For­ma­ção pro­fis­si­o­nal é uma apos­ta so­be­ra­na

Apos­ta no ca­pi­tal hu­ma­no faz mais an­go­la­nos be­ne­fi­ci­a­rem do cres­ci­men­to eco­nó­mi­co

Jornal de Angola - - PARTADA -

O Fun­do So­be­ra­no de An­go­la vai con­ti­nu­ar a apoi­ar ini­ci­a­ti­vas vi­ra­das pa­ra o au­to-sus­ten­to, for­ma­ção pro­fis­si­o­nal e em­pre­en­de­do­ris­mo em in­ves­ti­men­tos co­mer­ci­ais, co­mo in­fra-es­tru­tu­ras, ho­te­la­ria, agri­cul­tu­ra, sil­vi­cul­tu­ra, mi­ne­ra­ção e saú­de. A ga­ran­tia foi da­da pe­lo seu pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção, Jo­sé Fi­lo­me­no dos San­tos, du­ran­te uma vi­si­ta à Es­co­la Po­li­va­len­te e Pro­fis­si­o­nal da Ac­ção pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to de Po­vo pa­ra Po­vo (ADPP), em Ca­bin­da, que ser­viu pa­ra ava­li­ar o pro­gres­so da co­o­pe­ra­ção en­tre as du­as ins­ti­tui­ções nos ramos do en­si­no. O pro­gra­ma de co­o­pe­ra­ção com a ADPP co­me­çou em Ou­tu­bro de 2014 e tem uma du­ra­ção de 30 me­ses. O ob­jec­ti­vo prin­ci­pal é me­lho­rar a qua­li­da­de da for­ma­ção pro­fis­si­o­nal atra­vés da me­lho­ria de in­fra-es­tru­tu­ras, ma­te­ri­ais e equi­pa­men­tos dis­po­ní­veis nos cen­tros de for­ma­ção, pa­ra ga­ran­tir a for­ma­ção de mais de mil jo­vens por ano. A ini­ci­a­ti­va abran­ge as cin­co pro­vín­ci­as nas quais a ADPP ad­mi­nis­tra cen­tros de en­si­no.

O Fun­do So­be­ra­no de An­go­la vai con­ti­nu­ar a apoi­ar ini­ci­a­ti­vas vi­ra­das ao au­to-sus­ten­to, a for­ma­ção pro­fis­si­o­nal e o em­pre­en­de­do­ris­mo em in­ves­ti­men­tos co­mer­ci­ais, co­mo in­fra-es­tru­tu­ras, ho­te­la­ria, agri­cul­tu­ra, sil­vi­cul­tu­ra, mi­ne­ra­ção e saú­de.

A ga­ran­tia foi da­da pe­lo seu pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção, Jo­sé Fi­lo­me­no dos San­tos, du­ran­te uma vi­si­ta à Es­co­la Po­li­va­len­te e Pro­fis­si­o­nal da Ac­ção pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to de Po­vo pa­ra Po­vo (ADPP), em Ca­bin­da, que ser­viu pa­ra ava­li­ar o pro­gres­so da co­o­pe­ra­ção en­tre as du­as ins­ti­tui­ções nos ramos do en­si­no.

O pro­gra­ma de co­o­pe­ra­ção com a ADPP ini­ci­ou em Ou­tu­bro de 2014 e tem uma du­ra­ção de 30 me­ses. O ob­jec­ti­vo prin­ci­pal é me­lho­rar a qua­li­da­de da for­ma­ção pro­fis­si­o­nal atra­vés da me­lho­ria de in­fra-es­tru­tu­ras, ma­te­ri­ais e equi­pa­men­tos dis­po­ní­veis nos cen­tros de for­ma­ção, pa­ra ga­ran­tir a for­ma­ção de mais de mil jo­vens por ano.

A ini­ci­a­ti­va abran­ge as cin­co pro­vín­ci­as nas quais a ADPP ad­mi­nis­tra cen­tros de en­si­no e tem um cus­to de 1.621.050 dó­la­res. “O ob­jec­ti­vo é in­te­grar­mos e ala­van­car­mos os seg­men­tos mais vul­ne­rá­veis da so­ci­e­da­de no pro­ces­so de de­sen­vol­vi­men­to do país, pa­ra que ca­da vez mais an­go­la­nos be­ne­fi­ci­em do cres­ci­men­to eco­nó­mi­co re­gis­ta­do em An­go­la. Pro­gra­mas co­mo es­te apoi­a­rão a in­te­gra­ção so­ci­al e eco­nó­mi­ca de inú­me­ros ci­da­dãos na­ci­o­nais a mé­dio pra­zo”, dis­se Jo­sé Fi­lo­me­no dos San­tos.

Com es­ta abor­da­gem, o Fun­do tem co­mo ob­jec­ti­vo pri­mor­di­al re­a­li­zar po­ten­ci­al que po­de­ria pas­sar des­per­ce­bi­do por fal­ta de in­ves­ti­men­to. Ao in­ves­tir no ca­pi­tal hu­ma­no, o Fun­do So­be­ra­no de An­go­la au­men­ta a ca­pa­ci­da­de de cres­ci­men­to rá­pi­do e de ab­sor­ção de in­ves­ti­men­tos adi­ci­o­nais pa­ra An­go­la.

AADPP é uma or­ga­ni­za­ção não­go­ver­na­men­tal que ope­ra há 30 anos em An­go­la no ra­mo do de­sen­vol­vi­men­to so­ci­al sus­ten­tá­vel. Ac­tu­al­men­te, ad­mi­nis­tra oi­to es­co­las li­cen­ci­a­das pe­lo Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção, lo­ca­li­za­das em zo­nas ru­rais e pe­ri-ur­ba­nas, que com­bi­nam a for­ma­ção pro­fis­si­o­nal ao en­si­no da 7ª à 9ª clas­se.

Nes­tes cen­tros os for­man­dos po­dem es­pe­ci­a­li­zar-se nos ramos da elec­tri­ci­da­de, água, am­bi­en­te, edu­ca­ção pré-es­co­lar, agri­cul­tu­ra, cu­li­ná­ria, co­mu­ni­ca­ção, mo­bi­li­za­ção comunitária e pro­mo­ção sa­ni­tá­ria. A co­o­pe­ra­ção en­tre a ADPP, o Fun­do So­be­ra­no de An­go­la a AIF in­clui o en­vol­vi­men­to de fu­tu­ros em­pre­ga­do­res no pro­ces­so de for­ma­ção de mo­do a ga­ran­tir que os for­man­dos se es­pe­ci­a­li­zem no uso das téc­ni­cas e tec­no­lo­gia que o sec­tor pri­va­do ne­ces­si­ta ac­tu­al­men­te. Es­ta ini­ci­a­ti­va per­mi­te aos jo­vens ad­qui­ri­rem a qua­li­fi­ca­ção ne­ces­sá­ria pa­ra ga­ran­ti­rem re­qui­si­tos ne­ces­sá­ri­os pa­ra ace­de­rem a opor­tu­ni­da­des de em­pre­go, ao au­to-sus­ten­to e pos­si­vel­men­te ao em­pre­en­de­do­ris­mo. “Es­ta­mos gra­tos pe­lo apoio do Fun­do a es­ta ini­ci­a­ti­va. A for­ma­ção po­li­va­len­te e pro­fis­si­o­nal pro­por­ci­o­na aos alu­nos com­pe­tên­ci­as prá­ti­cas, bem co­mo es­ta­be­le­ce a ba­se pa­ra a sua em­pre­ga­bi­li­da­de. Um me­lhor con­jun­to de ap­ti­dões per­mi­te que os es­tu­dan­tes pos­sam es­tar en­vol­vi­dos em di­ver­sos sec­to­res, tais co­mo a saú­de, edu­ca­ção e ener­gia”, de­cla­rou Rik­ke Viholm, da ADPP.

A mis­são so­ci­al do FSDEA pre­vê ava­li­a­ções re­gu­la­res do im­pac­to so­ci­al dos pro­jec­tos se­lec­ci­o­na­dos. O ob­jec­ti­vo da vi­si­ta foi cons­ta­tar a exe­cu­ção do pro­jec­to, a apli­ca­ção dos re­cur­sos dis­po­ni­bi­li­za­dos e os be­ne­fí­ci­os gran­je­a­dos aos for­man­dos. O su­ces­so de pro­gra­mas sus­ten­tá­veis de de­sen­vol­vi­men­to so­ci­al re­pre­sen­ta ga­nhos ines­ti­má­veis em ter­mos de pros­pe­ri­da­de pa­ra to­dos os an­go­la­nos. A po­lí­ti­ca de in­ves­ti­men­to do fun­do, apro­va­do por De­cre­to Pre­si­den­ci­al, es­ta­be­le­ce que até 7,5 por cen­to da do­ta­ção da ins­ti­tui­ção de­ve ser alo­ca­do a pro­jec­tos so­ci­ais. A mis­são so­ci­al do Fun­do So­be­ra­no de An­go­la pri­o­ri­za o apoio a pro­jec­tos so­ci­ais nas áre­as da for­ma­ção, au­to-su­fi­ci­ên­cia, aces­so à água po­tá­vel e saú­de.

O Fun­do So­be­ra­no de An­go­la foi cri­a­do de acor­do com as nor­mas in­ter­na­ci­o­nais de go­ver­na­ção e es­tá a di­ver­si­fi­car gra­du­al­men­te a sua car­tei­ra de in­ves­ti­men­tos atra­vés de alo­ca­ções de ca­pi­tal em vá­ri­os sec­to­res e clas­ses de ac­ti­vos, de acor­do com a sua po­lí­ti­ca de in­ves­ti­men­to. Ao pri­vi­le­gi­ar in­ves­ti­men­tos fi­nan­cei­ros de lon­go pra­zo, o Fun­do de­sem­pe­nha uma fun­ção im­por­tan­te na pro­mo­ção do de­sen­vol­vi­men­to so­ci­al e eco­nó­mi­co de An­go­la e na ge­ra­ção de re­ser­vas pa­ra os an­go­la­nos.

JOÃO GO­MES

Ala­van­car os seg­men­tos mais vul­ne­rá­veis da so­ci­e­da­de no pro­ces­so de de­sen­vol­vi­men­to do país é pri­o­ri­da­de do Fun­do So­be­ra­no

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.