Re­con­ci­li­a­ção me­re­ce di­vul­ga­ção

Jornal de Angola - - PARTADA - | MANUELA GOMES e GABRIEL BUNGA

A ex­pe­ri­ên­cia de An­go­la nos do­mí­ni­os da re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal, rein­ser­ção so­ci­al dos ex-com­ba­ten­tes e re­cons­tru­ção na­ci­o­nal de­ve ser par­ti­lha­da e di­vul­ga­da, por ser um ca­so de su­ces­so, de­fen­deu on­tem o mi­nis­tro da Defesa Na­ci­o­nal, João Lou­ren­ço. “Tal co­mo na ci­ên­cia, on­de ca­da des­co­ber­ta de­ve ser par­ti­lha­da e di­vul­ga­da pa­ra o bem da hu­ma­ni­da­de, tam­bém na po­lí­ti­ca as bo­as ex­pe­ri­ên­ci­as, os ca­sos de su­ces­so de­vem ser igual­men­te par­ti­lha­dos e di­vul­ga­dos”, dis­se João Lou­ren­ço, ao dis­cur­sar na aber­tu­ra das XX jornadas téc­ni­co-científicas da Fun­da­ção Edu­ar­do dos San­tos (FESA), que ana­li­sam a ex­pe­ri­ên­cia de An­go­la nos pro­ces­sos de re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal, re­cons­tru­ção e rein­ser­ção so­ci­al.

A ex­pe­ri­ên­cia de An­go­la nos do­mí­ni­os da re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal, rein­ser­ção so­ci­al dos ex-com­ba­ten­tes e re­cons­tru­ção na­ci­o­nal de­ve ser par­ti­lha­da e di­vul­ga­da, por ser um ca­so de su­ces­so, de­fen­deu on­tem o mi­nis­tro da Defesa Na­ci­o­nal, João Lou­ren­ço.

“Tal co­mo na ci­ên­cia, on­de ca­da des­co­ber­ta de­ve ser par­ti­lha­da e di­vul­ga­da pa­ra o bem da hu­ma­ni­da­de, tam­bém na po­lí­ti­ca as bo­as ex­pe­ri­ên­ci­as, os ca­sos de su­ces­so de­vem ser igual­men­te par­ti­lha­dos e di­vul­ga­dos”, dis­se João Lou­ren­ço, ao dis­cur­sar na aber­tu­ra das XX jornadas téc­ni­co-científicas da Fun­da­ção Edu­ar­do dos San­tos (Fesa), que ana­li­sam a ex­pe­ri­ên­cia de An­go­la nos pro­ces­sos de re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal, re­cons­tru­ção e rein­ser­ção so­ci­al.

O su­ces­so de An­go­la, fri­sou, é a ra­zão por que o país vem de­sem­pe­nhan­do um pa­pel de re­le­vo no pro­ces­so de pa­ci­fi­ca­ção da Re­gião dos Gran­des La­gos, com a re­a­li­za­ção, ho­je, em Lu­an­da, de mais uma ci­mei­ra.

Pa­ra João Lou­ren­ço, a paz al­can­ça­da há 14 anos de­ve ser for­ta­le­ci­da e pre­ser­va­da, por­que per­mi­te aos ci­da­dãos be­ne­fi­ci­ar e usu­fruir dos seus di­rei­tos con­sa­gra­dos na Cons­ti­tui­ção. “A paz é o bem mais pre­ci­o­so do qual to­dos os ou­tros de­pen­dem. Sem paz não há re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal, sem paz não há re­cons­tru­ção na­ci­o­nal, sem paz não há de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co e so­ci­al, sem paz não há de­mo­cra­cia nem res­pei­to pe­los di­rei­tos hu­ma­nos”, su­bli­nhou.

O mi­nis­tro da Defesa Na­ci­o­nal lem­brou que mui­tos paí­ses co­mo o Ira­que, Sí­ria, Afe­ga­nis­tão, Lí­bia, Ié­men, So­má­lia e ou­tros es­tão a ten­tar, sem su­ces­so, ao lon­go de vá­ri­os anos, al­can­çar a paz. “Nós já a al­can­çá­mos há 14 anos. A nos­sa res­pon­sa­bi­li­da­de pe­ran­te as ge­ra­ções vin­dou­ras é for­ta­le­cê-la e pre­ser­vá-la pa­ra sem­pre. Es­ta­mos proi­bi­dos de fa­lhar”, fri­sou.

Es­for­ço fi­nan­cei­ro

João Lou­ren­ço in­di­cou que o Es­ta­do e os seus par­cei­ros na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais têm fei­to um gran­de es­for­ço fi­nan­cei­ro e de or­ga­ni­za­ção no pro­ces­so de rein­ser­ção so­ci­al de ex-com­ba­ten­tes na so­ci­e­da­de, con­fe­rin­do-lhes a dig­ni­da­de e a es­pe­ran­ça por uma vi­da me­lhor.

Até ao mo­men­to, in­for­mou, pe­lo me­nos, 162.872 ex-mi­li­ta­res das exFAPLA e das ex-For­ças Mi­li­ta­res da UNITA be­ne­fi­ci­a­ram des­te pro­ces­so de rein­ser­ção so­ci­al. Se­gun­do o mi­nis­tro da Defesa Na­ci­o­nal, a rein­ser­ção so­ci­al de mi­lha­res de ex­com­ba­ten­tes foi um dos prin­ci­pais de­sa­fi­os com que An­go­la se de­pa­rou de­pois do al­can­ce da paz, a 4 de Abril de 2002.

Pa­pel dos par­ti­dos

O pa­pel e a con­tri­bui­ção dos par­ti­dos po­lí­ti­cos no pro­ces­so de re­con­ci­li­a­ção e uni­da­de na­ci­o­nal foi o pri­mei­ro te­ma em de­ba­te nas jornadas téc­ni­co-científicas que de­cor­rem no âm­bi­to da ce­le­bra­ção do 20º ani­ver­sá­rio da cri­a­ção da Fesa, que te­ve co­mo ora­do­res os de­pu­ta­dos Ro­ber­to de Al­mei­da, do MPLA, Eu­gé­nio Ma­nu­va­ko­la, da UNITA, e Lu­cas Ngon­da, da FNLA. Pa­ra Ro­ber­to de Al­mei­da, a lu­ta de li­ber­ta­ção na­ci­o­nal con­tra o co­lo­ni­a­lis­mo por­tu­guês as­sen­tou o seu êxi­to na uni­da­de e co­e­são na­ci­o­nal, mas es­te ideá­rio de uni­da­de en­tre os an­go­la­nos, de­pois da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, fi­cou afec­ta­do pe­las in­ge­rên­ci­as ex­ter­nas. O po­lí­ti­co dis­se que o MPLA, sem­pre, ele­geu a uni­da­de e a re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal co­mo prin­cí­pi­os ine­go­ciá­veis em to­das as fa­ses que mar­ca­ram a his­tó­ria do país. “É fá­cil in­fe­rir tam­bém que, por via do seu pa­pel ori­en­ta­dor da ac­ção go­ver­na­ti­va, a con­tri­bui­ção do MPLA na re­con­ci­li­a­ção e uni­da­de na­ci­o­nal se con­fun­de em lar­ga es­ca­la com as vá­ri­as ac­ções le­va­das a ca­bo nes­te sen­ti­do pe­lo Exe­cu­ti­vo an­go­la­no”, acres­cen­tou.

Ro­ber­to de Al­mei­da apon­tou vá­ri­as ta­re­fas pro­mo­vi­das pe­lo MPLA no qua­dro da re­con­ci­li­a­ção, re­cons­tru­ção e rein­ser­ção so­ci­al de­pois do con­fli­to ar­ma­do, en­tre as quais a apro­va­ção da Lei de Am­nis­tia pa­ra to­dos os cri­mes co­me­ti­dos no âm­bi­to do con­fli­to ar­ma­do, a rein­te­gra­ção dos ex-mi­li­ta­res da UNITA nas FAA, o re­as­sen­ta­men­to da po­pu­la­ção des­lo­ca­da de­vi­do ao con­fli­to, pa­ra além da cons­tru­ção e re­cons­tru­ção de vá­ri­as in­fra-es­tru­tu­ras. “De­pois da as­si­na­tu­ra dos acor­dos de Bi­ces­se e das elei­ções de­mo­crá­ti­cas de 1992, o MPLA, sob a li­de­ran­ça e vi­são es­tra­té­gi­ca do ca­ma­ra­da Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, nun­ca ab­di­cou da re­con­ci­li­a­ção e uni­da­de na­ci­o­nal”, dis­se.

Pa­ra Eu­gé­nio Ma­nu­vo­ko­la, da UNITA, a re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal é um im­pe­ra­ti­vo na­ci­o­nal que ex­pri­me a von­ta­de po­pu­lar. “A re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal tem por ob­jec­ti­vo, en­tre ou­tros, res­ta­be­le­cer uma paz jus­ta e du­ra­dou­ra em An­go­la e per­mi­tir, no es­tri­to res­pei­to pe­la le­gis­la­ção em vi­gor, res­pei­tan­do as dis­po­si­ções per­ti­nen­tes dos Acor­dos de Bi­ces­se e do Pro­to­co­lo de Lu­sa­ka, a par­ti­ci­pa­ção de to­dos os an­go­la­nos na pro­mo­ção de um cli­ma so­ci­al de to­le­rân­cia, fra­ter­ni­da­de e con­fi­an­ça re­cí­pro­ca”, dis­se.

Eu­gé­nio Ma­nu­va­ko­la en­ten­de que a cri­se que o país vi­ve exi­ge uma so­lu­ção glo­bal que con­du­za ao re­en­con­tro en­tre os an­go­la­nos. O po­lí­ti­co re­fe­riu que to­da a ac­ção hu­ma­na nos do­mí­ni­os po­lí­ti­co, eco­nó­mi­co, so­ci­al e cul­tu­ral de­ve re­flec­tir-se na re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal.

Lu­cas Ngon­da, de­pu­ta­do e pre­si­den­te da FNLA, de­fen­deu que o pro­ces­so de re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal de­ve ser in­clu­si­vo pa­ra to­dos os an­go­la­nos e ba­se­ar-se na uni­da­de dos po­vos de An­go­la. “O sis­te­ma de­mo­crá­ti­co é o qua­dro ide­al pa­ra o pro­ces­so da re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal e a in­ser­ção so­ci­al dos an­ti­gos com­ba­ten­tes é uma ta­re­fa do pro­ces­so de re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal”, dis­se, re­al­çan­do que os fe­nó­me­nos frac­tu­ran­tes da so­ci­e­da­de an­go­la­na de­vem me­re­cer um tra­ta­men­to es­pe­ci­al no sen­ti­do de não per­tur­bar a paz so­ci­al.

A ses­são de aber­tu­ra fi­cou mar­ca­da com as men­sa­gens da ju­ven­tu­de, das igre­jas, da Fesa e de um mo­men­to cul­tu­ral ani­ma­do pe­lo can­tor Cel­so Mam­bo e por um gru­po co­ral da Igre­ja Me­to­dis­ta. A se­cre­tá­ria-ge­ral do Con­se­lho das Igre­jas Cris­tãs em An­go­la, De­o­lin­da Te­ca, des­ta­cou na men­sa­gem das igre­jas os prin­ci­pais ga­nhos da paz no do­mí­nio ecle­siás­ti­co e os de­sa­fi­os que as igre­jas têm na ma­nu­ten­ção da paz em An­go­la. De­o­lin­da Te­ca dis­se que com a paz foi pos­sí­vel cons­truir e re­cons­truir es­tra­das e pon­tes que per­mi­tem ho­je le­var a evan­ge­li­za­ção a to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.