CAR­TAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - VI­TÓ­RIA FER­NAN­DES MA­RIA ALI­CE CAR­LOS MAR­TINS

Ter­cei­ra ida­de

Ou­vi em tem­pos que o Bei­ral de Lu­an­da, o lar de ter­cei­ra ida­de, se­ria eva­cu­a­do por ra­zões li­ga­das à re­mo­de­la­ção e que os re­si­den­tes vão ser trans­fe­ri­dos pa­ra al­gu­mas pro­vín­ci­as. Não sei se o pro­ces­so já co­me­çou ou não e, de fac­to, tam­bém não es­tou por den­tro se efec­ti­va­men­te co­me­ça em bre­ve. Em to­do o ca­so, gos­ta­ria que as au­to­ri­da­des que es­tão a ge­rir es­se pro­ces­so me­dis­sem as con­sequên­ci­as des­ta even­tu­al trans­fe­rên­cia de ido­sos do Bei­ral pa­ra ou­tros cen­tros de aco­lhi­men­to.

Em­bo­ra se tra­te de um pas­so pa­ra a me­lho­ria das con­di­ções de aco­mo­da­ção dos “mais ve­lhos”, não dei­xa de ser pre­o­cu­pan­te na me­di­da em que o seu iso­la­men­to ten­de a acen­tu­ar-se. Acre­di­to que nos lo­cais pa­ra on­de vão ser trans­fe­ri­dos en­con­tra­rão con­di­ções de aco­mo­da­ção.

No en­tan­to, há ou­tras va­riá­veis que pre­ci­sam de ser equa­ci­o­na­das na ho­ra da to­ma­da da de­ci­são pa­ra os trans­fe­rir de um la­do pa­ra o ou­tro. Afi­nal de con­tas, mui­tos “mais ve­lhos” re­ce­bem vi­si­tas de fa­mi­li­a­res e ami­gos e, ca­so se­jam trans­fe­ri­dos pa­ra ou­tras pro­vín­ci­as, es­sa pos­si­bi­li­da­de dei­xa de exis­tir.

Con­tra­ri­a­men­te à ideia de que es­tão aban­do­na­dos, mui­tos ido­sos con­ti­nu­am a re­ce­ber vi­si­tas e bens de fa­mi­li­a­res que re­si­dem em Lu­an­da. Es­pe­ro que as au­to­ri­da­des ava­li­em bem em que con­di­ções pre­ten­dem trans­fe­rir os “mais ve­lhos”, por­que ou­tros fac­to­res, tais co­mo a pro­xi­mi­da­de, têm que ser igual­men­te ti­dos em con­ta.

Épo­ca bal­ne­ar

Com a en­tra­da do Ve­rão, a épo­ca bal­ne­ar pa­re­ce co­me­çar da me­lhor for­ma. Acho que o Ser­vi­ço Na­ci­o­nal de Pro­tec­ção Ci­vil e Bom­bei­ros (SNPCB) de­via fa­zer um am­plo tra­ba­lho de sen­si­bi­li­za­ção e edu­ca­ção das po­pu­la­ções, par­ti­cu­lar­men­te as que se fa­zem ao mar re­gu­lar­men­te. É pre­ci­so que co­nhe­çam os lo­cais apro­pri­a­dos pa­ra efec­tu­a­rem o ba­nho, te­nham in­for­ma­ção so­bre as prai­as e se­jam pru­den­tes.

Des­lo­car pa­ra os prin­ci­pais lo­cais de ba­nho equi­pas do SNPCB pa­ra fa­zer o de­vi­do acom­pa­nha­men­to, in­for­ma­ção e acon­se­lha­men­to dos ba­nhis­tas faz to­do o sen­ti­do. Es­pe­ro que as po­pu­la­ções se­jam ca­pa­zes de aca­tar os con­se­lhos e to­mar ba­nho ape­nas nos lo­cais re­co­men­da­dos pe­las au­to­ri­da­des.

Por ou­tro la­do, é fun­da­men­tal que a hi­gi­e­ne e lim­pe­za nas prai­as se­ja uma re­a­li­da­de.

Si­tu­a­ção na Sí­ria

Acom­pa­nho com aten­ção a si­tu­a­ção na Sí­ria e fi­co pre­o­cu­pa­do com a in­de­fi­ni­ção de al­gu­mas po­tên­ci­as, in­clu­si­ve paí­ses vi­zi­nhos com al­gu­ma in­fluên­cia.

Ao que tu­do in­di­ca, bas­ta­rá um er­ro de cál­cu­lo de pe­que­na pro­por­ção pa­ra de­ge­ne­rar num con­fli­to de di­men­são in­con­tro­lá­vel. Es­sa pos­si­bi­li­da­de es­tá a ser mi­ni­mi­za­da exac­ta­men­te co­mo no pas­sa­do, quan­do as gran­des po­tên­ci­as não evi­ta­ram a eclo­são da I e II Guer­ras Mun­di­ais. Há quem ache que são si­tu­a­ções em na­da com­pa­rá­veis, mas con­ti­nuo a dar ra­zão àque­les que de­fen­dem que “o de­mó­nio es­tá nos de­ta­lhes”. Na Sí­ria, es­tão em dis­pu­ta in­te­res­ses de du­as gran­des po­tên­ci­as, nu­ma al­tu­ra em que a Rús­sia co­lo­cou um “hard­ware” mi­li­tar po­ten­te pa­ra tra­var uma even­tu­al en­tra­da em ce­na de ou­tros in­ter­ve­ni­en­tes. Nos Es­ta­dos Uni­dos, o de­ba­te po­lí­ti­co num ano de elei­ções des­do­bra-se en­tre a in­ter­ven­ção, ata­ques “ci­rúr­gi­cos” con­tra as hos­tes do Pre­si­den­te Bashar Al As­sad ou a pos­si­bi­li­da­de de cri­a­ção de zo­nas de ex­clu­são aé­rea.

A Rús­sia de Vla­di­mir Pu­tin es­tá de­ci­di­da a não per­mi­tir o der­ru­be de Bashar Al As­sad, com o ar­gu­men­to ra­zoá­vel de que pi­or é a Sí­ria ser trans­for­ma­da em ban­tus­tões com vá­ri­os gru­pos ar­ma­dos, co­mo Al Nus­ra, Al-Qa­e­a­da e “Es­ta­do Is­lâ­mi­co”, a di­ta­rem as re­gras de jo­go.

Do ou­tro la­do es­tá a Turquia, cu­ja es­tra­té­gia con­sis­te em evi­tar que a si­tu­a­ção ac­tu­al res­va­le pa­ra uma po­si­ção de van­ta­gem pa­ra a cau­sa do po­vo cur­do.

Em mi­nha opi­nião, quer a Rús­sia, quer os Es­ta­dos Uni­dos, so­bre­tu­do com o pró­xi­mo Pre­si­den­te, bem co­mo ou­tros paí­ses com in­te­res­ses na­que­le con­fli­to, co­mo o Irão e a Turquia, de­vem me­dir bem as su­as ac­ções.

O Mun­do não pre­ci­sa de vol­tar a tes­te­mu­nhar uma Gran­de Guer­ra que, co­mo sem­pre, po­de ser des­po­le­ta­da por um sim­ples er­ro de cál­cu­lo no pro­ces­so de to­ma­da de de­ci­são por par­te de um dos in­ter­ve­ni­en­tes no con­fli­to da Sí­ria.

CA­SI­MI­RO PE­DRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.