tem o in­ves­ti­men­to, re­sul­tan­te do con­teú­do lo­cal que dão dig­ni­da­de aos pro­gra­mas do exe­cu­ti­vo na pro­vín­cia”, as­se­ve­rou.

JAQUELINO FIGUEIREDO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.