Zun­guei­ras dei­xam o tra­ba­lho pa­ra apren­der a ler e a es­cre­ver

Jornal de Angola - - PARTADA - ESTANISLAU COSTA|Lu­ban­go

Um to­tal de 180 zun­guei­ras, que co­mer­ci­a­li­zam hor­to­fru­tí­co­las e ou­tros bens de pri­mei­ra ne­ces­si­da­de em vá­ri­os pon­tos da ci­da­de do Lu­ban­go, es­tão, des­de a se­ma­na pas­sa­da, a fre­quen­tar au­las de al­fa­be­ti­za­ção, nu­ma sa­la fi­xa cri­a­da no re­cin­to do mer­ca­do mu­ni­ci­pal.

O pro­ces­so de en­si­nar o ABC às ven­de­do­ras que as­su­mi­ram o com­pro­mis­so de dis­po­ni­bi­li­za­rem uma ho­ra ou du­as ho­ras pa­ra as­sis­tir às au­las, pres­cre­ve três mó­du­los, sen­do o pri­mei­ro com a du­ra­ção de um ano, o se­gun­do, dois, e o ter­cei­ro pre­vê um es­tu­do in­ten­si­vo de três anos.

O res­pon­sá­vel da Al­fa­be­ti­za­ção do Lu­ban­go, Ven­tu­ra Au­gus­to, ex­pli­cou on­tem ao Jor­nal de An­go­la que o pro­gra­ma cons­ta do mé­to­do “Sim Eu Pos­so”, le­va­do a ca­bo pe­lo Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção em co­la­bo­ra­ção com os par­cei­ros e pre­vê, no úl­ti­mo ano, o en­si­no de vá­ri­os ofí­ci­os li­ga­dos às ac­ti­vi­da­des das zun­gei­ras.

Se­gun­do Ven­tu­ra Au­gus­to, as ac­ções de for­ma­ção abran­gem se­nho­ras que sa­bem ler e aque­las in­te­res­sa­das em apren­der um ofí­cio.

“Pro­jec­ta­mos abor­dar nos ci­clos for­ma­ti­vos no­vas áre­as que per­mi­tam às mu­lhe­res for­ta­le­cer os seus ne­gó­ci­os ou de­sen­vol­ver no­vos”, dis­se, pa­ra anun­ci­ar que os mó­du­los pos­te­ri­o­res vão con­tem­plar 300 zun­guei­ras, on­de além da al­fa­be­ti­za­ção, vão apren­der cor­te e cos­tu­ra, in­dús­tria ca­sei­ra, mé­to­dos de pou­pan­ças, téc­ni­cas de di­ver­si­fi­ca­ção do ne­gó­cio e ou­tros. O ad­mi­nis­tra­dor mu­ni­ci­pal do Lu­ban­go, Fran­cis­co Bar­ros, que pro­ce­deu ao lan­ça­men­to das au­las de al­fa­be­ti­za­ção, que en­vol­ve jo­vens pro­fes­so­res fi­li­a­dos na or­ga­ni­za­ção ju­ve­nil do MPLA, ape­lou à de­di­ca­ção e as­si­dui­da­de das se­nho­ras con­tem­pla­das na pri­mei­ra fa­se. “To­das as mu­lhe­res zun­guei­ras be­ne­fi­ciá­ri­as des­ta ac­ção es­pe­ci­al de al­fa­be­ti­za­ção de­vem se em­pe­nhar ao má­xi­mo, res­pei­tar o ho­rá­rio e não fal­tar às au­las, pa­ra que, no es­pa­ço de um ano, se­jam al­can­ça­dos os ob­jec­ti­vos de apren­der a ler e a es­cre­ver”, afir­mou o ad­mi­nis­tra­dor.

Fran­cis­co Bar­ros ga­ran­tiu que o pro­ces­so de en­si­no e apren­di­za­gem vai de­cor­rer sem so­bres­sal­tos, com a ins­ta­la­ção de uma sa­la de au­las num re­cin­to pri­vi­le­gi­a­do do mer­ca­do mu­ni­ci­pal do Lu­ban­go.

“Ago­ra as ma­mãs ven­de­do­ras da ci­da­de do Lu­ban­go não pre­ci­sam de per­cor­rer lon­gas dis­tân­ci­as pa­ra apren­der o ABC”, dis­se, pa­ra acres­cen­tar”:O Exe­cu­ti­vo es­tá em­pe­nha­do no combate ao analfabetismo, com a cri­a­ção e ma­te­ri­a­li­za­ção de vá­ri­as ac­ções, sen­do os re­sul­ta­dos do mu­ni­cí­pio do Lu­ban­go sa­tis­fa­tó­ri­os, de­vi­do à abran­gên­cia ca­da vez mais de pes­so­as ile­tra­das e o au­men­to de pro­fes­so­res vo­lun­tá­ri­os pa­ra o efei­to”.

Sa­tis­fa­ção

Jo­a­na Fran­cis­ca, 30 anos, é zun­guei­ra há 17 anos. Não te­ve tem­po de es­tu­dar por per­der mui­to ce­do os pais num aci­den­te de vi­a­ção. Pas­sou a vi­ver com a avó, que não ti­nha con­di­ções pa­ra su­pri­mir as ne­ces­si­da­des ali­men­ta­res e ou­tras dos três ir­mãos.

Jo­a­na Fran­cis­ca, que co­me­çou por ven­der pê­ra e ma­ça oriun­das do mu­ni­cí­pio da Hum­pa­ta, evo­luiu ago­ra pa­ra a co­mer­ci­a­li­za­ção de bo­los, re­fri­ge­ran­tes e cor­ti­nas, e, mes­mo em épo­ca de cri­se da bai­xa do pre­ço do pe­tró­leo, con­se­gue fac­tu­rar e su­prir as ne­ces­si­da­des da ca­sa.

De­se­jo­sa em for­ta­le­cer o seu ne­gó­cio, a jo­vem foi uma das pri­mei­ras a ma­tri­cu­lar-se na sa­la de al­fa­be­ti­za­ção ins­ta­la­da num dos re­cin­tos do mer­ca­do mu­ni­ci­pal do Lu­ban­go. “Es­tou mui­to sa­tis­fei­ta por­que vou apren­der, pe­la pri­mei­ra vez, a ler e a es­cre­ver, as­sim co­mo fre­quen­tar al­guns cur­sos de ar­tes e ofí­ci­os”.

Já Te­re­sa Ca­ro­li­na enal­te­ceu a ad­mi­nis­tra­ção mu­ni­ci­pal do Lu­ban­go por cri­ar uma sa­la pró­xi­mo à área de ac­ti­vi­da­de das zun­guei­ras, que per­mi­te fre­quen­tar au­las de al­fa­be­ti­za­ção e con­tro­lar o an­da­men­to do ne­gó­cio. “Va­mos nos apli­car pa­ra apren­der rá­pi­do a ler e a es­cre­ver”.

ESTANISLAU COSTA

Nú­me­ro de pes­so­as adul­tas in­te­res­sa­das em apren­der a ler e a es­cre­ver não pá­ra de crescer em co­mu­ni­da­des da pro­vín­cia da Huí­la

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.